×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Federações esportivas têm democracia 'frágil' e pouca transparência no Brasil

Federações esportivas têm democracia 'frágil' e pouca transparência no BrasilFoto:

Esse é o resultado de pesquisa realizada pela entidade dinamarquesa Play the Game.

Estadão Conteúdo /foto: Lucas Figueiredo/cbf - 17/11/2018 - 09:09:24

As federações esportivas brasileiras são pouco transparentes, têm processos eleitorais frágeis, baixo controle de suas contas e falta de estratégia no que se refere a aspectos sociais. Esse é o resultado de pesquisa realizada pela entidade dinamarquesa Play the Game sobre o esporte brasileiro.

A entidade é ligada ao Instituto Dinamarquês para o Estudo do Esporte. A gestão do esporte no País seria mais opaca do que em Montenegro e Romênia e muito distante dos níveis de Holanda, Noruega ou Dinamarca.

O grupo avaliou uma amostra de seis das 56 federações esportivas nacionais: a Confederação Brasileira de Atletismo, Confederação Brasileira de Handebol, Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, Confederação Brasileira de Tênis, Confederação Brasileira de Triatlon e a Confederação Brasileira de Vela. A CBF foi convidada a participar do estudo, mas se recusou.

Numa pontuação de zero a cem, as federações nacionais ficaram com apenas 32%, índice considerado “fraco”. Os melhores resultados vieram de áreas em que existem algum tipo de regulamentação estatal, como a exigência de participação de atletas, limites de mandatos e cortes. “Entretanto, ainda é uma baixa taxa de adoção de práticas de boa governança em assuntos que não estão na legislação brasileira e dependem de atos voluntários”, diz o estudo.

No que se refere à transparência, a pontuação das seis entidades avaliadas não passou de 36%. Poucas publicam documentos que mostram suas regulações internas e nenhuma delas torna público as atas de reuniões. Também não publicam estratégias para reduzir risco de conflito de interesse, salários e controle de riscos.

A democracia é qualificada como “fraca” nessas entidades, com pontuação de 33%. Ainda que os processos eleitorais sejam bem definidos, apenas 16% delas têm regras que exigem que os conselhos internos se reúnam pelo menos cinco vezes ao ano e procedimentos para garantir uma paridade entre homens e mulheres como funcionários. No que se refere ao controle de contas e de comportamento ético, a pontuação foi de 40%. Se existe preocupação em aprovar as contas, não há interesse em revelar como foram os processos decisórios.

OUTRO LADO

A CBF não explicou o motivo pelo qual não aceitou participar da pesquisa e indicou que “é referência na implantação do programa de compliance”. Diz que há dois anos iniciou, com a consultoria Ernst & Young, trabalho para “atingir um nível ideal de governança a partir de seus programas de governança e conformidade”.

A confederação de vela indicou que “em matéria de transparência e governança, houve um avanço visível nos últimos anos, não apenas da CBVela como das confederações de esportes olímpicos em geral”.

A confederação de handebol informou, quarta-feira, não ter recebido oficialmente o estudo, do qual tomou conhecimento por meio da imprensa. “Tendo em vista ser um vasto material, com 264 páginas, não houve tempo hábil para qualquer posicionamento quanto às informações nele mencionadas.” No Atletismo, após solicitar o estudo, a entidade não mais respondeu.

Comentários para "Federações esportivas têm democracia 'frágil' e pouca transparência no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Coletivos esportivos LGBT+ avançam contra o preconceito com acolhimento e orgulho

Coletivos esportivos LGBT+ avançam contra o preconceito com acolhimento e orgulho

São grupos que unem a diversidade sexual e o acesso ao esporte.

Fifa e FIFPro anunciam parceria para combater discurso de ódio nas redes sociais

Fifa e FIFPro anunciam parceria para combater discurso de ódio nas redes sociais

As organizações vão desenvolver um suporte educacional e conselhos de saúde mental para todos os jogadores participantes dos torneios Fifa durante 2022 e 2023.

Medalhas de Rebeca Andrade impulsionam diferentes gerações de ginastas no Brasil

Medalhas de Rebeca Andrade impulsionam diferentes gerações de ginastas no Brasil

A avaliação é da professora Adriana Alves, coordenadora da ginástica artística feminina da Confederação Brasileira de Ginástica

Em Portugal, Brasil faz campanha histórica no Mundial de natação paralímpica

Em Portugal, Brasil faz campanha histórica no Mundial de natação paralímpica

Delegação brasileira ficou na terceira posição geral com 53 medalhas

Miami se torna sede da Copa do Mundo de 2026. Mundial acontecerá nos EUA, no Canadá e no México

Miami se torna sede da Copa do Mundo de 2026. Mundial acontecerá nos EUA, no Canadá e no México

Esta será a segunda vez que uma cidade da Flórida sediará a Copa do Mundo. A primeira foi em 1994, quando Orlando sediou várias partidas da primeira fase e alguns jogos das oitavas de final.

Tetraplégicos trocam dedos pela boca e mostram que também têm espaço nos eSports

Tetraplégicos trocam dedos pela boca e mostram que também têm espaço nos eSports

O professor Li Li Min, titular do Departamento de Neurologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), explica que o hábito de jogar provoca ganhos em processos de reabilitação de pessoas com tetraplegia

Conmebol condena expressões racistas da Fifa e questiona mudanças

Conmebol condena expressões racistas da Fifa e questiona mudanças

O segundo ponto de protesto na carta da Conmebol enviada à Fifa é a regulamentação das cinco modificações nos jogos sem uma consulta à entidade.

US Open vai permitir tenistas de Rússia e Belarus competindo sob bandeira neutra

US Open vai permitir tenistas de Rússia e Belarus competindo sob bandeira neutra

A postura da USTA se alinha à ATP e à WTA, que não impediram tenistas de nenhuma nacionalidade no circuito. Apenas vetaram o uso das bandeiras da Rússia e de Belarus por parte dos atletas, o mesmo que fará o US Open neste a

Caio Souza ganha três medalhas em Copa do Mundo na Croácia

Caio Souza ganha três medalhas em Copa do Mundo na Croácia

Brasileiro conquistou duas pratas e um bronze

Fim de semana tem pódio histórico para o Brasil na ginástica rítmica

Fim de semana tem pódio histórico para o Brasil na ginástica rítmica

País também conquista medalhas na canoagem slalom e no vôlei de praia

Diego Hypólito inaugura instituto que ensina ginástica a crianças carentes no Rio

Diego Hypólito inaugura instituto que ensina ginástica a crianças carentes no Rio

Toda a família do ginasta compareceu à cerimônia. A irmã, Daniele Hypólito, fez uma apresentação que inaugurou, na prática, os aparelhos. A iniciativa conta com o apoio da Prefeitura do Rio e do banco BV.