×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

Emissário implica assessor de Renan Filho em entregas de R$ 3,8 mi em malas para Renan

Emissário implica assessor de Renan Filho em entregas de R$ 3,8 mi em malas para RenanFoto: Imprensa Viva

O dinheiro seria destinado à campanha do atual governador do Estado, Renan Filho (MDB), e seria uma contrapartida para o apoio do senador à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, em 2014.

Estadão Conteúdo - 03/12/2019 - 10:06:32

O amigo pessoal do delator Ricardo Saud , Durval Rodrigues da Costa, implicou o assessor especial do governo de Alagoas, Ricardo Rocha, como o responsável por supostamente receber propinas pagas pelo grupo J&F ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) . O dinheiro seria destinado à campanha do atual governador do Estado, Renan Filho (MDB) , e seria uma contrapartida para o apoio do senador à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, em 2014.

Em depoimento prestado em maio, Costa afirmou que os valores eram recebidos por um homem chamado ‘Ricardo’.

Na época, após divulgação da reportagem do ‘Estado’ sobre o caso , o empresário Ricardo Santa Ritta, filho de Carlos Ricardo Santa Ritta, assessor especial de Renan Calheiros no Senado, entrou em contato com a Polícia Federal para esclarecer que tinha informações sobre o Ricardo citado por Costa.

Em depoimento prestado no dia 9 de agosto, na sede da PF em Brasília, afirmou que o Ricardo procurado pelos agentes ‘possivelmente’ seria Ricardo José Gomes da Rocha, o Ricardo Rocha, atualmente lotado como assessor especial no gabinete do governador Renan Filho.

Segundo Santa Ritta, à época da entrega das propinas, Rocha era motorista do filho de Renan Calheiros durante as eleições.

Dez dias depois, Durval Costa foi novamente chamado para depor e esclarecer o caso.

A PF apresentou fotos de Rocha. O amigo de Saud confirmou o assessor especial como ‘a provável pessoa que lhe acompanhou na entrega dos valores em espécie destinados ao senador Renan Calheiros’, em 2014.

Ricardo Rocha foi alvo de buscas e apreensões no último dia 5 de novembro , quando a Polícia Federal foi às ruas cumprir mandados judiciais no âmbito da Operação Alaska.

Segundo Durval Costa, Ricardo Rocha seria o motorista que buscou e levou propinas em espécie para Renan Calheiros em três ocasiões .

Na primeira delas, em Maceió, o motorista subiu até o quarto do Ibis Hotel onde Costa estava hospedado e reunido com José Aparecido Alves Diniz, ex-prefeito de Abadiânia (GO) e ex-assessor de Renan Filho, para buscar mala com R$ 600 mil.

Durval Costa destacou que Diniz havia dito que, quando ele não estivesse presente para receber os valores seria Ricardo quem pegaria o dinheiro, por ser uma ‘pessoa da confiança’ de Renan e que poderia ter ingresso no estacionamento da garagem do prédio onde morava o senador.

Na segunda entrega, também em Maceió, Costa afirma ter entrado em contato com Ricardo Rocha, que buscou a mala com R$ 800 mil no hotel, contou as cédulas e ‘foi embora para entregar o dinheiro a Renan Calheiros’.

O motorista, contudo, teria solicitado que pudesse ir a Recife buscar a próxima remessa de dinheiro que estaria por vir.

A terceira ocasião foi em Recife, quando Durval Costa teria se encontrado com Ricardo Rocha e uma pessoa da confiança de André Gustavo Vieira — publicitário condenado na Lava Jato, em segunda instância, a 6 anos e 4 meses, após admitir que operou propinas para o ex-presidente da Petrobrás Aldemir Bendine.

Essa pessoa teria entregue uma mala com R$ 700 mil a Ricardo Rocha, que voltou para Maceió no mesmo dia com o dinheiro ‘para entregar ao senador Renan Calheiros’.

Durval Costa relatou que o modus operandi se repetiu mais duas vezes, com o ‘motorista de Renan’ indo buscar malas com R$ 800 mil e R$ 900 mil.

Relações. A Polícia Federal chegou ao nome de Ricardo Rocha após o administrador Ricardo Santa Ritta, filho de Carlos Ricardo Santa Ritta, assessor especial de Renan Calheiros no Senado, entrar em contato com os agentes afirmando ter sido identificado por Costa como o motorista Ricardo.

Em depoimento, Santa Ritta afirmou que sua relação com Renan Calheiros tem origem no fato do pai, Carlos Santa Ritta, ter exercido cargos no gabinete do senador e exercer função de secretário-geral do MDB em Alagoas. Ricardo Santa Ritta confirmou à Polícia Federal que atuou na campanha de Renan Filho ao governo do Estado em 2014, elaborando o plano de governo e ações na área de publicidade, mas que ‘nunca exerceu a função de motorista ou secretário particular’ do candidato.

Santa Ritta declarou que conheceu só José Aparecido Alves Diniz, ex-assessor de Renan Calheiros, em 2015, após a época dos repasses citados por Durval Costa.

Amigo do delator. Durval Rodrigues da Costa diz ser, há 20 anos, amigo pessoal do delator Ricardo Saud, executivo do grupo J&F. Trabalhou como assessor do ex-deputado federal Aracely de Paula (PR), e também para o governo de Minas Gerais. Ele falou à PF no dia 21 de maio.

O depoimento em que detalha as supostas entregas tem sido corroborado com respostas de hotéis e companhias aéreas à Polícia Federal em que confirmam suas estadias durante as eleições em cidades onde diz ter feito entregas.

Contrapartidas. Os depoimentos sobre repasse de propinas a Renan Calheiros destinadas à campanha de Renan Filho foram tomados no âmbito do inquérito 4707, que apura pagamento de R$ 40 milhões feitas pelo grupo Grupo J&F a senadores do MDB durante as eleições de 2014 a pedido de Mantega. A contrapartida seria garantir a ‘unidade do PMDB em prol da candidatura da ex-presidente Dilma Rousseff’.

Segundo o delator Ricardo Saud, da J&F, os pagamentos foram feitos por meio de ‘simulação da prestação de serviços e emissão de notas fiscais fraudulentas, entregas em espécie e doações oficiais’.

O empresário e delator na Lava Jato Ricardo Saud. Foto: Dida Sampaio / Estadão

No dia 05 de novembro, a Polícia Federal deflagrou a Operação Alaska para cumprir mandados de busca e apreensão e intimar para depôr os senadores Renan Calheiros, Eduardo Braga (MDB-AM), Jader Barablho (MDB-PA), o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho e o ex-ministro Guido Mantega (Fazenda/Dilma Rousseff).

A operação quase levou à prisão de Dilma Rousseff , solicitada pela Polícia Federal e negada por Fachin. A ex-presidente classificou a ação como ‘estarrecedora’ e ‘absurda’ visto que se trata de um processo a qual ela não é investigada formalmente e nunca foi chamada a prestar esclarecimentos.

COM A PALAVRA, O SENADOR RENAN CALHEIROS
A reportagem entrou em contato com a defesa do senador Renan Calheiros e aguarda retorno. O espaço está aberto a manifestações (paulo.netto@estadao.com).

COM A PALAVRA, O ASSESSOR ESPECIAL RICARDO ROCHA
A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado do Gabinete Civil de Alagoas. O espaço está aberto a manifestações (paulo.netto@estadao.com).

Comentários para "Emissário implica assessor de Renan Filho em entregas de R$ 3,8 mi em malas para Renan":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ministério Público de MG recorre de decisão que transfere julgamento de Brumadinho

Ministério Público de MG recorre de decisão que transfere julgamento de Brumadinho

A defesa dos acusados alegou que, na denúncia apresentada pela Promotoria, há elementos que indicam interesse jurídico da União na ação. É o caso de possíveis danos a sítios arqueológicos, que são bens da União.

Vale a pena criar novo Fundo Amazônia? Especialista responde

Vale a pena criar novo Fundo Amazônia? Especialista responde

Criado em 2008, Fundo Amazônia financiado majoritariamente por Alemanha e Noruega não recebe repasses desde 2019. Em entrevista com Sputnik Brasil, especialista analisou o que governo poderia fazer com a estrutura.

Pesquisa mostra brasileiros mais preocupados com pobreza e pandemia

Pesquisa mostra brasileiros mais preocupados com pobreza e pandemia

Poluição e escassez de água potável também preocupam

Segundo dia de aplicação do Enem é amanhã

Segundo dia de aplicação do Enem é amanhã

É recomendado que se leve o Cartão de Confirmação da Inscrição

Dos pasquins à internet: Jornalismo negro atravessou séculos em luta contra o racismo

Dos pasquins à internet: Jornalismo negro atravessou séculos em luta contra o racismo

Anos à frente da mídia tradicional na cobertura das desigualdades do Brasil, mídia preta enfrenta desafios históricos

Vale, Tüv Süd e 19 pessoas são indiciadas pela Polícia Federal pela tragédia de Brumadinho

Vale, Tüv Süd e 19 pessoas são indiciadas pela Polícia Federal pela tragédia de Brumadinho

Inquérito segue agora para o MPF; gestores e diretores das empresas multinacionais estão entre os indiciados

Brasil ‘não pode ser atraente para o turismo antivacina’, diz diretor da Anvisa

Brasil ‘não pode ser atraente para o turismo antivacina’, diz diretor da Anvisa

“Agora, o Brasil não pode ser atraente para o turismo antivacina. Isso não é razoável, não é aceitável, e nós iremos às ultimas consequências defendendo as nossas posições embasadas em ciência para proteger o nosso cidadão”, complementou o diretor da Anvisa.

Campanha Natal Sem Fome do MST arrecada recursos para doação de alimentos; Saiba como ajudar

Campanha Natal Sem Fome do MST arrecada recursos para doação de alimentos; Saiba como ajudar

Para contribuir com a campanha, é possível doar recursos financeiros que irão auxiliar na produção das cestas

Decisão do STJ impede obra de resort em Restinga de Maricá no Rio

Decisão do STJ impede obra de resort em Restinga de Maricá no Rio

A ação suspende qualquer empreendimento nesta área ambiental

Banco Central regulamenta Pix Saque e Pix Troco

Banco Central regulamenta Pix Saque e Pix Troco

Novas modalidades estarão disponíveis na próxima segunda-feira

Senado aprova BR do Mar, projeto que visa impulsionar navegação em portos nacionais

Senado aprova BR do Mar, projeto que visa impulsionar navegação em portos nacionais

A proposta foi aprovada pelos senadores, mas voltará à Câmara dos Deputados uma vez que o texto sofreu alteração. Posteriormente, segue para sanção do presidente, Jair Bolsonaro.