×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de outubro de 2021

Dia Mundial da África, celebrado no sábado, ganha a agenda de toda a semana na UnB a partir de hoje

Dia Mundial da África, celebrado no sábado, ganha a agenda de toda a semana na UnB a partir de hojeFoto: Correio Braziliense

O continente desconhecido

Por Robson G. Rodrigues*-correio Braziliense - 20/05/2019 - 07:45:49

Apesar de concentrar a maior população negra fora da África, pouco é difundido acerca do continente africano no Brasil. É o que relatam estudantes que vieram de lá para estudar no Brasil, onde as matrizes africanas são determinantes em diversos aspectos culturais. Na culinária e na cultura pop. Nas influências religiosas e linguísticas. Para ampliar a visão ainda estreita sobre a região, a Universidade de Brasília (UnB) celebrará a Semana Africana. Sob o lema África além do imaginário eurocêntrico, o evento apresentará uma amostra da riqueza do continente ancestral no Brasil de hoje até 25 de maio, Dia Mundial da África.


Palestras, mesas-redondas, exposições, desfile, danças e oficinas estão entre as atividades previstas na programação. Os próprios estudantes estrangeiros contribuem para o intercâmbio entre a instituição e o continente em que nasceram, por sentirem que a África é sub-representada no Brasil. Muitos deles fazem parte do Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G). O projeto recebe estudantes de países em desenvolvimento, que, na maioria (80%), são originários da África.


Um desses alunos responsáveis pelo evento é Ulrich Koffi, 25 anos, natural da Costa Rica. “Faltava uma organização dos africanos dentro da UnB para poder ajudar na elaboração de eventos como a Semana e para ocupar mais os espaços que são nossos por direito”, diz o estudante de engenharia mecatrônica. Ele idealizou a Associação dos Estudantes Africanos da UnB, que visa a colaboração mútua entre os intercambistas.


“Brasil e África têm muitas similaridades. Com certeza a influência de negros africanos está enraizada mais do que nunca. Por isso, muitos africanos que vêm ao Brasil sentem estranhamento ao chegar aqui. Com mais da metade da população, o Brasil é um país onde existe muito racismo e uma grande desigualdade social entre negros e brancos”, avalia o jovem, que relata sentir discriminação no dia a dia.


Nascida em Cabo Verde, Ariana Rodrigues está prestes a se formar em arquitetura e urbanismo. O Brasil foi uma das primeiras opções quando ela decidiu estudar fora. “Sempre tive encanto pelo Brasil. Cabo Verde recebe muitas influências brasileiras por novelas e programas de tevê brasileiros que são transmitidos lá”, conta a estudante de 24 anos.


Para ela, eventos que exaltam a cultura africana são escassos no Brasil. Apesar de alguma visibilidade que vêm surgindo, como a inauguração de restaurantes de comida típica, ainda há pouca expressão. “Falta incentivo para divulgar nossa cultura”, explica. Eventos como esse promovido pela UnB, observa, são importantes vitrines para uma cultura relegada. Como uma prova do sucesso do evento, ela lembra que várias pessoas que assistiram procuraram saber mais após a apresentação em edições anteriores


“Durante a fase acadêmia vemos muito pouco sobre a África. É muito pouco retratada. Muitas pessoas ainda associam a África a pobreza, a fome. Nós, alunos africanos, procuramos desmistificar esse pensamento e mostrar que a África é um continente muito rico, de muita cultura e de muito conhecimento. Queremos transparecer isso para os estudantes da UnB, de forma que esses estereótipos possam ser quebrados. Essa data, 25 de maio, é muito importante para nós da África ,porque mostra que estamos presentes na universidade, no Brasil e no mundo”, relata.


Rogério Alves, coordenador do PEC-G junto à Assessoria de Assuntos Internacionais, que promove o evento, fala sobre a importância da Semana. “Tentamos sempre tirar do inconsciente das pessoas que a África é um país. Queremos mostrar que a África tem mais de 50 países, cada um com sua cultura, costumes e riquezas em vários sentidos. E também que nos países da África você não encontra apenas pobreza, como é muito divulgado. Quando um brasileiro conhece um africano, primeiramente ele entende que existem países diferentes, depois começa a encontrar semelhanças com ele, desenvolve-se uma empatia. E esse é um processo destruidor do preconceito. Por isso, essa aproximação traz inúmeros benefícios para as duas partes”, opina.


A programação do evento está disponível no site da UnB.


Semana Africana

Campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB s/n). De hoje a sábado, a partir das 8h. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Comentários para "Dia Mundial da África, celebrado no sábado, ganha a agenda de toda a semana na UnB a partir de hoje":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém