×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência doméstica

Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência domésticaFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Apenas 27% das mulheres que responderam à pesquisa disseram nunca ter sofrido ou vivenciado situações violência

Redação Rede Brasil Atual - 03/01/2022 - 11:14:19

Pesquisa mostra que 52% sofreram agressões verbais e outras 37%, físicas

Redação Rede Brasil Atual

O Fundo de População das Nações Unidas mostra que mulheres com deficiência têm três vezes mais chances de sofrer violência. Para ajudar a combater esse tipo de agressão a ONG Criar Brasil, com o apoio da Fundação Heinrich Boll Brasil e assessoria do Coletivo Feminista Helen Keller desenvolveu uma pesquisa e conteúdos diversos de comunicação.

De acordo com a pesquisa, a violência doméstica afeta mulheres sem distinção. Apesar disso, algumas estão mais expostas que outras, como no caso de mulheres com deficiência, que apresentam maior vulnerabilidade nestas situações, seja pela dificuldade de obter informações, de denunciar, ou por questões impostas pelo próprio corpo.

Com conteúdos acessíveis, o projeto discute a violência doméstica sob o olhar das mulheres com deficiência. Anna Carla Ferreira, da ONG Criar Brasil, relata que apenas 27% das mulheres que responderam à pesquisa disseram nunca ter sofrido ou vivenciado situações violência. “Outro resultado que chama a atenção é sobre a rede de proteção à mulher, a gente vê que ela não funciona. As pessoas vão até à delegacia, pois muitas vezes não sabem ainda sobre o Disque 180, e não tem atendimento. Se for uma mulher que precisa de libras, não tem intérprete na delegacia”, explicou à jornalista Adriana Maria, da TVT.

O conteúdo criado pelas entidades traz cartões virtuais para compartilhamento, podcasts e videos acessíveis para essas mulheres. Além disso, também foi publicado um minidocumento mostrando os detalhes da pesquisa. Segundo as respostas das entrevistadas: 51% disseram que já tiveram a sua deficiência usada forma de ser inferiorizada; 52% foram vítimas de agressões verbais e 37% foram agredidas fisicamente. Outras 35% tiveram seu corpo tocado sem consentimento.

Denúncia e acessibilidade

No final do questionário, as mulheres responderam questões referentes à proteção e ao enfrentamento à violência doméstica e intrafamiliar. Entre as respostas, a pesquisa destacou uma fala sobre os espaços de proteção às mulheres carecerem de conhecer e saber lidar com as deficiências em sua diversidade. “Encontramos barreiras físicas, atitudinais e comunicacionais. Há crenças arraigadas em modelos caritativos, apego ao modelo biomédico e tendência a abordar as realidades das mulheres com deficiência sem levar em consideração elementos psicossociais e culturais, por exemplo. Em suma, nossas vozes dificilmente recebem uma escuta ética, uma recepção que nos permita acessar efetivamente os nossos direitos e dignidade.”

Segundo Cristina Kenne, integrante do Coletivo Helen Keller, conhecer a realidade em que vivem essas mulheres com deficiência é de suma importância. “A construção dessa pesquisa envolveu todos os aspectos de acessibilidade, atitudinais e de comunicação. A proposta é que as informações contidas nesse material possam ser utilizadas como insumos para construção de política o e de acolhimento para erradicar esse problema”, afirmou à TVT.

Comentários para "Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência doméstica":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
‘Hoje está muito difícil ser uma artista negra no Brasil’, diz Luedji Luna

‘Hoje está muito difícil ser uma artista negra no Brasil’, diz Luedji Luna

Luedji Luna é cantora, baiana, nascida em Salvador. Aos 34 anos, coleciona alguns sucessos e está se preparando para uma turnê na Europa.

Dia Mundial da Doação de Leite realça o valor do aleitamento

Dia Mundial da Doação de Leite realça o valor do aleitamento

Banco de Leite Humano da Unifesp precisa de doadoras

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Dados são de estudo realizado por pesquisadores da USP

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Lorena fala que durante a adolescência se sentia isolada e até excluída, mas viu na internet um refúgio. Ela revela que demorou um tempo para falar sobre a doença e sua deficiência.

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Para a escritora, a obra é necessária porque ajuda as mulheres a trilhar um caminho de mentalidade financeira abundante

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

A chamada adoção solo tem as mesmas regras do processo biparental

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Conciliar família, trabalho e estudo é uma tarefa inevitável para mulheres mundo afora. Em Manaus, mães venezuelanas têm ganhado apoio em sua jornada

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Lei integra a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

O filme dá ideia perfeita da trajetória e das dificuldades dessa luta.

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

É o que revela estudo feito pela Unesco

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Em 2006, a lei brasileira Maria da Penha trouxe o reconhecimento e a responsabilização criminal da violência contra a mulher, mas ainda existem muitos desafios a serem superados