×
ContextoExato

Envelhecidos na fumaça

Envelhecidos na fumaçaFoto: Pixabay

A idade biológica de fumantes é muito maior que a cronológica, mostra estudo americano com 149 mil voluntários. Essa aceleração do degaste do corpo em função do vício tem impactos ainda mais evidentes em mulheres.

Por Vilhena Soares - Correio Braziliense - 28/01/2019 - 05:52:56

Câncer, infarto, tuberculose. Esses são alguns exemplos dos diversos problemas de saúde causados pelo tabagismo. Mesmo com todo o conhecimento sobre as complicações desse vício, ele segue sendo alvo de investigações científicas e se revelando cada vez mais ameaçador. Um recente trabalho mostra, por exemplo, que o cigarro também pode acelerar o envelhecimento. A descoberta foi feita por americanos após uma série de análises sanguíneas de voluntários e do uso de técnicas de inteligência artificial. Especialistas acreditam que o resultado da pesquisa poderá incentivar as pessoas a se livrarem da dependência.

“O tabagismo é um problema real, destrói a saúde das pessoas, causa mortes prematuras e é, muitas vezes, o motivo de várias  doenças sérias”, ressalta ao Correio Polina Mamoshina, pesquisadora sênior da empresa de biotecnologia Insilico Medicine, nos Estados Unidos, e uma das autoras do estudo, publicado recentemente na revista especializada Scientific Reports. No trabalho, a equipe se propôs a determinar as diferenças biológicas de idade entre fumantes e não fumantes, além de avaliar o impacto do tabagismo na bioquímica do sangue de voluntários.

Como primeiro passo, os cientistas realizaram uma série de análises em amostras sanguíneas de 149 mil adultos, homens e mulheres, com, em média, 55 anos de idade. Dos participantes, 33% (49 mil) relataram ser fumantes. A equipe focou em parâmetros bioquímicos que permitem quantificar a aceleração do envelhecimento biológico devido ao uso do tabaco, como hemoglobina glicada (a forma presente no sangue), ureia, glicose em jejum e ferritina (proteína relacionada ao ferro). “Essas métricas auxiliam no diagnóstico e no prognóstico de enfermidades associadas ao envelhecimento, como o câncer e doenças genéticas que resultam em envelhecimento precoce. A análise de biomarcadores pode permitir uma avaliação quantitativa do efeito de fatores ambientais, como o hábito de fumar, na taxa de envelhecimento biológico”, explica Polina Mamoshina.

Com base nas medições, descobriu-se que a idade biológica dos fumantes é muito maior do que a idade cronológica, em comparação aos que não são dependentes de cigarro. “Isso sinaliza que eles podem ter aceleração da idade e uma expectativa de vida mais baixa”, diz a pesquisadora. Ela também ressalta a identificação de diferenças substanciais em relação ao gênero. “As fumantes têm previsão para ser duas vezes mais velhas que a idade cronológica, em comparação às que não têm o vício. No sexo masculino, essa relação é de uma vez e meia”, diz Polina Mamoshina. Em uma segunda etapa, a equipe fez análises genéticas dos voluntários e chegou aos mesmos resultados.

A repetição das constatações chama a atenção da psiquiatra Helena Moura, doutoranda em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e idealizadora do programa Viva Sem Cigarro. “No lugar de uma análise genética, os dados são de amostras sanguíneas, com as medições de glicose, entre outros parâmetros. É um método mais simples, que gerou os mesmos dados que a análise genética. Isso é possível porque sabemos que várias doenças estão relacionadas ao envelhecimento acelerado, como pressão alta e diabetes, que ocorrem com a chegada da idade avançada”, explica.

Segundo a médica, o trabalho avaliou um tema que tem sido bastante explorado na área científica: o envelhecimento acelerado. “É interessante, nessa pesquisa, o fato de os pesquisadores terem usado como base as descobertas feitas por uma mulher que foi ganhadora do Prêmio Nobel em um trabalho sobre os telômeros”, diz, fazendo referência à australiana Elizabeth Blackburn (Leia Para saber mais).

João Armando, psiquiatra e preceptor da residência médica na área de dependência química do Hospital das Forças Armadas (HFA), também enfatiza a importância de a pesquisa americana mostrar que o cigarro é um “mal global”. “Ele gera alterações genéticas, transformando a pessoa em uma idade mais avançada do que ela de fato tem”, frisa. Segundo o médico, os efeitos  causados são semelhantes ao de outra substância perigosa: o álcool.“Seria interessante comparar tipos distintos de drogas para entender melhor os efeitos delas”, sugere.

Polina Mamoshina adianta que o trabalho terá continuidade, mas focando apenas na dependência ao tabagismo. “Agora, estamos trabalhando na avaliação do efeito das terapias de longevidade e de outras escolhas de estilo de vida, como dietas distintas, para ver se isso faria alguma diferença nas pessoas que têm esse vício”, diz.

Para saber mais

A régua da vida

Em 2009, a bióloga australiana Elizabeth Blackburn foi uma das vencedoras do Prêmio Nobel de Medicina graças à descoberta dos telômeros — pedaços do cromossomo — e a relação deles com o envelhecimento. De acordo com a cientista, quanto menor o tamanho desse elemento gênico, maior é o envelhecimento de um indivíduo, o que faz com que os telômeros sirvam como um parâmetro dos efeitos da idade no corpo.

Durante a entrega do prêmio, a especialista os comparou aos acabamentos de cadarços. “Imagine o cadarço como sendo o cromossomo, que carrega a nossa informação genética. O telômero é essa pontinha que serve de proteção. Quando se desgasta, o material genético fica desprotegido, e as células não podem se renovar apropriadamente”, ilustrou. A cientista também revelou que mudanças de estilo de vida podem evitar esse deterioramento, como a realização de exercícios e uma dieta mais saudável.

Fotos e exames podem ajudar 

Os resultados da pesquisa que relaciona envelhecimento e tabagismo levam a equipe de cientistas a acreditar que amostras de sangue poderão ser usadas como uma ferramenta que ajude fumantes a se libertarem do vício. “Nossas descobertas sugerem que a análise profunda de exames de sangue de rotina pode complementar ou mesmo substituir o método atual de autorrelato do tabagismo e ser expandida para avaliar o efeito de outros fatores ambientais e de estilo de vida no envelhecimento”, detalha Polina Mamoshina, pesquisadora sênior da empresa de biotecnologia Insilico Medicine, nos Estados Unidos, e uma das autoras do estudo.

A psiquiatra Helena Moura concorda que os resultados podem ajudar a influenciar a decisão de um indivíduo de acabar com o vício. “Eu sempre uso em meu consultório, com pacientes que querem parar de fumar, um ensaio de um fotógrafo que fez imagens de irmãos gêmeos, um deles fumante e outro, não. Vemos claramente as mudanças estéticas. Uso esse instrumento porque a vaidade mexe muito com as pessoas. A maioria dos que buscam parar com o vício tem medo de engordar nesse processo, mas sempre digo que é melhor cessar com o cigarro e fazer exercícios”, conta.

Aparência

Os impactos na aparência também foram abordados pelos pesquisadores americanos. A partir dos dados das análises sanguíneas, eles construíram imagens dos rostos de alguns voluntários com e sem os efeitos de envelhecimento provocados pelo hábito de fumar. Dessa forma, acreditam, ficariam mais claras as alterações genéticas geradas pelo consumo do cigarro.

“Eu acho que isso pode ter algum impacto nos pacientes e ajustar seus comportamentos”, diz Polina Mamoshina. “Todos nós sabemos que os fumantes tendem a ter uma expectativa de vida muito menor, mas isso tem pouco impacto na decisão da maioria das pessoas de parar de fumar, já que terá consequências relativamente mais tarde na vida. Mas a idade biológica é algo que descreve o estado atual do indivíduo. Assim, as consequências do tabagismo podem ser vistas agora. Espero que isso tenha um impacto maior.”

O psiquiatra João Armando também acredita que os resultados da pesquisa podem incentivar as pessoas a pararem de fumar. “O tabaco é um exemplo de que, quando você tem uma campanha ampla, que frisa incessantemente os danos causados por alguma substância, ela provoca a diminuição do consumo. Ao constatar que o vício também influencia o envelhecimento, temos outro ponto que reforça a imagem perigosa do cigarro, tornando-o ainda mais negativo.” (VS)

Comentários para "Envelhecidos na fumaça":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório