×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de janeiro de 2022

Despejos no Brasil estão proibidos até 31 de março: Corte do STF referenda liminar de Barroso

Despejos no Brasil estão proibidos até 31 de março: Corte do STF referenda liminar de BarrosoFoto: Karina Iliescu Costa

De acordo com a Campanha Despejo Zero, até outubro ao menos 81 comunidades tiveram suas remoções temporariamente suspensas no Brasil

Gabriela Moncau - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 08/12/2021 - 16:43:25

"O tempo é curto, mas é um respiro”, diz moradora de ocupação; 123 mil famílias no país estão ameaçadas de remoção

Diante da crise sanitária e socioeconômica do país, as medidas administrativas ou judiciais que resultem em despejos estão suspensas até 31 de março de 2022. Essa foi a decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), referendando liminar provisória do ministro Luís Roberto Barroso.

Até o momento a votação está em 6 a 1 e, portanto, já formou maioria. A Corte tem até o fim dessa quarta-feira (8) para concluir a votação, que está sendo feita em plenário virtual. Os ministros Dias Toffoli, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Carmen Lúcia e Edson Fachin acompanharam a proposição de Barroso, o relator. Apenas o ministro Ricardo Lewandowski apresentou posição contrária.

A proibição dos despejos vale para imóveis de moradia coletiva ou áreas produtivas de populações vulneráveis em regiões urbanas ou rurais. Outro requisito é o de que elas tenham sido ocupadas antes de março de 2020, quando a pandemia de coronavírus começou no Brasil.

:: Ameaçados de despejo ocupam prefeitura na Grande SP e perguntam: "Sabe como é dormir no frio?" ::

Em seu voto, Roberto Barroso afirma que “é certo que a pandemia ainda não acabou e o plano internacional reforça as incertezas com o surgimento de uma nova onda na Europa, que pode ser potencializada pela variante ômicron”.

O relator argumenta, ainda, que o Brasil vive “uma piora acentuada na situação de pessoas em situação de vulnerabilidade, com a perda de renda, escalada do desemprego, inflação acelerada e crescimento significativo da insegurança alimentar”.

As 450 famílias da Ocupação Renascer, em Piracicaba (SP), tinham a reintegração de posse inicialmente marcada para dezembro / Karina Iliescu

A primeira decisão do magistrado suspendendo remoções e desocupações foi proferida em junho e valeria, a princípio, até o início de dezembro de 2021.

A medida cautelar se deu no âmbito da ADPF 828 (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), impetrada pelo PSOL, o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e outras entidades da sociedade civil.

Diante do fim do prazo da vigência da norma, as organizações protocolaram uma petição ao STF, pedindo a sua prorrogação por mais um ano. O ministro Roberto Barroso acatou parcialmente os pedidos e, em 1 de dezembro, emitiu decisão provisória estendendo a suspensão de despejos por mais três meses. Submetida à Corte do Supremo, a medida foi referendada.

123 mil famílias ameaçadas de despejo no Brasil

A decisão do STF traz um alívio momentâneo para ao menos 123.153 famílias no país que, de acordo com a Campanha Despejo Zero, vivem situação iminente de serem postas na rua. Esse número praticamente dobrou no último semestre de 2021. Em junho, eram 64 mil.

A maioria das famílias ameaçadas de despejo estão no estado de São Paulo, são 36.883, seguidas pelo Amazonas, com 19.173.

Entre as comunidades que se viram beneficiadas temporariamente pela decisão do STF, estão as ocupações Renascer e Vitória, em Piracicaba, no interior paulista.

Ambas estão localizadas em áreas particulares que, segundo os ocupantes, estavam abandonadas, sem cumprir a função social da terra que é exigida constitucionalmente.

O Ocupação Renascer surgiu em dezembro de 2019 em um terreno que estava abandonado, no interior paulista / Karina Iliescu

“O tempo é curto, mas é um respiro para ver se a gente consegue reverter a reintegração de posse”, avalia Juliana Garcia de Oliveira, liderança comunitária da Ocupação Renascer, onde vivem 450 famílias desde dezembro de 2019.

Quando veio a decisão judicial de despejo, originalmente agendada para início de dezembro, a sensação foi de desespero. “A grande maioria não tem para onde ir. Eu não sei o que será se isso acontecer”, expõe Juliana.

:: Famílias são despejadas em São Paulo mesmo após STF estender suspensão de remoções ::

Mineirinho, como é conhecido o integrante da Associação de Moradores da Ocupação Vitória, olha a comunidade de cima da laje, ao comentar o risco da remoção: “A gente está na luta. É muito triste: todas as coisas que a gente tem estão aqui né? O que a gente vai fazer?”. Ali vivem 220 famílias há cinco anos.

Desde 2017, a Ocupação Vitória abriga 220 famílias na cidade paulista de Piracicaba e é uma das tantas que vivem a iminência do despejo / Karina Iliescu

Diante da inércia de muitos governos municipais em resolver a demanda por moradia digna – em 2019 o déficit habitacional no Brasil alcançava 5,876 milhões de casas – e da iminência de a suspensão de despejos terminar em 180 dias, comunidades e movimentos sociais estão se articulando.

As ocupações Renascer, Vitória e Alto da Esperança (que, somadas, reúnem cerca de 1070 famílias) estão no processo de fundação da União de Comunidades de Piracicaba (UCP).

“Porque a gente passa por outras necessidades sem ser só a da moradia né? Alimentação, as más condições da casa onde a gente mora, com chuva, com tudo”, narra Juliana: “E ainda pensando né, que amanhã posso acordar e não ter mais meu teto, meu lar”.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Despejos no Brasil estão proibidos até 31 de março: Corte do STF referenda liminar de Barroso":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Testes de Covid-19 podem ser deduzidos do Imposto de Renda

Testes de Covid-19 podem ser deduzidos do Imposto de Renda

O assessor contábil Cláudio Lasso explica que é necessário guardar todas as notas fiscais

O que a lei diz sobre uso de imagens em memes e violação de privacidade?

O que a lei diz sobre uso de imagens em memes e violação de privacidade?

Especialista em Direito Digital e Crimes Cibernéticos explica que imagens circulando na internet não as tornam domínio público

Confira quais são os cuidados e compromisso que as empresas de telemedicina devem ter com as suas informações

Confira quais são os cuidados e compromisso que as empresas de telemedicina devem ter com as suas informações

Além das questões regulatórias, as diretrizes devem ser transparentes e acessíveis a um simples clique

Covid-19: Beneficiários da Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida não podem ser cobrados por parcelas atrasadas de 2020

Covid-19: Beneficiários da Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida não podem ser cobrados por parcelas atrasadas de 2020

Decisão da Justiça Federal do RJ abarca prestações de 20 de março até 31 de dezembro de 2020

Portaria confirma que teto para aposentadorias e pensões do INSS será de R$ 7.087

Portaria confirma que teto para aposentadorias e pensões do INSS será de R$ 7.087

O valor é calculado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor

Os consumidores estão mais exigentes com os produtos que assinam

Os consumidores estão mais exigentes com os produtos que assinam

A postura do público brasileiro

Lewandowski manda MPs em todo o País fiscalizarem vacinação de crianças

Lewandowski manda MPs em todo o País fiscalizarem vacinação de crianças

Ao oficiar o Ministério Público em todo País, Lewandowski ponderou pela inserção do órgão na 'relevante tarefa de preservar a saúde das crianças', sem prejuízo das atribuições dos Conselhos.

Agora é lei no DF: Mulher terá direito a acompanhante em consultas e exames

Agora é lei no DF: Mulher terá direito a acompanhante em consultas e exames

Estabelecimentos de saúde devem informar a legislação, já em vigor, em local de fácil acesso; multa está prevista para descumprimento

Teto para aposentadorias e pensões do INSS sobe para R$ 7.087 em 2022

Teto para aposentadorias e pensões do INSS sobe para R$ 7.087 em 2022

Pela legislação federal, o índice de reajuste do benefício de aposentados e pensionistas que recebem valor superior ao do salário mínimo é definido pela variação INPC do ano anterior.

Ômicron: TJDFT altera Portaria sobre retomada das atividades presenciais e limita acesso aos fóruns

Ômicron: TJDFT altera Portaria sobre retomada das atividades presenciais e limita acesso aos fóruns

Segundo a nova Portaria, fica vedado o atendimento ao público externo nos balcões das unidades judiciais e pelas instituições que funcionem nos edifícios do TJDFT

Habilitação vencida de junho a agosto de 2020 deve ser renovada até 31 de janeiro

Habilitação vencida de junho a agosto de 2020 deve ser renovada até 31 de janeiro

Data foi estabelecida por deliberação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), tendo em vista as medidas de enfrentamento à covid-19 no DF