×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de maio de 2022

Estudo da Fundação Getulio Vargas aponta baixa produtividade no Brasil

Estudo da Fundação Getulio Vargas aponta baixa produtividade no BrasilFoto: Agência Brasil

A estimativa é que este ano a produtividade média deve recuar 0,7%

Por Alana Gandra - Agência Brasil Rio De Janeiro - 11/12/2019 - 18:35:02

O crescimento da produtividade no mercado de trabalho nacional no período de 1995 a 2018 foi de apenas 1%, influenciado pelo setor de serviços, que responde por 70% das horas trabalhadas e do emprego. A estimativa é que, para este ano, a produtividade média deve recuar 0,7%. O estudo foi divulgado, hoje (10), pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O trabalho levou em consideração o total de horas trabalhadas e a redução de jornada, em vez da população ocupada. “Fizemos um ajuste mais fino, mas o resultado é ruim”, disse à Agência Brasil a economista Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, e uma das autoras do estudo.


Segundo ela, essa metodologia é mais precisa no sentido de medir corretamente a produtividade do trabalhador pelo número de horas trabalhadas e não pela quantidade de trabalhadores no mercado. Embora a economia esteja voltando a ter crescimento este ano, a produtividade segue com índice baixo, disse.

De acordo com o estudo, somente por meio da elevação da produtividade do trabalhador se conseguirá aumentar a renda per capita, e gerar crescimento sustentável no país. Dos setores econômicos analisados nos últimos 23 anos, apenas a agropecuária manteve a produtividade por hora trabalhada em alta, com pico de 7,5% no período de 2007 a 2013, e média de 6,8% entre 1995 e 2018, apesar de ser um “setor que emprega cada vez menos gente”. Na indústria, a produtividade agregada mostrou queda de 0,2% nos últimos 23 anos.

Informalidade

Silvia Matos disse que desde a recessão, em 2013, o setor de serviços não recuperou a produtividade. “Tem mais gente trabalhando, mas o resultado dele tem sido muito baixo. E uma das explicações para isso é que você percebe em 2019 um crescimento muito forte do emprego e das horas [trabalhadas], mas empregos de muita informalidade”.

Em média, quando se compara um emprego informal com um emprego formal, o primeiro representa um quarto da produtividade. “A consequência natural é que a produtividade cresce muito pouco”, disse a economista.

A análise do ano de 2019 revela um crescimento forte da informalidade, de pessoas indo buscar empregos com rendimento muito baixo, como motoristas de aplicativos, entregadores de alimentos. “Mas elas precisam buscar algum rendimento. É o que é possível. Esse trabalho tem menos produtividade”, disse Silvia Matos.

Enquanto a empresa informal tem menos produtividade, a empresa formal consegue ter máquinas, equipamentos, consegue ter crédito, consegue inovar, disse Silvia Matos. “É um processo diferente”.

Tomando por base os resultados apurados no estudo, Silvia disse que, na média, o Brasil aumentou muito o total de horas trabalhadas. “Foi muito limão para pouca limonada. O resultado ficou muito aquém do que a gente gostaria”, disse.

De acordo com a economista, existe uma grande discrepância entre o uso do fator mão de obra e, de fato, o que está se observando em termos de Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os produtos e serviços produzidos no país).

Recuo

Para 2019, a economista disse que por mais que se fale de recuperação da economia brasileira, é difícil imaginar crescimento da produtividade. A expectativa é que a produtividade caia cerca de 0,7% no ano. Silvia reiterou que no setor de serviços, considerado o mais importante em termos de horas trabalhadas, a produtividade cresceu muito pouco. Nos últimos cinco anos compreendidos entre 2013 e 2018, ou seja, desde o início da recessão até o ano passado, a queda da produtividade no setor de serviços atingiu 1,5% ao ano. “Então, mesmo com um crescimento da agropecuária e até a indústria conseguindo recuperar um pouquinho, a produtividade agregada fica negativa, porque o peso dos serviços é muito elevado”. Entre 2013 e 2018, a produtividade agregada ficou em menos 0,4%.

Ela avalia que enquanto o setor de serviços não tiver um desempenho bom de produtividade, dificilmente o agregado vai ter, porque o setor de serviços tem peso grande na economia e representa 70% do emprego. A estimativa, entretanto, é que à medida que a economia for ganhando fôlego, é natural que as pessoas busquem emprego formal ou, pelo menos, de maior qualidade e produtividade. “E a gente pode caminhar para números positivos”.

Desafio

Apesar dessa questão conjuntural, Silvia Matos declarou que historicamente o desafio continua sendo fazer as reformas. “Porque, para crescer, a gente precisa ter ganhos de produtividade elevados e consistentes. E isso só se obtém com reformas. O setor formal também precisa ter ganhos de produtividade”.

A reforma tributária e a melhoria no ambiente de negócios são fundamentais nesse processo, defende a economista. Silvia disse que empresas que não são eficientes não deveriam se manter no mercado. “É melhor fechar uma empresa pouco produtiva e liberar aquela mão de obra e aquelas máquinas e deixar uma empresa mais produtiva cumprir esse papel”.

Ainda segundo a economista, a inovação é a chave principal, seguida do maior conhecimento por parte da mão de obra, para que essa possa se alocar em outros empregos. É preciso uma agenda de produtividade independente do PIB, porque o crescimento sem produtividade não vai ser sustentável, disse Silvia.

“O crescimento tem que vir e tem que ser eficiente”, disse Silvia, acrescentando que para ter elevação de salários é necessário ter ganhos de produtividade. “Os ganhos de produtividade alinhados permitem o aumento do salário real de fato, porque você está tendo um aumento real, o que, do ponto de vista social, é muito importante”.

A economista da FGV disse que a produtividade é a chave do crescimento econômico e do bem-estar, que permitem aumento dos salários também no longo prazo. E para que haja crescimento econômico, a economista defende a reforma tributária e a abertura econômica como extremamente importantes, porque pressupõem maior inovação, traduzida pela importação de máquinas, equipamentos e tecnologia. “Com redução do tributo consegue-se desonerar o investimento e as importações, em vez de dar subsídio à indústria, e se tem maior acesso às novas tecnologias”.

Além dos investimentos na área de infraestrutura, Silvia assegurou que é preciso o Brasil investir cada vez mais em educação, porque a agenda do crescimento econômico passa pela elevação do conhecimento. “Tem que espalhar o conhecimento, para que ele atinja a economia como um todo”.

Saiba mais

Edição: Fernando Fraga

Comentários para "Estudo da Fundação Getulio Vargas aponta baixa produtividade no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Diante das diversas motivações que podem influenciar na escolha de um livro antes da compra, a capa é uma das mais citadas pelos entrevistados, em especial entre as crianças

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

O álbum traz ainda Berimbau, de Vinicius e Baden Powell, que ainda nem era chamado de afro-samba. Outro exemplo: a faixa Nanã (Coisa Nº 5), que estaria no clássico disco Coisas, de Moacir Santos, lançado em 1965.

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Pelos temas, pelas múltiplas estéticas e pela interpretação, o disco se faz a partir de diferentes, pessoais e fascinantes olhares