×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Economia edita portaria e remaneja R$ 70 bi para pagar servidores e aposentados

Economia edita portaria e remaneja R$ 70 bi para pagar servidores e aposentadosFoto: ANESP

Se não fossem os recursos da desvinculação dos fundos, a capacidade de honrar os pagamentos seria muito baixa, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Sem a portaria, haveria risco real de

Estadão Conteúdo - 09/10/2021 - 11:36:54

O Ministério da Economia lançou mão de uma medida emergencial para evitar ficar sem dinheiro para pagar benefícios sociais e salários de servidores nos próximos dias. O Congresso Nacional ainda não aprovou um projeto de crédito suplementar que dá autorização especial ao governo para bancar essas despesas com dinheiro obtido via emissão de dívida. O atraso levou a equipe econômica a raspar o tacho de suas fontes livres para conseguir remanejar R$ 70,1 bilhões e afastar o risco mais imediato.


Na última quarta-feira, 6, como mostrou o Estadão/Broadcast, a pasta alertou que não havia dotação orçamentária suficiente para cobrir todos os gastos com pessoal e Previdência no mês de outubro. Na ocasião, a Economia avisou que já havia passado o "prazo prudencial" para a aprovação do projeto no Congresso.



Na noite desta sexta-feira, 8, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), uma portaria assinada pelo secretário especial de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, faz o remanejamento dos R$ 70,1 bilhões usando como fontes o excesso de arrecadação e o superávit financeiro que foi resgatado de uma série de fundos do governo no início do ano.



Se não fossem os recursos da desvinculação dos fundos, a capacidade de honrar os pagamentos seria muito baixa, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Sem a portaria, haveria risco real de "ficar sem pagar".



O governo precisava dessa autorização especial do Congresso Nacional porque vem descumprindo a chamada regra de ouro do Orçamento, que impede a emissão de dívida para pagar despesas correntes, como os benefícios previdenciários. O aval dos parlamentares é necessário sempre que o governo precisa "quebrar" essa norma.



No início do ano, o governo solicitou um crédito de R$ 164 bilhões para destravar as despesas que ficaram condicionadas à regra de ouro. Mas o relator, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), reduziu o valor para R$ 28,5 bilhões e resiste a dar um parecer favorável à quantia solicitada pelo Executivo. Em todo ano que a regra de ouro é descumprida, o projeto que concede o crédito vira o epicentro de intensas negociações e barganhas políticas, já que a demora em sua aprovação deixa o governo "com a faca no pescoço".



Neste ano, o valor do crédito solicitado pelo governo foi menor do que em anos anteriores, mas ao mesmo tempo nunca a aprovação dessa autorização especial foi tão demorada.



Segundo apurou o Estadão/Broadcast, foi preciso um "enorme exercício" para remanejar os recursos, e isso só foi possível porque o governo tinha essas fontes livres. Uma fonte ouvida pela reportagem ressalta, porém, que a medida não dispensa a aprovação do crédito pelo Congresso. "Tem que votar o PLN 9 (regra de ouro) urgentemente. Precisa de uns R$ 100 bilhões ainda", afirma essa fonte.



O projeto ainda não foi votado sequer na Comissão Mista de Orçamento (CMO). Depois do aval do colegiado, ele ainda precisa ser apreciado em sessão conjunta do Congresso Nacional, onde há 13 vetos trancando a pauta.



fonte: Estadão Conteudo


Comentários para "Economia edita portaria e remaneja R$ 70 bi para pagar servidores e aposentados":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Mensalidade dos pequenos planos empresariais sobe e preocupa consumidores

Mensalidade dos pequenos planos empresariais sobe e preocupa consumidores

Reajuste abusivo pode ser revisto na Justiça

Como lidar com o trânsito na volta ao trabalho presencial?

Como lidar com o trânsito na volta ao trabalho presencial?

Para ajudar os motoristas a lidar com o tempo de deslocamento, o aplicativo de navegação Waze se uniu à plataforma de meditação Headspace. Ao utilizar o tema da parceria, os usuários podem aprender sobre relaxamento e concentração, além de ser lembrados de focar no presente.

Quase 3 milhões de novos processos na Justiça envolveram conflitos trabalhistas

Quase 3 milhões de novos processos na Justiça envolveram conflitos trabalhistas

Verbas indenizatórias provenientes de rescisões de contrato e responsabilização do empregador em casos que resultaram em indenização por dano moral estão entre os assuntos que terminaram em processo judicial. Segundo especialista, a gestão de conflitos no local de trabalho pode ajudar gestores e funcionários a se entenderem melhor

Por que o golpe do Whatsapp funciona?

Por que o golpe do Whatsapp funciona?

Roteirista Daniel Fraiha relata caso na família e analisa raízes das fraudes no Brasil

Como fazer a portabilidade de planos de saúde

Como fazer a portabilidade de planos de saúde

Primeira portabilidade pode ser feita após dois anos no plano original

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Regras do Código de Trânsito Brasileiro, fiscalização e conscientização derrubam índice de letalidade no transporte de crianças com até 10 anos no DF

Idec lança guia com orientações para internautas sobre direitos nas mídias digitais

Idec lança guia com orientações para internautas sobre direitos nas mídias digitais

O material foi inicialmente desenvolvido pelo Observatorio Latinoamericano de Regulación, Medios y Convergencia

Entregadores de apps afirmam que a greve agora é por tempo indeterminado até terem respostas

Entregadores de apps afirmam que a greve agora é por tempo indeterminado até terem respostas

Em contexto de alta no preço do combustível, entregadores reivindicam melhores taxas de entrega, o fim da coleta dupla e dos bloqueios de conta sem justificativa

Greves de entregadores contra apps de delivery se espalham e já duram dias

Greves de entregadores contra apps de delivery se espalham e já duram dias

Divididos em bloqueios pela cidade, entregadores em Jundiaí estão de braços cruzados desde sábado (9)

Lei suspende obrigatoriedade da prova de vida para benefícios do INSS até o final deste ano

Lei suspende obrigatoriedade da prova de vida para benefícios do INSS até o final deste ano

Para entrar em vigor, no entanto, o INSS precisa publicar uma portaria para regulamentar a medida

Pensão por morte e auxílio maternidade poderão ser solicitados junto a certidões

Pensão por morte e auxílio maternidade poderão ser solicitados junto a certidões

De acordo com a entidade, a iniciativa favorecerá mais de 1,8 milhão de pessoas que estão na fila do INSS aguardando a liberação desses dois benefícios.