×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

'Estou vendo uma volta para trás. Um retrocesso', Henrique Meirelles

'Estou vendo uma volta para trás. Um retrocesso', Henrique MeirellesFoto: Reprodução FAAP

Henrique Meirelles diz que a regra que limita o crescimento das despesas foi violada e deixará de ser eficaz

Estadão Conteúdo - 24/10/2021 - 18:32:12

"Pai" do teto de gastos, o ex-ministro Henrique Meirelles diz que a regra que limita o crescimento das despesas foi violada e deixará de ser eficaz com as mudanças negociadas pelo governo Bolsonaro com o Congresso para gastar mais no ano eleitoral de 2022. "Eles alteraram, criaram outro teto", disse Meirelles ao Estadão. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Qual a sua avaliação sobre o desmonte do teto?

Estou vendo uma volta para trás. Um retrocesso do País. Um País que fez um esforço grande para voltar a crescer.


Como "pai" do teto, como vê as críticas a ele? O próprio ministro Paulo Guedes diz que o sr. deu reajuste, inflou o teto e, depois, empurrou o aperto do teto para o governo seguinte.



Absolutamente negativo. As despesas começaram a cair imediatamente. As críticas que fazem ao teto é porque ele é rígido, não tem flexibilidade. Mas é um limite, não pode ter flexibilidade.


O teto de gastos morreu com a mudança articulada pelo governo e o Centrão?

Não morreu totalmente porque ele ainda vai dar trabalho. Tiraram certas despesas do teto, mas outras estão sujeitas. Eu diria que o teto foi violado, e isso enfraquece muito.



Quais serão as consequências do rompimento?

Se não se quer tomar as medidas necessárias para cortar despesas quer voltar ao período da recessão que o Brasil entrou. A vantagem do teto é ser rígido e não dar espaço para manobra, interpretação, discussão subjetiva que acabou se instalando. Quando ele foi estabelecido, o Brasil estava numa recessão brutal por razão puramente fiscal, com um crescimento das despesas e da dívida pública insustentável.



É uma armadilha para quem assumir o governo em 2023?

Será um problema. As últimas projeções para a economia em 2022 são de inflação elevada e taxa Selic alta. E muito desse aumento dos juros no ano que vem vai se refletir em 2023, jogando a economia para baixo. A última projeção de crescimento que vi de uma instituição respeitada é de menos de 1%. Isso significa que o País entrou ou está entrando numa estagflação clássica. Para a frente, é um problema. O governo vai ter mais dinheiro para distribuir e, supostamente, isso aí vai dar vantagens eleitoreiras. Mas tenho dúvidas disso, porque o melhor programa social que existe é o emprego. A sensação de bem-estar da população está péssima e o crescimento não deslancha.


Qual o efeito disso tudo?

Entrar 2023 com a taxa de juros elevada, com a economia estagnada, o crescimento elevado e com um déficit insustentável. Uma coisa perigosa é começar a achar vantagem no aumento da inflação porque permite gastar mais.



Pode ser uma bomba para o próprio presidente Bolsonaro caso ganhe a eleição?

Certamente. Não há dúvida. Ele está agindo no curto prazo, tentando ganhar no ano que vem a qualquer preço. Mas o que digo é que os efeitos negativos podem superar a distribuição desses R$ 30 bilhões (do Auxílio Brasil fora do teto).



Ao lado de Bolsonaro, o ministro Guedes disse que abraçou o social. O que achou dessa declaração?

Abraçar social, tudo bem, desde que cortem despesa do outro lado.


Guedes, que vinha defendendo o teto, capitulou para o jogo político ao aceitar o rompimento do teto para mais gastos?

Ele disse isso: "Por que vocês acham que eu ia sair por conta de gastar mais R$ 30 bilhões". Cada um que tire suas conclusões. Eu não preciso fazer grandes interpretações. Ele disse.



As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



fonte: Estadão Conteudo


Comentários para "'Estou vendo uma volta para trás. Um retrocesso', Henrique Meirelles":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Líder do PL contraria Bolsonaro e cobra passaporte da vacina

Líder do PL contraria Bolsonaro e cobra passaporte da vacina

O senador Carlos Portinho (PL-RJ) durante discurso no plenário do Senado sobre passaporte de vacinação

STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

Durante transmissão virtual, Bolsonaro chegou a mencionar suposta notícia de que moradores do Reino Unido que teriam tomado o imunizante estariam desenvolvendo o HIV

Gestão Bolsonaro já trocou ao menos 20 delegados de cargos de chefia na PF

Gestão Bolsonaro já trocou ao menos 20 delegados de cargos de chefia na PF

As mudanças continuam mesmo em meio a uma investigação que se arrasta há mais de um ano no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre suspeita de interferência política do presidente Jair Bolsonaro na corporação.

'Todo mundo sabe quem é quem nessa história', diz Sérgio Moro sobre Bolsonaro

'Todo mundo sabe quem é quem nessa história', diz Sérgio Moro sobre Bolsonaro

Correção

Advogados pedem na Justiça inquérito por abuso de autoridade contra mulher que xingou Bolsonaro

Advogados pedem na Justiça inquérito por abuso de autoridade contra mulher que xingou Bolsonaro

Jair Bolsonaro estava acenando para pessoas na estrada quando foi xingado por uma mulher, que por sua vez foi conduzida por policiais rodoviários federais à delegacia

Allan dos Santos: Delegada está incrédula com ordem para deixar posto na Interpol

Allan dos Santos: Delegada está incrédula com ordem para deixar posto na Interpol

Dominique é reconhecida pelos colegas pela produtividade. Na Interpol, ajudou a capturar foragidos internacionais da máfia 'Ndrangheta. O trabalho na organização de polícia internacional não tinha prazo determinado para acabar.

Acordo da cartinha do Temer para aliviar Bolsonaro vai se confirmando

Acordo da cartinha do Temer para aliviar Bolsonaro vai se confirmando

No Baú, o Hélio rememora a luta pela Constituinte em 1986 e a necessidade de uma nova, diante da desmoralização em que as instituições brasileiras se atolam.

Barroso estende até março de 2022 a suspensão de despejos e desocupações na pandemia

Barroso estende até março de 2022 a suspensão de despejos e desocupações na pandemia

Para o ministro, há urgência no tema, tendo em vista que a pandemia ainda não terminou e existe um elevado número de famílias ameaçadas de despejo.

STJ anula condenações impostas por Moro a Vaccari, Palocci e Duque na Lava Jato

STJ anula condenações impostas por Moro a Vaccari, Palocci e Duque na Lava Jato

A sentença foi assinada em 2017 pelo então juiz federal Sérgio Moro, que viu indícios suficientes de crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Plenário do Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

Plenário do Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

Placar foi de 47 votos a favor e 32 contra

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco aumenta pressão por Refis

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco aumenta pressão por Refis

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), voltou a pedir ontem apoio de empresários para pressionar a Câmara a aprovar o projeto do Refis, que pode perdoar até R$ 60 bilhões em dívidas tributárias.