×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de maio de 2022

Excludente de ilicitude vai matar negros e negras primeiro, diz pai de Marielle

Excludente de ilicitude vai matar negros e negras primeiro, diz pai de MarielleFoto: Nara Lacerda

Violência de Estado e genocídio da população preta foram temas do Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos

Nara Lacerda Brasil De Fato | São Paulo - 01/12/2019 - 09:52:41

Às vésperas da semana em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos completará 71 anos, a Coalizão Negra por Direitos encerrou seu primeiro encontro internacional em São Paulo trazendo à tona os desafios das garantias dos direitos básicos para a população preta no Brasil e no mundo. Em uma das falas mais emocionantes, o pai da vereadora Marielle Franco, Antônio Francisco da Silva Neto, destacou o que significa o projeto de lei apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro que prevê o abrandamento de punições para agentes de segurança. “O excludente de ilicitude vai matar a nós, negros e negras, primeiro”, afirmou.

Francisco, do Instituto Marielle Franco, no Rio de Janeiro, classificou como um risco para a população preta o PL que tramita no Congresso para que agentes de segurança não sejam punidos e responsabilizados criminalmente por excessos durante a atuação, inclusive em casos de assassinatos.


Durante sua fala, ele afirmou também que os avanços em políticas públicas e nas condições de vida nas últimas décadas são insuficientes para sanar os problemas enfrentados pela população negra. “Existem direitos humanos no Brasil? Não. Se existissem, não estaríamos debatendo o assunto aqui.”

Francisco ressaltou que a família da vereadora é contra a federalização das investigações do assassinato de Marielle, ocorrido março de 2018 e até hoje não esclarecido, por temor de que o governo federal de Jair Bolsonaro tenha controle sobre as apurações.

Resistência

As falas de Francisco foram feitas durante a mesa que abriu a programação do último dia do Encontro Internacional da Coalizão Negra por Direitos, “Resistência à violência do Estado e ao genocídio negro: extermínio, encarceramento, pacote Moro ”.

Além dele, também participaram do debate Debora Maria, do movimento Mães de Maio, de São Paulo; Giselle Florentino, do projeto Direito à Memória e Justiça Racial, do Rio; Katiara Oliveira, da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, de São Paulo; Railda Silva, da Associação de Amigos e Familiares de Presos (Amparar), de São Paulo; Rute Fiuza, do Coletivo de Mães e Familiares de Vítimas do Estado da Bahia; e Thenjiwe McHarris, do Blackbird, Movement for Black Lives, dos Estados Unidos.

As formas de resistência e organização seculares contra a violência racial e a necessidade de continuidade nesses processos foram norteadores das falas dos participantes da mesa. O grupo discutiu as possibilidades de combate e resistência, não só à violência física, mas às desigualdades econômicas e sociais que estimulam essa e outras formas de agressão ao povo preto.

Genocídio

Katiara Oliveira, da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, citou diversos casos recentes de morte e desaparecimento de jovens negros, principalmente na cidade de São Paulo, e ressaltou a importância de que a resistência seja feita nos territórios em que vive a população preta. “O Estado genocida é criativo e chama de segurança pública o que, na verdade, é necropolítica ”, declarou.

Ela destacou que a resistência é tarefa urgente. “O poder popular vai acabar com o genocídio neste país e serão tantas Marielles que não vai ter bala que vai dar conta.”

Milícias e branquitude

O crescimento das milícias como sistema de controle social, não só no Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil, também foi tema da mesa. Giselle Florentino, do projeto Direito à Memória e Justiça Racial, ressaltou que esses grupos estão à frente e lucram com a prestação de serviços essenciais nas comunidades. Ela destacou que o debate sobre segurança pública não pode mais ser pautado pela branquitude. “A milícia é o que o Estado oferece para o povo preto. Estamos falando de articulação de poder e do Estado como máquina de violação dos corpos pretos. Não seremos inseridos porque o racismo alavanca o capitalismo”, analisou.

Para garantir a efetividade das discussões e ações de combate à violência e ao genocídio da população preta, o grupo tratou sobre a necessidade de ocupação de espaços de decisão, ainda majoritariamente brancos. Débora Maria, do movimento Mães de Maio, foi taxativa quanto ao tema. “Não aceitamos mais ser estudados”, afirmou, no sentido de que a população negra não deve ser objeto de estudos, mas sujeito e protagonista na elaboração do debate.

Débora acrescentou ainda que é preciso combater o racismo no sistema judiciário e buscar intervenções nas instâncias governamentais federais, estaduais e municipais. “Nós não somos números, nós somos realidade”, declarou.

O 1º Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos foi realizado na Ocupação Nove de Julho, umas das mais emblemáticas da cidade de São Paulo. Encravada na região central da cidade, a ocupação abriga mais de 120 famílias e se tornou símbolo da luta pela moradia. A Coalizão reúne mais de 100 organizações para articulação e incidência política no Congresso Nacional e em fóruns internacionais.

Edição: Aline Scátola

Comentários para "Excludente de ilicitude vai matar negros e negras primeiro, diz pai de Marielle":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Diante das diversas motivações que podem influenciar na escolha de um livro antes da compra, a capa é uma das mais citadas pelos entrevistados, em especial entre as crianças

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

O álbum traz ainda Berimbau, de Vinicius e Baden Powell, que ainda nem era chamado de afro-samba. Outro exemplo: a faixa Nanã (Coisa Nº 5), que estaria no clássico disco Coisas, de Moacir Santos, lançado em 1965.

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Pelos temas, pelas múltiplas estéticas e pela interpretação, o disco se faz a partir de diferentes, pessoais e fascinantes olhares