×
ContextoExato
Responsive image

Em tempo de pandemia: Que tal adotar um cachorrinho?

Em tempo de pandemia: Que tal adotar um cachorrinho?Foto: Divulgação/Secretaria de Saúde

São 34 machos e 20 fêmeas, adultos. Os cães já passaram por exames para leishmaniose e foram vacinados para raiva.

Agência Brasília* | Edição: Freddy Charlson - 01/07/2020 - 22:25:40

Zoonoses tem 54 cães aptos para adoção. O interessado deve assinar um termo de responsabilidade se comprometendo a cuidar bem do animal.

Em tempos de isolamento social, com direito a poucas visitas e sem atividades fora de casa, nada melhor do que adotar um bichinho de estimação para alegrar a vida e, ao mesmo tempo praticar um ato solidário. Para quem gostou da ideia, a hora é essa.

Nesse sentido, o canil da Gerência de Vigilância Ambiental de Zoonoses, da Secretaria de Saúde, está com 54 cães aptos para adoção. São 34 machos e 20 fêmeas, todos adultos, à espera de um novo dono e um novo lar. Os cães já passaram por exames para leishmaniose e foram vacinados para raiva. Estão todos em excelentes condições para serem adotados.

“Todos esses cães foram recolhidos e estavam em condições sanitárias inadequadas em logradouros públicos e privados”, explica o gerente substituto da Zoonoses, Laurício Monteiro.

O cidadão que desejar adotar um amigo peludo deve comparecer à Diretoria de Vigilância Ambiental, no Noroeste. O horário de visitação é das 10h às 15h, de segunda a sexta-feira. “Para adotar, é necessário apresentar documento de identificação com foto, ter acima de 18 anos e assinar um termo de responsabilidade se comprometendo a cuidar bem do animal. Além de manter o ambiente do animal (canil) limpo e dar carinho e atenção por toda vida”, informa Laurício.

Leia também

Centro de Zoonoses do DF se mantém como referência 40 anos depois de sua fundação

Centro de Zoonoses oferece mais do que vacinas e feiras de pets

Pesquisa mostra que brasilienses aprovam campanhas de castração

Também é preciso realizar exames anuais, aplicar as vacinas necessárias e administrar vermífugo, além de aplicar remédio contra pulga, carrapato e repelente de flebótomo, conhecido como mosquito palha, transmissor do parasita da leishmaniose visceral canina.

No momento da adoção, o interessado recebe orientações quanto à guarda responsável de animais domésticos e às medidas de prevenção e controle de doenças. Antes de ser doado, cada peludo fica em observação por dez dias e é vacinado contra a raiva. Os cães também fazem testes para identificar possíveis casos de leishmaniose.

“Recomendamos levar seu animal sempre ao médico veterinário para realizar um check-up clínico anualmente, além de realizar imunoprofilaxia para prevenir as doenças infecciosas que acometem cães e gatos. Seguindo do controle de endoparasito (vermes e outros) e ectoparasitos (carrapatos, pulgas, vetores e outros). Utilizar também coleiras impregnadas com inseticidas com repelentes para flebótomos. Na prevenção da leishmaniose visceral canina”, reitera.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Comentários para "Em tempo de pandemia: Que tal adotar um cachorrinho?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório