×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

Destinação do óleo encontrado nas praias não segue um protocolo único

Destinação do óleo encontrado nas praias não segue um protocolo únicoFoto: Reprodução

Governos estaduais e municipais têm autonomia para decidir destino do material; irregularidades foram encontradas

Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 30/11/2019 - 11:50:16

Além da origem desconhecida, a destinação do óleo encontrado nas praias brasileiras, desde agosto deste ano, parece ocorrer de maneira descentralizada e não seguir um protocolo único. Ao Brasil de Fato, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou o que tem feito em relação ao assunto.

Parte do óleo tem sido retirado para a Petrobrás e outra parte para empresas de tratamento de resíduos dos próprios governos estaduais e municipais. Ao final, o óleo, que está sob responsabilidade do Ibama e da Marinha do Brasil, é encaminhado para aterro de resíduos perigosos ou incineração em fornos de cimenteiras.


No entanto, o órgão ambiental também afirmou que os governos estaduais e municipais têm autonomia para escolher o destino do material, para além das indicadas pelo Instituto. A assessoria não respondeu se a autonomia dos estados e municípios deve obedecer a algum critério e se está sujeita a fiscalização, nem como o óleo está sendo retirado e transportado das praias e se estão seguindo algum protocolo de proteção.

Cimento

Ainda há uma outra possibilidade apresentada pelo Ibama: está sendo feito um trabalho de articulação com o Sindicato Nacional das Indústrias de Cimento (SNIC) e com a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) para, oportunamente, realizar a destinação final ambientalmente adequada.

Em entrevista à Folha de S. Paulo , a ABCP, responsável por 80% da produção de cimento do país, afirmou que tem interesse em receber e reutilizar o material.

Em nota à imprensa, disponibilizada ao Brasil de Fato pelo procurador da República Edson Virgínio Cavalcante, o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA) – formado por Marinha, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e, inclusive, o Ibama –, afirmou que as fábricas de cimento Votorantim, em Sergipe e Ceará; Apodi, no Ceará; Intercement e CTR-Resíduos, na Bahia; e Mizu, no Rio Grande do Norte, “estão recebendo os resíduos de óleo recolhidos nas regiões atingidas, colaborando com as ações do GAA na destinação final do material oleoso.”

Aterro é a melhor opção

De acordo com Gilberto Fernandes, professor no Centro de Biociências da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a destinação para aterros adequados a esse tipo de material é a melhor opção. A produção de cimento, argumenta Fernandes, não é a mais adequada por conta das consequências do processo de fabricação do produto.

“Eu descartaria a incineração de toda e qualquer forma, porque, ao fazer isso, são liberados compostos tóxicos na atmosfera. Isso contamina o ar, chega nas nuvens e depois precipita. Isso acaba por liberar a toxicidade em outro lugar”, defende o professor.

Até o momento o aterro é a melhor opção, mas Fernandes defende a importância das universidades, da ciência e criação de protocolos justamente para lidar com o problema da melhor forma possível, caso venha a ocorrer novamente.

Irregularidades

Apesar do protocolo internacional, em três pontos da Bahia foram notificadas irregularidades. Em Canavieiras, no sul do estado, o óleo foi encontrado em barris dentro de uma escola abandonada. A prefeitura do município afirmou que a destinação do óleo a esse espaço foi feita pela população da cidade.

Em Maraú, no extremo sul baiano, moradores denunciaram nas redes sociais o abandono do material em um lixão a céu aberto. Por meio de uma nota ao G1 , a prefeitura alegou que o descarte irregular foi feito por pessoas que não são do poder público. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente da cidade informou que se trata de uma notícia falsa.

Segundo a Folha de S. Paulo , na cidade de Conde, sacos com óleo recolhido foram armazenados a céu aberto e abandonados. Até a publicação desta reportagem, a prefeitura do município não respondeu às solicitações de confirmação da informação.

Mais de 4 mil toneladas de óleo

Neste instante, segundo a agência de dados públicos “Fiquem sabendo”, o derramamento de óleo já é quatro vezes maior do que o último vazamento do material de grandes proporções registrado no Brasil. Foi em janeiro de 2000, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro: 1,1 tonelada. Até o último domingo, 24 de novembro, foram retiradas 4.538 toneladas das praias, e 803 localidades atingidas.

A substância é uma mistura de elementos tóxicos, que, em contato com a água do mar, evaporam, ampliando as chances de contaminação. De acordo com um alerta do Conselho Regional de Química de Pernambuco, de outubro, o contato com as manchas de óleo pode causar até mesmo câncer. Por isso, o manejo e o armazenamento do material é regido por cartilhas internacionais.

Uma delas é o guia público internacional de boas práticas para a limpeza de locais contaminados por substâncias tóxicas, da Federação Internacional de Poluição por Petroleiros (ITOPF, em inglês). Alguns dos protocolos são: evitar o contato com petróleo sem equipamento de proteção; priorizar as manchas de óleo boiando perto da costa; limpar as áreas sensíveis manualmente para evitar maiores danos; e armazenar os resíduos em sacolas resistentes e em locais protegidos.

Edição: Vivian Fernandes

Comentários para "Destinação do óleo encontrado nas praias não segue um protocolo único":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Aprenda a sentir medo sem ser controlado por ele

Livro do escritor e ativista Gareth Higgins chega ao Brasil pela Latitude, selo da VR Editora

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

Ter uma carreira estável na música é bastante difícil, e esses artistas, infelizmente, não conseguiram manter o sucesso com novos trabalhos

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Há notas melancólicas também nos 36 poemas que Joyce publicou em seu primeiro livro

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro