×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 02 de julho de 2022

Em audiência no Senado, especialistas criticam PL do veneno e “indústria” dos agrotóxicos

Em audiência no Senado, especialistas criticam PL do veneno e “indústria” dos agrotóxicosFoto: Entre 2010 e 2015 foram registrados 815 agrotóxicos e entre 2016 e 2020 este número mais que dobrou, sendo liberados 2.009 agrotóxicos no Brasil. - Arquivo Pessoal

“Agrotóxico é veneno e tem a única função que é de eliminação da vida”, afirma pesquisadora.

Roberta Quintino - Brasil De Fato | Brasília (df) - 28/04/2022 - 10:55:40

Parlamentares e especialistas em agroecologia debateram, em audiência pública realizada nesta terça (26), a crescente liberação de agrotóxicos e os impactos da medida na saúde da população brasileira. A discussão, que aconteceu na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado Federal, em Brasília, contou com a apresentação do Dossiê contra o Pacote do Veneno e em defesa da vida.

Proposta pelo senador Humberto Costa (PT-PE), a audiência teve participação de representantes da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), da organização social Terra de Direitos, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), da Associação Brasileira de Agroecologia, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

De acordo com o parlamentar, o Brasil é, atualmente, um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo.

“A legislação brasileira, que regula o uso de agrotóxicos ainda é muito permissiva e isto nos torna um mercado perfeito para o veneno. Mais de mil novos agrotóxicos foram liberados no Brasil”, afirmou. Ele destacou ainda que nos governos Temer e Bolsonaro, “três novos venenos são liberados a cada dois dias”.

Dados do Dossiê contra o Pacote do Veneno e em defesa da vida, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia) e Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, informam que entre 2010 e 2015 foram registrados 815 agrotóxicos e entre 2016 e 2020 este número mais que dobrou, sendo liberados 2.009 agrotóxicos.

“Essas liberações se sustentam apenas em argumentos econômicos de validade duvidosa, pois muitos dos produtos autorizados no Brasil não têm uso permitido em outros países, por seus efeitos prejudiciais comprovados à saúde e ao meio ambiente”, aponta o Dossiê.

Entrega do Dossiê contra o Pacote do Veneno e em defesa da vida, com o objetivo subsidiar o debate sobre o impacto dos agrotóxicos na saúde da população. / Foto: André Gouveia

O documento destaca que do total de agrotóxicos registrados entre 2019 e 2010, 19% são classificados como extremamente ou altamente tóxicos para a saúde humana, 22% como medianamente tóxico e 30% como pouco tóxicos ou improváveis de causar dano agudo. Quanto ao ambiente, 51% são altamente ou muito perigosos, 35% são perigosos e 14% são classificados como pouco perigosos.

A representante da Abrasco, Karen Friderich, criticou a aprovação do Pacote do Veneno (PL6299/2002) pela Câmara dos Deputados em fevereiro deste ano, que flexibiliza ainda mais o uso de agrotóxicos no país e substitui o atual marco legal (Lei 7.802), vigente desde 1989.

Friderich disse que 81% dos agrotóxicos permitidos no Brasil são proibidos em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Além disso, 67% do volume de agrotóxicos comercializado no país são de produtos que causam câncer e danos hormonais para humanos e vida selvagem. “A gente come mistura de agrotóxicos”.

“Um dos dispositivos do projeto de lei é justamente permitir o registro de agrotóxicos cancerígenos, que causam mutações, problemas reprodutivos hormonais e nascimento de bebês com malformações”, denuncia a representante da Abrasco.

Com a aprovação na Câmara, o PL 6299/2002 passou a tramitar no Senado Federal.

Violação de direitos humanos

A pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, Aline Gurgel, disse que a proposta traz pontos críticos de violação aos direitos alimentares e de saúde à população brasileira, “indo na contramão do que acontece no mundo”.

Para ela, o Pacote do Veneno é uma ameaça a vida de toda a população, em particular a própria existência de grupos populacionais em maior situação de vulnerabilidade. Além de promover a perda da biodiversidade, a morte de espécies polinizadoras, e afetar a manutenção de práticas tradicionais e de agricultura familiar.

“Agrotóxico não é remédio que protege lavoura contra pragas e doenças. Agrotóxico é veneno e tem a única função que é de eliminação da vida”.

:: BdF visita comunidades onde famílias adoecem sob suspeita de contaminação por agrotóxicos no MA ::

Segundo o Dossiê, o processo de exposição a agrotóxicos, particularmente as exposições crônicas, que ocorrem a baixas doses e durante um longo período de tempo, provoca efeitos adversos à saúde humana, afetando de forma mais grave os mais vulneráveis como gestantes, crianças e idosos, podendo afetar o sistema endócrino, neurológico, imunológico, respiratório, causar danos ao DNA, malformação congênita e levar ao desenvolvimento de cânceres, dentre outros efeitos.

“Para muitos desses danos, qualquer dose diferente de zero é suficiente para causar um dano, o que implica em afirmar que não existe uma dose de exposição que possa ser considerada segura”.

Nesse sentido, as organizações recomendam a definição de limites mais restritivos, regulação de substâncias sabidamente nocivas à saúde humana e ao ambiente. Além da adoção de medidas que fomentem programas de monitoramento para identificar as potenciais fontes de contaminação e realizar ações para promover estratégias de transição agroecológica para produção e certificação orgânica de alimentos.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Edição: Flávia Quirino

Comentários para "Em audiência no Senado, especialistas criticam PL do veneno e “indústria” dos agrotóxicos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Indústria alimentar da China apresenta crescimento estável de janeiro a maio

Indústria alimentar da China apresenta crescimento estável de janeiro a maio

Funcionária organiza vegetais em um supermercado em Nanjing, Província de Jiangsu, no leste da China,

Tecnologia digital chega à alimentação

Tecnologia digital chega à alimentação

O impacto positivo de novas tecnologias é algo que se espera no dia a dia das cidades.

Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

A Bayer diz que resolveu cerca de 107 mil de um total de 138 mil casos relacionados ao herbicida.

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Apesar de ser tema que está em voga na atualidade, já há tempos que as políticas de incentivo à melhor responsabilidade social, ambiental e econômica atingem o agronegócio

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Empresa apresentará novidades voltadas às áreas de proteção de cultivo e sementes de frutas e hortaliças

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Para que o papel estratégico do Brasil de produtor mundial de alimentos possa ser consolidado, é importante que os nossos agricultores tenham segurança hídrica e energética

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Iniciativas sustentáveis: de olho em toda a cadeia produtiva

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?

Risco à segurança alimentar

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Ampliação da área de cultivo protegido na maior unidade de pesquisa da multinacional no hemisfério sul vai acelerar desenvolvimento de novas tecnologias

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultor palestino trabalha em uma fazenda de abelhas na cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, no dia 6 de junho de 2022.

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

A condução inadequada na criação do animal pode gerar prejuízos ao produtor