×
ContextoExato
Responsive image

Estudo da OIT mostra salto no número de trabalhadores migrantes no mundo

Estudo da OIT mostra salto no número de trabalhadores migrantes no mundoFoto:

Trabalhadores da construção civil atuam em projeto de expansão do Canal do Panamá.

Da Assessoria De Imprensa / Da Onu - Br / Foto: Banco Mundial / Onu - Br - 12/12/2018 - 10:21:16

Um novo estudo divulgado na quarta-feira (5) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostrou que o número de trabalhadores migrantes saltou na casa de milhões, deixando alguns países sem “a parte mais produtiva de sua força de trabalho”.

De acordo com a segunda edição do relatório “Estimativas Globais sobre Trabalhadores Migrantes Internacionais” https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/—dgreports/—dcomm/—publ/documents/publication/wcms_652029.pdf, aproximadamente 164 milhões de pessoas deixaram suas casas em busca de emprego entre 2013 e 2017 – um aumento de 9% desde 2013, quando o número era de 150 milhões.

Desse total, 96 milhões são homens, um aumento de 2%, enquanto 68 milhões são mulheres, uma queda de 2% na comparação 2013.

“Embora números crescentes de mulheres estejam migrando autonomamente em busca de emprego nas últimas duas décadas, a discriminação que frequentemente sofrem por conta de gênero e nacionalidade reduz as oportunidades de emprego nos países de destino, em comparação aos homens”, disse Manuela Tomei, diretora do departamento de Condições de Trabalho e Igualdade, na OTI.

Quase 87% dos trabalhadores migrantes têm entre 25 e 64 anos, o que sugere que alguns países de origem estão perdendo o segmento mais produtivo de sua força de trabalho. Este fator pode afetar negativamente o crescimento econômico destes países.

Uma amostra de trabalhadores migrantes mostra que 23% estão na América do Norte; 23,9% no norte, sul e oeste da Europa; e 13,9% em países árabes.

Outras regiões que hospedam mais de 5% de trabalhadores migrantes incluem leste da Europa, África subsaariana, sudeste da Ásia e o Pacífico, e Ásia central e ocidental. Em comparação, o norte da África hospeda menos de 1%.

Os autores também destacam a importância de coletar dados estatísticos mais abrangentes sobre migração em todos os níveis. A OIT planeja produzir estimativas globais de trabalhadores migrantes internacionais regularmente para informar e contribuir para a implementação do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular.

Onde migrantes vivem?

Dos 164 milhões de migrantes em todo o mundo, aproximadamente:

· 11,2 milhões, ou 67,9%, vivem em países de renda alta.

· 30,5 milhões, ou 18,6%, vivem em países de renda média-alta.

16,6 milhões, ou 10,1%, vivem em países de renda média-baixa.

5,6 milhões, ou 3,4%, vivem em países de renda baixa.

Destacando que a migração trabalhista internacional é uma prioridade política crescente, Rafael Diez de Medina, diretor do Departamento de Estatística da OIT, afirmou:

“A 20ª Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho endossou recentemente diretrizes específicas sobre como medir melhor a migração trabalhista internacional em todo o mundo”.

“Estamos confiantes que, através disso, países irão produzir dados melhores, logo, haverá uma precisão cada vez maior em estimativas globais”, acrescentou.

Comentários para "Estudo da OIT mostra salto no número de trabalhadores migrantes no mundo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório