×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de maio de 2022

Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB

Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnBFoto: Agência Brasília

Quem quiser seguir o mesmo caminho da diarista Maria da Conceição pode se matricular no programa, que abrirá vagas remanescentes em fevereiro

Adriana Izel, Da Agência Brasília I Edição: Carolina Jardon - 16/01/2022 - 12:35:47

A diarista Maria da Conceição Lucas de Macedo, 62 anos, vai inaugurar 2022 com um novo capítulo na sua vida: a entrada na universidade. No segundo semestre de 2021, ela foi aprovada no vestibular da Universidade de Brasília (UnB) no curso de Artes Cênicas. Moradora da capital desde 2000, ela se diz “calma e tranquila” para a nova fase.

“Tenho colegas que estão na UnB. Não vou ficar sozinha. Agora são mais quatro anos de “ralação”. “Serão novos desafios, não será fácil, mas vou chegar de novo onde quero”, define. As aulas começam amanhã, 17 de janeiro, de forma remota devido à pandemia.

Dar continuidade aos estudos era um sonho antigo de Conceição que, aos 47 anos, se formou no ensino médio pela Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Distrito Federal. Em 2016, pela primeira vez na vida, a diarista foi ao teatro. Encantada com o que viu, em seguida, matriculou-se em uma oficina gratuita e, depois, fez parte de uma companhia de teatro do Espaço Semente, no Gama. Em 2019 ela decidiu voltar a estudar e fazer o curso de formação superior.

Antes de passar para a UnB ela fez um curso técnico em Administração no Instituto Federal de Brasília (IFB), que serviu de base para o vestibular. “Voltei a estudar, porque eu não queria ficar em um quadro de depressão. Não queria envelhecer triste. Eu queria viver. Lutei e fui correr atrás de outros horizontes. Quando descobri que fui aprovada [no vestibular], fiquei em êxtase”, conta a diarista.

Ensino básico

A Educação de Jovens e Adultos é um direito previsto na Constituição de 1988 e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)

Histórias como a de Maria da Conceição não são raras na EJA. A diretora do segmento na Secretaria de Educação, Lilian Sena, diz que ao retomar e concluir os estudos os jovens e adultos se sentem empoderados, o que resulta em várias realizações.

“Esse é o objetivo: estudar, melhorar a qualidade de vida, exercer cidadania, ajudar sua comunidade. Quando isso acontece, eles percebem a própria capacidade e começam a sonhar com o futuro, com a formação superior. É algo que acontece com frequência na EJA”, analisa.

A Educação de Jovens e Adultos é um direito previsto na Constituição de 1988 e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). No Distrito Federal existem 112 escolas do formato nas 14 regionais de ensino. A educação é ofertada em três segmentos, sendo os dois primeiros relativos ao ensino fundamental I e I, e o terceiro, ao ensino médio. Cada série é otimizada em semestres e a carga horária é flexível.

Além do formato presencial, a EJA também pode ser feito à distância. Quem opta pelo modelo conta com o Centro de Educação de Jovens e Adultos e Educação Profissional à Distância de Brasília (Cejaep EaD), na Asa Sul, como base.

Outra modalidade da EJA é a integrada, que oferece educação profissional aos estudantes. Os cursos técnicos ocorrem de forma concomitante com o ensino básico. A unidade do Cruzeiro capacita técnicos em serviço público. Controle ambiental é o curso técnico de Brazlândia. Enquanto que a escola de Ceilândia oferece capacitação técnica em informática.

Vagas

O período de matrículas ocorre duas vezes ao ano. Quem quiser se inscrever para as aulas de 2022 pode aguardar a reabertura das vagas remanescentes, prevista para início de fevereiro. Caso o estudante não tenha o histórico escolar, não tem problema. “Mesmo sem esse documento que declara a escolaridade, nós conseguimos fazer um diagnóstico e identificar a série que ele pode ser matriculado”, explica.

De acordo com a diretora da EJA na Secretaria de Educação, o DF atende de 40 a 50 mil alunos por semestre. Mesmo assim, ela diz existir uma grande demanda. “Quase 1 milhão de pessoas não concluíram a educação básica e poderia estar na EJA”, afirma. “O que a gente costuma dizer é que a EJA é um direito, não estamos prestando um favor”, completa.

Comentários para "Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Lorena fala que durante a adolescência se sentia isolada e até excluída, mas viu na internet um refúgio. Ela revela que demorou um tempo para falar sobre a doença e sua deficiência.

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Para a escritora, a obra é necessária porque ajuda as mulheres a trilhar um caminho de mentalidade financeira abundante

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

A chamada adoção solo tem as mesmas regras do processo biparental

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Conciliar família, trabalho e estudo é uma tarefa inevitável para mulheres mundo afora. Em Manaus, mães venezuelanas têm ganhado apoio em sua jornada

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Lei integra a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

O filme dá ideia perfeita da trajetória e das dificuldades dessa luta.

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

É o que revela estudo feito pela Unesco

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Em 2006, a lei brasileira Maria da Penha trouxe o reconhecimento e a responsabilização criminal da violência contra a mulher, mas ainda existem muitos desafios a serem superados

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Maioria recebe menos que um salário mínimo e não tem carteira assinada

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Objetivo é ajudar jovens profissionais a entrar no mercado de trabalho

Rayssa Leal conquista ouro e sobe pela primeira vez no pódio do X-Games

Rayssa Leal conquista ouro e sobe pela primeira vez no pódio do X-Games

Antes da medalha de Rayssa, o Brasil havia conquistado outras duas com Gui Khury, de 13 anos