×
ContextoExato

“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja” resgata cultura do interior de Minas Gerais em história de amor e morte­­­­­­

“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja” resgata cultura do interior de Minas Gerais em história de amor e morte­­­­­­Foto: Divulgação

A peça estará em cartaz, no Teatro SESC Garagem (713/913 Sul), dias 13, 14 e 15 de dezembro

Por Camila Rezende - 09/12/2019 - 14:19:42

Filha de mineiros, a atriz Caísa Tibúrcio cresceu ouvindo histórias da cultura popular de Minas Gerais. Entre 2014 e 2016, esteve em Patos de Minas para colher depoimentos e pensar na montagem de “Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja”. A peça estará em cartaz, no Teatro SESC Garagem (713/913 Sul), dias 13, 14 e 15 de dezembro, sempre às 20h. Ingressos: R$ 10,00 a meia e R$ 20,00 a inteira.

No palco, uma típica cozinha mineira foi o cenário escolhido para contar a história da jovem donzela Maroca e seu grande amor Heitor, vaqueiro e também violeiro. Enquanto prepara uma galinhada – passando por todos os processos, desde a retirada da pele do frango, o corte em pedaços, depois o cozimento e finalização – a atriz conta a narrativa que tem como pano de fundo uma epopeia no interior campestre mineiro, que mistura histórias inventadas e lembradas, a partir de suas vivências familiares. Ao término do preparo, que coincide com o fim do espetáculo, Caísa oferece a comida ao público como uma grande celebração do teatro.

Ela conta que o processo de composição da peça passou por um momento de pesquisa do “Teatro de Objetos” com o Grupo Sobrevento, de São Paulo, referência nessa técnica. “Sandra Vargas, integrante do grupo, desenhou, no início do processo, junto comigo e com o diretor Denis Camargo, a manipulação dos objetos da cozinha e dos alimentos. O trabalho dela foi muito importante, pois o desenho das ações foi conduzido com olhar dessa linguagem”, diz Caísa, que passou uma semana na capital paulista focada nesse trabalho.

Com direção musical de Fernando César, a trilha assume papel de destaque. A dupla de Zé Mulato & Cassiano gravou uma composição inédita de Milena Tibúrcio. Os dois são referência em música tradicional e já ganharam o Prêmio Sharp, na categoria Melhor Dupla Regional pelo álbum "Meu Céu". Em 2015, foram vencedores do 26º Prêmio da Música Brasileira na categoria Melhor Dupla Regional.

Outras canções autorais também foram gravadas, como “Andarilho”, composição de Milena Tibúrcio e do letrista Caio Tibúrcio, “Senhora do Destino”, com letra de Caísa e melodia de Fernando César, que assina ainda as músicas instrumentais, e “Enluarada”, letra composta pela atriz e melodia assinada pela musicista Milena Tibúrcio. O repertório inclui ainda “Lua Branca”, de Chiquinha Gonzaga, e “Moreninha”, da cultura popular, ambas de domínio público. Além de cozinhar e narrar a história, a artista canta e toca acordeom.

A peça referencia a época de ascensão da música caipira nas rádios e em todo o Brasil, quando surgiram nomes como Tonico e Tinoco, Inezita Barroso, Tião Carreiro e Pardinho, Irmãs Galvão e tantos outros que embalaram muitos mineiros que vieram para o Centro-Oeste na construção da capital federal, onde existe uma forte influência da cultura mineira. “A montagem pretende poetizar esse universo e ressaltar essa presença na criação da cidade, na formação de sua identidade e dos candangos”, comenta Caísa. As músicas de viola caipira e da Folia de Reis também estão presentes.

“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja” traz à tona a culinária, os mitos e ritos que envolvem histórias tradicionais e percorre o mundo invisível, revelando o universo fantástico e ficcional do interior brasileiro. As personagens presentes na cultura popular mineira, como os caipiras, violeiros, garimpeiros, vaqueiros, santos e moças, permitem a comunicação com o público a partir da história narrada.

Porém, mesmo sendo uma história regional, ela fala de sentimos universais e atemporais como o amor e a morte. “Falo sobre questões e aflições humanas, não só da cultura e da linguagem do ‘minerismo’. É o regionalismo que se torna universal. Busquei um certo arcadismo da língua portuguesa, com palavras e termos ligadas à região e ao passado, mas penso que a dramaturgia, mesmo cravada e gravada no documento e no detalhe de um lugar, um povo, uma época, ela se libera para falar do ser humano”, ressalta a atriz.

Caísa lembra que quando se fala a palavra “sertaneja” muitas vezes as pessoas lembram do sertão nordestino ou da música sertaneja brega. Mas muitos defensores da cultura popular tradicional usam as palavras sertão e sertanejo para se referir ao interior do Brasil, ao Cerrado e à música tradicional, chamados de raiz. “A dupla Zé Mulato e Cassiano levantam essa bandeira fortemente. Faço referência ao Cerrado e ao ‘interiorzão’ do Brasil, sobretudo da região Centro-Oeste, ainda pouco falada”.

Enluara estreou em setembro deste ano, mas mesmo sendo tão jovem o espetáculo já foi selecionado para participar da mostra SESC de Artes Cênicas em fevereiro de 2020 e fará uma circulação em Portugal.

Ficha técnica do espetáculo:
Realização: Casulo Teatro
Concepção e Atuação: Caísa Tibúrcio
Dramaturgia: Caísa Tibúrcio
Direção Cênica: Denis Camargo
Direção Musical: Fernando César
Orientação teatro de objetos: Sandra Vargas/ Grupo Sobrevento
Cenário: Caísa Tibúrcio e Roustang Carrilho
Figurino: Roustang Carrilho
Iluminação: Ana Quintas
Operação de luz:Larissa Sousa
Fotografia: Diego Bresani
Designer Gráfica: Jana Ferreira
Assessoria de imprensa: Agência Atelier
Assistente de produção: Tiana Oliveira

Ficha Técnica da Trilha Sonora:
· Senhora do Destino - Fernando César e Caísa Tibúrcio
Violão 7 cordas – Fernando César
Viola – Cacai Nunes
Flautas – Thanise Silva
Percussões – Valerinho Xavier
· Lua Branca – Chiquinha Gonzaga
Violões – Fernando César
Flauta – Thanise Silva
Cavaquinho – Valerinho Xavier
· Vou deixar a minha terra – Milena Tibúrcio e Caio Tibúrcio
Viola e voz :Zé Mulato e Cassiano
· Folia de Reis
Viola – Cacai Nunes
Cavaquinho – Fernando César
Percussões – Valerinho Xavier e Cacai Nunes
· Moreninha se eu te pedisse – Domínio Público
· Andarilhos – Caio Tibúrcio e Milena Tibúrcio
· Improvisos de viola caipira e viola de cocho – Cacai Nunes
· Lambada de Maroca – Fernando César
Violão 7 cordas – Fernando César
Viola – Cacai Nunes
Flautas – Thanise Silva
Percussões – Valerinho Xavier
· Enluarada - Milena Tibúrcio e Caísa Tibúrcio
Voz – Lorena Ly
Viola – Cacai Nunes
Violões – Fernando César
Baixo e percussões – Valerinho Xavier

Gravado, mixado e masterizado no Feedback Studio por Valerinho Xavier.


Serviço:
“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja”
Data: 13, 14 e 15 de dezembro, sempre às 20h.
Horários: 20h (sexta e sábado) e 19h (domingo)
Local: Teatro SESC Garagem (713/913 Sul)
Classificação indicativa: 12 anos
Ingressos: R$ 20,00 e R$ 10,00 a meia

https://youtu.be/ROLulOwYWpE - editado

https://youtu.be/JtNDfc6WTgI - íntegra

https://youtu.be/xgrHLBmuKBg - Teaser 1 espetáculo

ttps://youtu.be/OWtvHHM1tTU – Teaser 2 divulgação.

Sobre Caísa Tibúrcio

Caísa Tibúrcio é Bacharel e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2005/2017), tem cursos técnicos de canto (Escola de Música de Brasília), pandeiro, percussão, flauta (Escola de Choro Raphael Rabello). Atriz, diretora e palhaça, já assinou a direção de projetos como ‘Presépio de Hilaridades Humanas’, que realizou circulação Nacional no Brasil pelo Palco Giratório/SESC, ‘Zezinho e o anjo Marmanjo’, infantil realizado em DF e MG - Brasil. Como atriz, já trabalhou com alguns diretores reconhecidos nacionalmente, como Hugo Rodas e João Antônio; atua em ‘Achadouros - Teatro para bebês’ (vencedor em 2015 da categoria de melhor espetáculo infantil no Prêmio SESC - Brasília) com direção de José Regino e que já realizou apresentações em diversas regiões do Brasil em Festivais e Mostras de Teatro do Brasil (SP, RJ, MG e SC).

Atua também no espetáculo “CRIA” com direção de Ana Flávia Garcia criado em 2017 e participou de Festivais teatrais (Vencedor de 3 Prêmio SESC de Teatro Candango – Melhor dramaturgia, melhor cenário e melhor iluminação). Integrou o Grupo de Teatro Esquadrão da Vida (2008 a 2012) e a Cia Burlesca (2013 e 2014) e atua com a palhaça Ananica no espetáculo ‘Lorota de Palhaças’.

Casulo Teatro é o núcleo de trabalho de seus espetáculos solo, em que ela convida diretores e outros artistas. Iniciou em 2015 com o espetáculo infantil ‘Sementes’ é o primeiro solo da atriz e palhaça brasiliense Caísa Tibúrcio. Com esse espetáculo Integrou a Mostra teatral da Feira do Livro de 2016 do DF, Festibra (Festival de Teatro para a Infância), participou do Prêmio SESC de Teatro Candango de 2016, indicado a categoria de melhor espetáculo infantil. Integrou a programação do Festival Internacional Cena Contemporânea de 2017, o Festival do Palco Cerrado em 2018, a Bienal do Livro de 2016 e 2018. Realizou apresentação no SESC Centro – GO, SESC de Anápolis, e Festival de Teatro de Dourados/MS (FIT Dourados) e o Festival de Teatro Popular de Fortaleza em 2018, Festival de Cascavel em 2019. Realizou uma temporada dois meses com circulação nos parques públicos do DF (Brasil) com apoio e patrocínio do Banco de Brasília BRB, laboratório SABIN e IBRAM. Em 2019 nos meses de fevereiro e março realizou circulação em Portugal na cidade de Lisboa, Seixal, Ponte de Sôr e Elvas, na Casa do Coreto, Casa Tangente, no Bolina Festival Internacional de mulheres palhaças e no Festival de Comicidade Gargalhadas.

A partir de então montou o solo “Enluarada: uma epopeia sertaneja” que estreou em 2019. Atualmente está em processo de montagem de um espetáculo solo de rua, chamado ‘A Concertista’ em que explora as possibilidades cênicas e musicais de uma bicicleta gigante que se transforma em uma marimba.

Comentários para "“Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja” resgata cultura do interior de Minas Gerais em história de amor e morte­­­­­­":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório