×
ContextoExato
Responsive image

Escambo de alimentos, pets abandonados e pesca: A quarentena em Noronha

Escambo de alimentos, pets abandonados e pesca: A quarentena em NoronhaFoto: Arquivo pessoal

Aeroporto de Fernando de Noronha no dia 18/03: turistas precisaram deixar a ilha

Eduardo Vessoni Colaboração Para Nossa - 15/04/2020 - 15:19:27

"Eu estou doida para estar pelo meio do mundo. A praia está logo ali e a gente não pode tomar banho nesse mar", desabafa a assistente social Sílvia Morais, moradora de Fernando de Noronha há 34 anos.

Para quem está do lado de cá do Brasil, pode parecer tentadora a ideia de se isolar em praias paradisíacas no meio do nada, a mais de 540 quilômetros do continente. Parece, mas não é.

Reflexos da pandemia em turismo e gastronomia

Coronavírus: setor de alimentos se une por quem está na linha de frente

Restaurantes apelam para a criatividade diante da crise do novo coronavírus

Passagens e pacotes estão em promoção; mas vale o risco comprar agora?

Com 24 casos confirmados de coronavírus e um já curado, esse destino de pouco mais de 3 mil habitantes e ecossistema frágil tem tomado medidas duras para conter o surto de coronavírus.

O primeiro caso de covid-19 em Noronha foi confirmado em 27 de março.

Desde que saíram os últimos turistas, em 21 de março, o arquipélago tem praias policiadas e proibidas para banho; o Porto de Santo Antônio segue protocolos de investigação epidemiológica nos tripulantes que chegam de fora; e o comércio já está fechado (exceto mercadinhos, farmácias e lojas de materiais de construção).

"A gente só encontra o básico na ilha e a estrutura [de abastecimento] nos mercados já não é mais 100%", descreve Virgínia Anghinoni, moradora há 10 anos.

Segundo informou em nota a Administração de Fernando de Noronha, apenas prestadores de serviços essenciais podem desembarcar no arquipélago, desde que cumpram quarentena de sete dias. Moradores regularizados que estiverem no continente estão impedidos de voltar à ilha até o próximo dia 20 de abril.

Isolamento longe de casa

É o que acontece com Domício Alves Cordeiro, um dos moradores mais antigos de Noronha. Com 72 anos e impossibilitado de retornar para casa, o professor aposentado aguarda, no Recife, com a esposa tudo isso passar.

Resolvemos não voltar, dada a possibilidade de sermos acometidos pelo coronavírus e sobrecarregarmos a já limitada estrutura de saúde de Noronha."

Recentemente, uma pousada foi disponibilizada para o isolamento de seis famílias da Vila do Trinta que aguardam resultados de exames.

"A espécie humana está bem ameaçada. O fato de ser uma ilha onde as pessoas frequentam sempre os mesmos lugares pode ser, sim, um diferencial de Noronha. Mas não temos conhecimento se o vírus pode afetar o ecossistema natural", explica a bióloga Zaira Matheus, há 21 anos na ilha.

Para Cordeiro, que é engenheiro agrônomo e doutor em Ciências do Solo, o isolamento oceânico sempre funcionou como uma proteção para o destino, "mas o aumento vertiginoso do turismo quebrou essas barreiras naturais", analisa.

Com uma economia que depende 95% da indústria turística, o setor é o mais atingido. "Fecharam as portas da ilha e o turismo parou", explica Sílvia Morais, que também atua como condutora.

Sem reservas e pego de surpresa, o empresariado local já se pergunta o que virá além da campanha #NaoCanceleRemarque. O dinheiro começa a faltar, empresários sentem dificuldade para tirar linhas de crédito e negociações de dívidas em bancos já não são tão fáceis.

Divulgação da campanha #naocanceleremarque, que visa reduzir os prejuízos do turismo com o coronavírus - Divulgação

Divulgação da campanha #naocanceleremarque, que visa reduzir os prejuízos do turismo com o coronavírus

Imagem: Divulgação

"Estamos ilhados de verdade. Não temos possibilidade alguma de fonte de renda no momento", descreve Caco Valença, empresário.

Assim como contou ao Nossa, a renda da família depende da pequena pousada que a mãe toca na ilha há mais de 30 anos. Seu estabelecimento de nove quartos chegava a ter uma taxa de ocupação de 75% ao longo do ano.

Essa não é uma ilha de milionários como muitos pensam. São famílias simples que sobrevivem do turismo desde que ele existe aqui"

Uma nova ilha

Por outro lado, a situação atual trouxe novas possibilidades para os ilhéus, como a troca de alimentos entre conhecidos.

Recentemente, Sílvia tem trocado as bananas maduras do quintal por ovos de capoeira do vizinho.

Estou revivendo uma ilha de 30 anos atrás. Voltamos a fazer escambo entre os vizinhos. Com esse turismo frenético, a gente nem se olhava."

Sílvia Morais faz troca de alimentos com morador de Noronha  - Arquivo pessoal

Sílvia Morais faz troca de alimentos com morador de Noronha

Imagem: Arquivo pessoal

"É um movimento ubuntu maravilhoso", completa Sílvia, em referência à filosofia africana que tem a solidariedade como um dos seus pilares.

A solidariedade é uma unanimidade relatada em todas as entrevistas feitas pela reportagem. Não só entre os moradores, mas por parte da administração local e dos empresários.

A rotina da empresária Glória Moreira Lima também foi alterada por esse movimento.

Glória Moreira Lima, há 23 anos na ilha e preocupada com os animais abandonados da ilha - Arquivo pessoal

Glória Moreira Lima, há 23 anos na ilha e preocupada com os animais abandonados da ilha

Imagem: Arquivo pessoal

Ela e o marido têm barcos de turismo e de pesca, que agora são usados para pescaria em Noronha. O casal tem doado para a comunidade cerca de 50% do que consegue pescar, contou Glória, enquanto alimentava os gatos, uma de suas preocupações. "Animais de estimação foram abandonados por donos que tiveram que deixar a ilha às pressas", diz.

Com um filho de 22 anos, portador de Síndrome de Down, Glória já estava em quarentena quando surgiu o primeiro caso de coronavírus no Recife, em 12 de março.

A hora de alimentar os gatos é o único horário que eu saio de casa."

No entanto, sua maior preocupação é o futuro da indústria do turismo. "Que o brasileiro invista no Brasil, gaste em viagens nacionais e recupere o país", conclui.

Assim como em todo o mundo, ainda não há perspectiva de um retorno tão cedo das atividades turísticas em Noronha.

"Mesmo quando o turismo voltar, com certeza não será o que se tinha até pouco tempo. Ainda vai demorar para o turista se reestabelecer financeiramente", avisa o administrador da ilha, Guilherme Rocha.

A crise econômica é para todos e haverá uma demora na retomada do turismo e do comércio na ilha. Mas nossa preocupação agora é salvar vidas."

Comentários para "Escambo de alimentos, pets abandonados e pesca: A quarentena em Noronha":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório