×
ContextoExato

Entenda como está o caso em que Ronaldinho Gaúcho é acusado de usar documentos adulterados

Entenda como está o caso em que Ronaldinho Gaúcho é acusado de usar documentos adulteradosFoto: Estadão

O 'Estado' resume tudo que aconteceu com o ex-jogador e seu irmão, Roberto Assis, no Paraguai desde que eles foram presos

Estadão Conteúdo - 17/03/2020 - 12:14:23

Um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro, Ronaldinho Gaúcho se encontra atualmente preso numa cadeia em Assunção, no Paraguai. Ele deixou os gramados, mas seus fãs jamais o esqueceram. Seus dribles e sua genialidade com a bola nos pés o transformaram em uma estrela mundial. No Brasil, o astro é Embaixador do Turismo do governo Bolsonaro e, por enquanto, mantém o cargo, apesar das investigações. Desde quarta-feira passada, no entanto, o astro virou assunto nas páginas policiais e foi parar na prisão, por suspeita de usar documentos falsificados no Paraguai. Ele já tinha um histórico de polêmicas , mas nada parecido com o que vive atualmente. Ronaldinho foi algemado e levado para um presídio na capital do país vizinho.

O CASO

Tudo começou quando ele chegou ao Paraguai para participar de dois eventos. Uma ação beneficente e o lançamento de um livro. Quando estava no hotel, com seu irmão, viu seu mundo desabar. Havia documentos falsos em seu poder e ele não soube explicar do que se tratava. Havia passaportes e cédulas de identidades do Paraguai com seu nome. Seu e do seu irmão, Roberto Assis.

BUSCA POR SUSPEITA DE DOCUMENTOS FALSOS

A polícia do Paraguai fez buscas na noite de quarta-feira ao Hotel Resort Yacht y Golf Club , em Lambaré, vizinho a Assunção, onde estava hospedado Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis. Os agentes relataram ter agido após denúncia do Departamento de Identificações da Polícia Nacional por suspeita de que o ex-jogador e seu empresário estivessem portando documentos falsos. Ambos ficaram detidos no hotel durante a apuração do caso pelas autoridades.

RONALDINHO É PROIBIDO DE DEIXAR O PARAGUAI

O promotor Federico Delfino, responsável pela investigação contra os dois ex-jogadores, afirmou na manhã de quinta-feira, dia 5, que Ronaldinho e seu irmão ficariam à disposição da Justiça do Paraguai por tempo indeterminado . No mesmo dia ambos prestaram depoimento na sede do Ministério Público paraguaio, em Assunção. Ronaldinho disse que os documentos eram "presentes" de um empresário. Em seguida, o ex-jogador foi encaminhado para o Departamento de Crime Organizado do país, onde também teve de dar explicações.

CRAQUE DECIDE PERMANECER NO PAÍS

Ainda na quinta-feira, dia 5, o advogado encarregado de representar Ronaldinho e seu irmão disse que o ex-jogador decidiu não deixar o Paraguai até que o processo judicial contra ele seja resolvido . Adolfo Marín alegou que eles não estavam impedidos de deixar o país e que ambos receberam cartões de identidade e os passaportes paraguaios do empresário Wilmondes Sousa Lira no Brasil. "Não me lembro da data, mas cerca de 20 a 30 dias atrás", afirmou o advogado. Sousa Lira também foi preso na quarta-feira à noite. A presença de Ronaldinho no Paraguai com documentos supostamente falsos provocou uma crise política no país, especialmente pela demora das autoridades para apontar e investigar as irregularidades. Uma das consequências foi a renúncia do diretor de migração do país, Alexis Penayo.

EX-MEIA ADMITE CRIME E SE LIVRA DE ACUSAÇÃO

O Ministério Público do Paraguai decidiu não apresentar acusação formal contra Ronaldinho e seu irmão. O ex-jogador admitiu a prática do crime de utilização de documentação falsa , mas a promotoria considerou que eles foram enganados e solicitou a aplicação do "critério de oportunidade" por terceiros. Após quase 24 horas dos primeiros procedimentos e um longo dia de depoimentos na quinta-feira, o promotor Federico Delfino informou que os brasileiros não seriam acusados e que solicitaria a liberação de ambos.

JUIZ DECIDE QUE O EX-JOGADOR SERÁ INVESTIGADO

A reviravolta do caso aconteceu na sexta-feira, dia 6, quando Mirko Valinotti, juiz criminal de Garantias de Assunção, decidiu rejeitar o pedido do Ministério Público para não abrir processo contra os ex-jogadores. O promotor Delfino chegou a declarar que os investigadores detectaram que o pedido de naturalização paraguaia de Ronaldinho e o irmão foi registrado no Departamento de Migração. Ambos disseram que não solicitaram esse procedimento e o Ministério Público, então, anunciou a investigação de um possível esquema de falsificação de documentos que envolve funcionários públicos e pessoas do setor privado do país.

RONALDINHO E ASSIS SÃO PRESOS

Cumprindo mandado emitido pela Procuradoria Geral da República, a Polícia Nacional do Paraguai ordenou a prisão do ex-jogador e seu irmão na sexta-feira, dia 6. Ronaldinho e Assis estavam no Sheraton Hotel, localizado a poucos minutos do Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi. Ambos aguardavam o momento de partir para o terminal do aeroporto e deixar o Paraguai, de acordo com as versões divulgadas pela Polícia local. Depois de serem presos preventivamente em Assunção, eles deixaram o complexo da Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai, onde passaram a noite em uma cela e foram algemados para audiência.

JUIZA DETERMINA MANUTENÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA

Em meio à audiência que poderia definir a continuidade ou não de Ronaldinho na cadeia, o promotor da unidade especializada de delitos econômicos Osmar Legal ratificou o pedido de prisão preventiva. Na sequência, a juíza Clara Ruiz Díaz determinou a manutenção da prisão . Sendo assim, os dois brasileiros seguem detidos no complexo da Agrupação Especializada da Polícia Nacional do Paraguai, onde passaram o fim de semana e tiveram a visita de Gamarra, ex-jogador do Corinthians e da seleçao paraguaia.

SUSPEITA DE LAVAGEM DE DINHEIRO

A promotoria paraguaia ampliou a investigação no domingo, dia 8. O Ministério Público solicitou várias informações de outras instituições e também apura uma possível conexão do caso com lavagem de dinheiro. Além dos ex-jogadores, empresários paraguaios e brasileiros são investigados.

ADVOGADO DE RONALDINHO DIZ QUE PRISÃO É ILEGAL

O advogado de Ronaldinho, Sergio Queiroz, disse ainda neste domingo que seu cliente e irmão estão detidos de modo totalmente ilegal no Paraguai . Ele alegou que os ex-jogadores agiram "de boa fé" ao usar os documentos, sem saber que eram ilegais, pois procuravam iniciar negócios no país. O advogado também declarou que as autoridades diplomáticas do Brasil estão "tomando nota" das "irregularidades".

PEDIDO DE PRISÃO DOMICILIAR

Os advogados de Ronaldinho e seu irmão entraram com pedido para prisão domiciliar. O Ministério Público recusou , embora o craque tenha dado como garantia de que não iria fugir um imóvel no valor de cerca de R$ 4 milhões. Poucos minutos depois, o juiz Gustavo Amarilla recusou o pedido alegando que temia uma fuga ou obstrução nas investigações por parte do ex-jogador.

BRASILEIRO É TRATADO COM DISCRIMINAÇÃO

Os advogados de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão trabalham para recorrer à Segunda Instância. O recurso deve ser apresentado já nesta quarta-feira (11). A defesa do ex-jogador considera a prisão "ilícita, ilegal e abusiva", além de apontar que o Ministério Público paraguaio trata os brasileiros com discriminação pelo fato de eles serem estrangeiros.

MINISTÉRIO PÚBLICO INDICIA FUNCIONÁRIOS

O Ministério Público do Paraguai indiciou cinco pessoas, sendo quatro funcionários públicos, que supostamente facilitaram a entrada de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão no país. Segundo o promotor Federico Delfino, os funcionários públicos teriam participação direta na entrada dos brasileiros ao receberem os passaportes no Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi , na cidade de Luque, e não alertarem as autoridades de que os documentos eram falsos.

RECEIO DE PEGAR CORONAVÍRUS

Acostumado a se alimentar com refeições de qualidade, Ronaldinho Gaúcho se recusa a comer a mesma comida dos demais presidiários e tem se alimentado apenas com o que recebe de suas visitas. A preocupação com o coronavírus fez com que o atleta passasse por exames médicos no presídio em Assunção, mas ele não apresentou nenhum problema.

JOGO NO PRESÍDIO

Começaram a circular nas redes sociais na noite desta sexta-feira (13) fotos e vídeos de uma partida de futebol disputada na Agrupación Especializada da Polícia Nacional do Paraguai, com a participação de Ronaldinho Gaúcho . Segundo a ABC TV , do Paraguai, Ronaldinho aceitou participar de uma partida de futebol na cadeia . Ele teria atuado no time de Fernando Gonzalez Karjallo, ex-dirigente do Sportivo Luqueño preso por lavagem de dinheiro. De acordo com relatos de policiais que assistiram ao jogo, a equipe de Ronaldinho venceu por 11 a 2, com cinco gols e seis assistências do brasileiro.

PERÍCIA NOS TELEFONES

Investigadores paraguaios buscam informações se Ronaldinho e Assis têm ou não ligação com uma organização criminosa estruturada para falsificar documentos e especializada em lavagem de dinheiro. A quadrilha contaria com a participação de empresários e funcionários públicos para facilitar a operação de negócios ilegais no país. Os celulares dos dois serão vasculhados para buscar pistas e reler antigas conversas, e-mails e mensagens.

Comentários para "Entenda como está o caso em que Ronaldinho Gaúcho é acusado de usar documentos adulterados":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório