×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

Dezoito mil médicos contra a pobreza. Cubanos que atuaram no Mais Médicos serão reaproveitados

Dezoito mil médicos contra a pobreza. Cubanos que atuaram no Mais Médicos serão reaproveitadosFoto: Correio Braziliense

Bolsonaro sanciona lei que cria programa substituto do Mais Médicos. E também aprova nova legislação do Revalida, que pode ser feito duas vezes por ano

Correio Braziliense - 19/12/2019 - 10:11:15

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, ontem, lei para criação do Médicos Pelo Brasil, programa que propõe substituir gradualmente o Mais Médicos e contratar 18 mil profissionais para atuar em regiões mais pobres do país. Também sancionou nova legislação sobre o Revalida, que poderá agora ser realizado duas vezes por ano, mas vetou trecho que permitia a revalidação em universidades privadas, de notas 4 ou 5 no Enade, de diplomas de profissionais formados no exterior.


O governo deseja lançar edital, em fevereiro, para selecionar profissionais do Médicos Pelo Brasil. Ainda será definido quantos médicos serão enviados para cada cidade, mas o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estima que 13,8 mil seguem para Norte e Nordeste.


O primeiro nível salarial dos profissionais contratados pelo novo programa pode ser entre R$ 21 mil e R$ 31 mil. A variação depende do local de trabalho.


Antes de entrarem de vez no programa, quando são contratados via CLT, os profissionais selecionados receberão bolsa de R$ 12 mil mensais líquidos durante dois anos de formação em Medicina da Família e Comunidade. Segundo o Palácio do Planalto, o Médicos Pelo Brasil deve abrir 7 mil novos postos de trabalho em municípios desassistidos.



O veto ao Revalida em universidades privadas foi um pedido de entidades médicas, como o Conselho Federal de Medicina (CFM).



O governo elaborou o Médicos Pelo Brasil para substituir o Mais Médicos, criado no governo Dilma Rousseff (PT), que trouxe profissionais cubanos para atuar em regiões remotas. O programa do governo petista ficou esvaziado após o fim de acordo com o governo de Havana.



Já os médicos cubanos que atuaram no Mais Médicos serão reincorporados ao Médicos Pelo Brasil por meio da nova lei, mesmo sem o Revalida. Esses profissionais, porém, poderão atuar nessas condições por no máximo dois anos e desde que atendam aos seguintes requisitos: ter sido desligado do Programa em razão do fim do acordo de cooperação entre o Ministério da Saúde Pública de Cuba e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas); e ter permanecido em território nacional até a data da publicação da MP do Médicos Pelo Brasil, 1º de agosto, na condição de naturalizado, residente ou com pedido de refúgio.



Mandetta disse estimar que até 2 mil médicos cubanos tenham ficado no Brasil após o fim da parceria com Cuba.



  • Apoio suprapartidário à youtuber agredida

    Políticos de diferentes partidos se solidarizaram com a youtuber Karol Eller, conhecida nas redes sociais por seu posicionamento pró-Bolsonaro, agredida domingo passado. O deputado federal Marcelo Freixo (PSol-RJ) lamentou. “O que aconteceu (...) é inaceitável. Repudio a violência, não importam quais sejam as convicções políticas da vítima. Me solidarizo com Karol e com a comunidade LGBT”. A deputada federal Sâmia Bonfim (PSol-SP) disse que “a realidade de violência na qual vivem as LGBTs não distingue preferência partidária”. Fernando Holiday, deputado estadual (DEM) de São Paulo, provocou: “ainda não vimos declarações de mov. LGBTs. Desejo que ela possa se recuperar o quanto antes desse terror pelo qual teve que passar”.

Comentários para "Dezoito mil médicos contra a pobreza. Cubanos que atuaram no Mais Médicos serão reaproveitados":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Estação Plural da Bienal do Livro do Rio destacará vozes LGBTQIAP+

Estação Plural da Bienal do Livro do Rio destacará vozes LGBTQIAP+

Diversidade sexual e identidade de gênero estarão em debate no evento

Campanha sobre HIV/Aids disponibiliza testagem gratuita no DF

Campanha sobre HIV/Aids disponibiliza testagem gratuita no DF

Stand montado na Rodoviária do Plano Piloto tem distribuição gratuita de preservativos e de auto-teste para HIV / Geoavana Albuquerque/Agência Saúde-DF

Idosos reivindicam visibilidade e enfrentamento ao preconceito

Idosos reivindicam visibilidade e enfrentamento ao preconceito

Martins Machado defendeu a conscientização sobre as formas de preconceito e violência contra a pessoa idosa

“UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

“UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

ONU Mulheres aborda o potencial do esporte para o empoderamento de meninas na campanha “UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

A polícia encara o caso, denunciado no último dia 16 de novembro, como ato infracional análogo ao crime de injúria racial. O episódio ocorreu no dia 3 de novembro.

O racismo joga em todas posições no futebol

O racismo joga em todas posições no futebol

Na semana passada, Adriana, do time feminino do Corinthians, foi vítima de racismo por uma jogadora do Nacional de Montevidéu e recebeu, ainda em campo, a solidariedade das colegas

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

O Dia da Consciência Negra é uma tentativa de, ao menos uma vez no ano, estimular um debate sobre as desigualdades e celebrar a contribuição do povo negro para a cultura, a ciência, a economia e a política do Brasil

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília

A música cantada no vídeo, música From now on, fala sobre o desenvolvimento do potencial de pessoas autistas

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Evento foi organizado pela Associação dos Magistrados Brasileiros

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

O projeto retira a menção à raça e etnia do item específico do Código Penal (art. 140) e insere novo artigo na Lei de Crimes Raciais, definindo pena de multa e prisão de dois a cinco anos

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

Ao internalizar o racismo mutilamos os nossos sonhos, não vivemos em plenitude, submetemo-nos às humilhações dos brancos e reproduzimos o racismo contra outros negros