×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de agosto de 2022

Entre o Ministério Público e a prisão

Entre o Ministério Público e a prisão

Foto: Correio Braziliense

Fantasma ainda ronda

Por Ana Maria Campos-correio Braziliense - 31/05/2019 - 06:35:14

A situação dos promotores de Justiça Leonardo Bandarra e Déborah Guerner, condenados respectivamente a sete anos e sete meses e sete anos e nove meses de prisão, é inusitada. Afastados do cargo, eles deverão cumprir pena assim que se esgotarem os julgamentos dos embargos que serão interpostos pela defesa no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região. Pela pena, o regime é semiaberto. Para cumprir o que a condenação lhes impõe, eles deverão dormir na prisão e trabalhar durante o dia. Por causa da função pública, eles não podem cumprir jornada na iniciativa privada. É vedado. Como estão condenados e enquadrados na Lei da Ficha Limpa, não podem ocupar funções comissionadas, o que já era um impedimento devido ao vínculo com o Ministério Público. Estão também afastados do cargo de promotores. A Procuradoria Regional da República da 1ª Região pediu e a justiça concedeu a perda da função pública. Mas a Constituição estabelece que isso só ocorre com decisão transitada em julgado. Assim, fica um imbróglio. Onde eles vão trabalhar? Vão passar o dia em casa e dormir na prisão? Vão continuar recebendo o salário de promotor, mais de R$ 30 mil? Vão à noite para o presídio e atuar como fiscais da lei ao longo do dia? Esse é mais um assunto para a avaliação da Justiça.


Fantasma ainda ronda


A crise envolvendo as denúncias contra Leonardo Bandarra e Déborah Guerner provocaram um grande desgaste na imagem do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Desde que vieram à tona as acusações de extorsão, violação do sigilo funcional e concussão, não foram poucas as provocações que promotores de justiça tiveram de ouvir de advogados em audiências. Mesmo sem nenhuma relação com o episódio, muito promotores viraram alvo. Aos poucos, esse desgaste foi diminuindo. Os sucessores de Bandarra na chefia da instituição, Eunice Carvalhido e Leonardo Bessa, pacificaram as disputas internas. O tempo foi reduzindo as máculas. Mas o fantasma de manter dois promotores de Justiça em seu quadro ainda está vivo.


Mais uma ação

Leonardo Bandarra responde ainda a outras duas denúncias. Uma delas, a de uma extorsão ao então governador José Roberto Arruda, prescreve em 21 de julho. O relator do caso, desembargador Kássio Nunes Marques, é o mesmo do processo julgado ontem. Mas a ação não entrou ainda na pauta da Corte Especial do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região.

Condenação mais folgada

A expectativa entre desembargadores era de que o placar pela condenação de Bandarra seria mais apertado, de 7 votos a 5. Mas acabou em 8 a 3.


Reguffe: “Desculpa esfarrapada”


O senador José Antônio Reguffe (Sem partido/DF) acredita que o prazo de validade da MP 870, da Reforma Administrativa, não é justificativa para quem deixou de votar a favor da manutenção do Conselho de Controle da Atividade Financeira (Coaf) no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Os governistas alegaram que mudar o texto aprovado na Câmara levaria a MP a caducar por falta de tempo hábil para nova votação pelos deputados federais. Reguffe votou a favor da redução do número de ministérios, de 29 para 22, e no destaque optou pelo projeto do ministro Sérgio Moro, de fortalecer o Coaf como órgão de combate à corrupção. “Havia tempo mais que suficiente para a Câmara votar a MP. A votação no Senado foi terça-feira, os deputados não iriam trabalhar quarta? Nem quinta? Isso é desculpa esfarrapada”, acredita. E acrescenta: “O governo fez algum acordo, talvez com o chamado 'centrão' para manter do jeito que estava (no Ministério da Economia)”.




Ponto de estresse


Saiu publicada ontem a licença médica do deputado Robério Negreiros (PSD) de 15 dias, por estresse. Ele pediu para se afastar depois de ter o ponto cortado por ter viajado à Disney em período de trabalho.

Ibaneis: “Estamos trabalhando na contramão do governo federal”


Em evento ontem na Federação da Indústria de Brasília (Fibra), o governador Ibaneis Rocha (MDB) fez uma crítica à política de desenvolvimento do governo Bolsonaro. Ao ressaltar as ações para incentivar o setor produtivo, Ibaneis disse que o DF enfrenta uma situação crítica do ponto de vista fiscal, mas, mesmo assim, houve redução de impostos e ações para incrementar o comércio e a indústria. “Estamos trabalhando na contramão do governo federal, buscando de todas as maneiras incentivar o empresariado”, afirmou. E, no fim do pronunciamento, ainda acrescentou: “Já notei que esse governo que está aí gosta de fazer barulho”. Defendeu, assim, uma mobilização do empresariado para buscar apoio federal. Depois, ao Correio, o governador explicou que fez uma “crítica construtiva”. Segundo Ibaneis, as reformas em discussão no Congresso são importantes, mas o governo federal precisa abrir o cofre para ajudar os estados, com auxílio a projetos que geram empregos, como, no caso do DF, obras civis, a exemplo da expansão do Metrô.

Condenação serve como defesa a Arruda

A condenação do ex-procurador-geral de Justiça do DF Leonardo Bandarra e da promotora Déborah Guerner será usada na defesa do ex-governador José Roberto Arruda. Ele aponta que havia um conluio entre o então chefe do Ministério Público e o delator da Operação Caixa de Pandora, Durval Barbosa, contra ele. Na ação de ontem, os desembargadores concluíram que Bandarra e Deborah passaram informações estratégicas, da Operação Megabyte, a Durval, em 2005. Ele era alvo de uma investigação sobre lavagem de dinheiro desviado de corrupção.


Comentários para "Entre o Ministério Público e a prisão":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
STF decide que mudanças na lei de improbidade não retroagem para condenações definitivas

STF decide que mudanças na lei de improbidade não retroagem para condenações definitivas

Cerco de pistoleiros, tiros e ameaças:

Cerco de pistoleiros, tiros e ameaças: "Não andamos mais livres", dizem Pataxós no Sul da Bahia

DF não tem previsão para retomar vacinação de crianças a partir de 3 anos

DF não tem previsão para retomar vacinação de crianças a partir de 3 anos

Damares terá de remover vídeos em que diz que Lula 'ensinava jovens a usar crack

Damares terá de remover vídeos em que diz que Lula 'ensinava jovens a usar crack

Simulador virtual ajuda eleitor a treinar o voto na urna

Simulador virtual ajuda eleitor a treinar o voto na urna

Jovens são chamados a combater Fake News nas eleições

Jovens são chamados a combater Fake News nas eleições

Inpa abre inscrições para curso sobre tecnologia de bioflocos para criação de peixes amazônicos

Inpa abre inscrições para curso sobre tecnologia de bioflocos para criação de peixes amazônicos

Cinco atividades imperdíveis para fazer com crianças no Alentejo

Cinco atividades imperdíveis para fazer com crianças no Alentejo

Dia do Ciclista: 4 rotas imperdíveis para pedalar em Brasília

Dia do Ciclista: 4 rotas imperdíveis para pedalar em Brasília

Jericoacoara e praias de São Paulo são tendência de viagem entre agosto e setembro

Jericoacoara e praias de São Paulo são tendência de viagem entre agosto e setembro

Marketing local: Como fazer a divulgação e lucrar com a revenda de gás e água

Marketing local: Como fazer a divulgação e lucrar com a revenda de gás e água

Presença de mulheres nas urnas é maior desde pleito de 2014

Presença de mulheres nas urnas é maior desde pleito de 2014

Brasil vende menos para China e eleva volume de exportação para UE, diz Índice de Comércio Exterior

Brasil vende menos para China e eleva volume de exportação para UE, diz Índice de Comércio Exterior

Entidades da sociedade civil no Brasil buscam apoio para vida marinha e oceanos

Entidades da sociedade civil no Brasil buscam apoio para vida marinha e oceanos

Em Pernambuco, Missa do Vaqueiro celebra a fé do povo sertanejo

Em Pernambuco, Missa do Vaqueiro celebra a fé do povo sertanejo

85% das famílias atingidas pela barragem, em Mariana, sofrem com deslocamento compulsório

85% das famílias atingidas pela barragem, em Mariana, sofrem com deslocamento compulsório

Crise no sistema de assistência social do DF segue sem solução

Crise no sistema de assistência social do DF segue sem solução

Distrito Federal e dez estados recebem novas ambulâncias do Samu

Distrito Federal e dez estados recebem novas ambulâncias do Samu

Camex torna definitivo corte de 10% de tarifa comum do Mercosul

Camex torna definitivo corte de 10% de tarifa comum do Mercosul

PF diz ao STF que vê crime de Bolsonaro por associar vacina ao vírus da aids

PF diz ao STF que vê crime de Bolsonaro por associar vacina ao vírus da aids

PGR recorre para arquivar investigação sobre inquérito vazado por Bolsonaro

PGR recorre para arquivar investigação sobre inquérito vazado por Bolsonaro