×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Em nova derrota do governo, demarcação de terras sai do controle dos ruralistas

Em nova derrota do governo, demarcação de terras sai do controle dos ruralistas

Foto: Andressa Zumpano-CPT

Após votação de MP na Câmara, Funai volta ao Ministério da Justiça e recupera função de demarcação de terras indígenas

Por Juca Guimarães - Brasil De Fato - 24/05/2019 - 10:18:54

A incumbência de demarcação de terras estava, desde janeiro, sob tutela do Ministério da Agricultura.

Após a votação final da Medida Provisória 870, nesta quarta-feira (22), o governo terá que devolver para o “guarda-chuva” do Ministério da Justiça a Funai (Fundação Nacional do Índio). A autarquia que havia sido transferida em janeiro para a responsabilidade do recém-criado Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, liderado por Damares Alves.

Outra decisão tomada pelos deputados foi retorno da função de demarcação de terras indígenas para a Funai.

Na proposta original, o governo passou os poderes de demarcação das terras indígenas ao Ministério da Agricultura.

::Leia mais: Moro perde Coaf, Damares perde Funai: os resultados da votação da MP 870::

Para as principais organizações indígenas, a medida do presidente foi autoritária e teve intenção de favorecer interesses de grandes latifundiários contrários à demarcação de terras para índios e com grande influência na pasta da Agricultura.

Em maio, uma das palavras de ordem dos protestos indígenas foi “devolve, devolve a Funai é da Justiça e não dos ruralistas”. Houve também pressão no Senado e na Câmara dos Deputados contra a Medida Provisória, que promoveu um alteração na estrutura do executivo, extinguindo sete dos 29 ministérios.

“Foi uma vitória contra o ataque do governo em tentar a revisão das terras já demarcadas. Como ele mesmo já tinha prometido em campanha. Graças a luta dos povos indígenas e seus aliados. O governo e a bancada são contra os direitos indígenas”, explicou o deputado federal Nilton Tatto (PT-SP), coordenador da Frente Ambientalista da Câmara.

O próximo passo da luta é a retomada dos processos de demarcação de terra, agora pelo Ministério da Justiça. Para Cleber Buzzatto, diretor-executivo do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), a vitória sobre o governo na Câmara não indica que será mais fácil conseguir demarcar mais áreas indígenas.

"É uma questão importante do ponto de vista tático, embora saibamos que, do ponto de vista mais estratégico, a decisão não tem o condão de alcançar uma mudança de posicionamento do governo Executivo, que certamente continua sendo de inviabilizar as demarcações e não dar sequência nas desmarcações das terras indígenas", disse Buzzatto.

Nos cinco meses de governo Bolsonaro, não foram demarcadas terras indígenas. A votação da MP 870 segue agora para o Senado.


Edição: Rodrigo Chagas


Comentários para "Em nova derrota do governo, demarcação de terras sai do controle dos ruralistas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Bolsonaro nomeia 17 desembargadores federais para composição do TRF6

Bolsonaro nomeia 17 desembargadores federais para composição do TRF6

Mantida decisão que afastou improbidade na compra de ingressos pela Terracap

Mantida decisão que afastou improbidade na compra de ingressos pela Terracap

Análise de dados indica limites de trabalho para prevenir burnout

Análise de dados indica limites de trabalho para prevenir burnout

Tribunal abre processo seletivo para estágio de níveis médio e superior

Tribunal abre processo seletivo para estágio de níveis médio e superior

ABI abre inscrições para concurso de 10 microbolsas de R$ 3 mil para jornalistas e pesquisadores

ABI abre inscrições para concurso de 10 microbolsas de R$ 3 mil para jornalistas e pesquisadores

Indústria se une contra decisão de Moraes que suspende corte no IPI

Indústria se une contra decisão de Moraes que suspende corte no IPI

Quase 34 milhões de pessoas não têm acesso à internet no Brasil, diz pesquisa

Quase 34 milhões de pessoas não têm acesso à internet no Brasil, diz pesquisa

Quase metade dos brasileiros fazem bico para completar renda

Quase metade dos brasileiros fazem bico para completar renda

Alta de alimentos é mais que o dobro da inflação em 2022

Alta de alimentos é mais que o dobro da inflação em 2022

STJ reabre investigação sobre a Chacina do Parque Bristol

STJ reabre investigação sobre a Chacina do Parque Bristol

A 1ª fábrica de hidrogênio verde do Brasil em escala industrial está chegando

A 1ª fábrica de hidrogênio verde do Brasil em escala industrial está chegando

Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral