×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de janeiro de 2022

Epicentro da covid há um ano, Wuhan é hoje a cidade “mais segura”, relata brasileiro

Epicentro da covid há um ano, Wuhan é hoje a cidade “mais segura”, relata brasileiroFoto: Arquivo pessoal

Sem registrar infectados desde maio de 2020, cidade chinesa mantém uso de máscaras, medição de temperatura e QR codes

Por Daniel Giovanaz - Brasil De Fato - 05/01/2021 - 15:59:29

Considerada o epicentro global do coronavírus no início do ano passado, Wuhan começa 2021 com uma rotina semelhante ao período pré-pandemia. Comércio, transporte público, parques e restaurantes: exceto pelas máscaras, medições de temperatura e pelo uso de QR code como indicador do status de saúde dos cidadãos, tudo funciona como antes da covid-19.

“Alguém que chegue na cidade hoje, desavisado de onde está, jamais entenderia que essa cidade passou pelo que passou”, relata o advogado brasileiro José Renato Peneluppi Jr., que mora na China há dez anos.

“Wuhan é considerada hoje a cidade mais segura em relação à covid, não só pelo sentimento das pessoas, mas por questões práticas”, acrescenta, lembrando que o último caso de covid-19 foi registrado no início de maio.

Peneluppi deixou Wuhan logo após a confirmação dos primeiros casos de coronavírus, passou a maior parte do ano passado na Bielorrússia e voltou à China há quatro meses. Desde então, viajou por seis cidades e atestou a diferença na gestão da crise sanitária nos dois países.

Na Bielorrússia, o presidente Aleksandr Lukashenko adotou uma postura negacionista, semelhante à de Jair Bolsonaro (sem partido) no Brasil. O resultado da falta de medidas de contenção e da não obrigatoriedade do uso de máscaras foi a superlotação de hospitais e a explosão do número de mortes, que chegou a 1,4 mil.

Para voltar à China, o advogado brasileiro precisou apresentar teste negativo de covid-19 no check-in e no embarque.

Na semana passada, a capital Pequim entrou em estado de alerta após diagnosticar os primeiros casos de coronavírus em 133 dias. Essa medida fez reforçar o controle nos aeroportos e estações de trem em Wuhan, mas não alterou completamente a rotina.

“Desde o começo da pandemia, o Estado chinês declarou guerra popular. Então, o povo chinês está em guerra contra o vírus ”, enfatiza Peneluppi. “Todo mundo tem responsabilidade como indivíduo, como coletivo, de tomar ações e cuidar do país. Enquanto no Brasil ou em qualquer país do mundo houver essa doença, eles acham que tem que manter esse estado de prontidão, que é a única forma de se proteger.”

A virada do ano em Wuhan reuniu mais de 1 milhão de chineses, que se deslocaram de várias partes do país para enaltecer a resiliência e a disciplina dos cidadãos no enfrentamento ao vírus.

“As pessoas soltavam bexigas em formato de coração ou de estrela, e todo mundo exaltava Wuhan como cidade heroína, a cidade que venceu o vírus. Todos muito felizes, tranquilos, mas sempre de máscara”, ressalta.

Peneluppi elogia a consciência coletiva dos chineses e lembra que a vacina não é vista pela população como sinônimo de fim da pandemia.

“O combate à covid-19 na China tem sido tão eficiente que a vacina não é vista pelo povo ou pelo governo como decisiva contra o vírus, mas como mais um instrumento a mais, para somar nessa luta”, explica.

Desde o final de setembro, a vacina tem sido aplicada em trabalhadores de aeroportos e empresas aéreas, militares e corpo diplomático. Na última semana, começaram campanhas de vacinação específicas em Pequim e na região de Shenzhen, para evitar a entrada de infectados na fronteira com Hong Kong.

Leia também: China amplia vacinação e pretende imunizar toda a população até fevereiro

O advogado brasileiro interpreta que a covid-19 serviu como um “processo disruptivo” na China, em que tecnologias usadas para outras finalidades passaram a ser implementadas contra a doença.

“O QR code , que era usado para crédito social, passou a ser usado para gestão de rastreamento da doença. No próprio mapeamento da doença, tratamento, segurança sanitária, EPIs, desenvolvimento da vacina, os avanços e as disrupções tecnológicas ficaram bem claras”, enumera.

“No que tange a tecnologia social, também chamou atenção a forma de fazer o lockdown . A questão não é fechar, mas onde fechar e de que forma abrir, em que condições, e com quais garantias.”

O lockdown em Wuhan durou 76 dias. A covid-19 matou, ao todo, 3.869 pessoas na cidade, o equivalente a 83% de todos os óbitos registrados na China.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Epicentro da covid há um ano, Wuhan é hoje a cidade “mais segura”, relata brasileiro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Em dia de homenagens a Martin Luther King Jr., filhos pedem ação por reforma eleitoral

Em dia de homenagens a Martin Luther King Jr., filhos pedem ação por reforma eleitoral

Ativistas marcham em homenagem ao dia de Martin Luther King, incluindo seu filho mais velho, no dia 17 de janeiro de 2022. Eles seguram uma faixa que diz

No Fórum Econômico Mundial, Guterres aponta prioridades para retomada econômica

No Fórum Econômico Mundial, Guterres aponta prioridades para retomada econômica

Bandeiras no encontro anual do Fórum Econômico Mundial

No Vaticano, papa Francisco diz rezar por vítimas das chuvas no Brasil

No Vaticano, papa Francisco diz rezar por vítimas das chuvas no Brasil

Ele falou após a oração do Angelus, na Praça de São Pedro

Ex-primeiro-ministro de Israel, Netanyahu negocia acordo em processo de corrupção

Ex-primeiro-ministro de Israel, Netanyahu negocia acordo em processo de corrupção

Bolsonaro chega a Israel e defende parcerias em segurança e defesa

Ao recusar ir à posse de Boric no Chile, Bolsonaro impulsiona política que isola o Brasil

Ao recusar ir à posse de Boric no Chile, Bolsonaro impulsiona política que isola o Brasil

Ao fazer constantes declarações demonstrando seu posicionamento pessoal diante de líderes latino-americanos, Bolsonaro cria graves consequências para política externa brasileira. A Sputnik Brasil ouviu analista para entender por que o governo opta por um comportamento não diplomático

'Instabilidade do Mercosul citada por Bolsonaro foi criada por sua própria gestão', diz especialista

'Instabilidade do Mercosul citada por Bolsonaro foi criada por sua própria gestão', diz especialista

Presidente voltou a fazer comentários sobre o Mercosul dizendo que se o Brasil "estivesse livre do bloco" seria melhor, e apontou que a organização sofre "instabilidades". A Sputnik Brasil entrevistou analista para saber até que ponto os argumentos do presidente procedem com a realidade mercosulina.

Empresário de moda costura tecido da paz no nordeste da República Democrática do Congo repleto de violência

Empresário de moda costura tecido da paz no nordeste da República Democrática do Congo repleto de violência

Com uma nova coleção chegando a cada semana para a linha de roupas, Muhindo conseguiu lançar vários desfiles de moda locais.

Omã é o destino do programa “Anthony Bourdain, lugares desconhecidos”

Omã é o destino do programa “Anthony Bourdain, lugares desconhecidos”

O episódio deste domingo (09,01) apresenta detalhes surpreendentes sobre história, cheiros e sabores do antigo império do Oceano Índico

Morre Sidney Poitier, 1º negro a ganhar Oscar de melhor ator

Morre Sidney Poitier, 1º negro a ganhar Oscar de melhor ator

Ele inspirou geração durante movimento pelos direitos civis

Nos EUA, Biden eleva tom e vai culpar Trump e aliados por invasão do Capitólio

Nos EUA, Biden eleva tom e vai culpar Trump e aliados por invasão do Capitólio

Até agora o governo, inclusive o próprio Biden, costumava evitar nomear Trump, referindo-se a ele como "o outro cara" ou "o cara de antes".

Procuradora que investiga Organização Trump intima filhos do ex-presidente

Procuradora que investiga Organização Trump intima filhos do ex-presidente

O esforço da procuradora-geral para entrevistar Trump sob juramento tornou-se público no mês passado, mas não se sabia antes que seu gabinete também procurava questionar Donald Trump Jr. e Ivanka Trump.