×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de outubro de 2021

Felicidade ao ar livre em Brasília

Felicidade ao ar livre em BrasíliaFoto: Correio Braziliense

Brasília é privilegiada em espaços abertos, que propiciam aos moradores a possibilidade de se exercitarem ou simplesmente relaxar

Por Pedro Canguçu* E Renata Nagashima*- Correio Braziliense - 26/05/2019 - 10:52:47

Sofia Oliveira

Julia Leite e Mateus Gomes  (Minervino Júnior/CB/DA.Press)
Julia Leite e Mateus Gomes

Dulce Medeiros  (Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Dulce Medeiros

Seja à beira do Lago Paranoá, seja em parques, quem gosta de curtir programações ao ar livre e aproveitar o sol em Brasília tem diferentes opções à disposição. O tempo fresco da estação torna os dias ainda mais agradáveis para a prática de atividades e momentos de lazer em espaços abertos.


A falta de tempo, a distância e a correria do dia a dia são fatores que podem limitar a frequência com que os brasilienses visitem esses espaços. Mas esse não é o caso de Antônio Rodrigues, 71 anos, que mora há aproximadamente 28km de distância do Parque da Cidade Sarah Kubitschek e não deixa de frequentar o local diariamente.


“Sabe quando a gente se apega ao local?” Essa é a relação do aposentado com o Parque da Cidade. Desde 1978, Antônio utiliza o espaço para fazer exercícios físicos. Todos os dias, ele faz o trajeto entre Samambaia e o Plano Piloto. “Venho de ônibus, e gasto em torno de uma hora para chegar aqui, mas é gratificante”, ressalta.


Atleta de meia maratona, ele chega ao parque às 15h e fica até as 19h. A rotina de exercício se resume em duas horas de corrida e 4km de caminhada, além de usar a academia comunitária. “Eu utilizo o espaço para treinar. Como participo de algumas corridas, o local é uma ótima opção para me preparar”, destaca.


Nem o calor provocado pelo sol desanima o aposentado. “Eu amo o sol. A gente fica mais à vontade, tem mais disposição para fazer os exercícios.” Apesar de não usar protetor solar, Antônio garante que nunca teve insolação. “Não uso nada disso. São muitos anos, a pele já está acostumada.”


A poucos metros do quiosque do atleta, os estudantes Mateus Gomes, 18, e Júlia Leite, 19, aproveitam o sol da capital para praticar vôlei de praia. “Apesar de Brasília não ter praia, usamos o parque para praticar a modalidade”. Há três anos no esporte, Júlia encontrou um meio para desestressar das atividades do dia a dia. “É muito difícil conciliar a faculdade com a vida de atleta, então vir para cá é gratificante, pois consigo relaxar”, conta. Além do parque, Júlia gosta de frequentar o clube e a Ermida Dom Bosco.


Apesar de treinar há apenas um mês, Mateus está decidido e quer seguir profissionalmente com o vôlei. “O esporte faz parte de mim, e treinar no parque é prazeroso. Nem o sol de Brasília nos atrapalha”, afirma. Morador de Arniqueiras, o estudante ainda frequenta o Parque Ecológico de Águas Claras para fazer exercícios.


Qualidade de vida


O professor da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (UnB) Raimundo Tadeu Martins destaca a importância de fazer atividades nos espaços públicos e ao ar livre. “Além da qualidade de vida, o indivíduo consegue aproveitar mais o ambiente, o oxigênio circula melhor, fora o contato com a natureza. O exercício é um remédio”, ressalta.


Martins destaca, ainda, que é fundamental a presença de um profissional para a execução das atividades. “Muitas pessoas fazem exercícios de maneira errada, sem orientação e acabam se machucando. Então, é fundamental a pessoa procurar um profissional da área”, destaca.


O especialista ressalta que aproveitar espaços públicos desenvolve a mente das crianças. “É importante que a criança tenha oportunidade de sair de casa e brincar nos parques e quadras. A criança precisa explorar o que tem ao redor, e sair mais dos aparelhos eletrônicos.”


Para evitar problemas futuros, o especialista recomenda o uso de roupas leves, não fazer exercícios entre 11h e 15h, usar filtro solar, boné, beber bastante água e procurar orientação de um profissional.


Todo sábado, a assistente social Dulce Medeiros, 54 anos, reserva um espaço na agenda para ir ao Parque Olhos D’Água, na Asa Norte. Apreciar a natureza, tomar água de coco, praticar ioga e se bronzear estão entre as atividades que desenvolve no local. “O parque oferece uma diversidade de atrações. As mães passeiam com os filhos, outras estendem um pano no chão e brincam com os bebês, então, há muitas possibilidades de aproveitar o parque.”


Para Dulce, não há tempo ruim para fazer os exercícios. Mesmo com chuva, ela vai ao parque para correr. “Venho do mesmo jeito, o importante é não ficar parado”, diz. Fora o parque, Dulce pedala no Eixão e frequenta alguns clubes da cidade.


Vinicius Nunes  e Nathalia da Rosa Lima  (Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Vinicius Nunes e Nathalia da Rosa Lima

Antônio Rodrigues  (Minervino Júnior/CB/DA.Press)
Antônio Rodrigues

Criatividade


Brincar ao ar livre e ter contato com a natureza estimulam a criatividade. A partir de galhos, brinquedos são criados e reinventados. A folha que vira um barquinho e a caixa de papelão, escorregador no morrinho. Levar a filha para brincar no parque é indispensável para José Antônio Oliveira de Freitas, 40 anos.


Ao menos uma vez por semana, o professor universitário, que mora em frente ao Parque

Olhos D’Água, busca levar a filha Sofia Oliveira, 4 anos, para brincar ao ar livre com as amiguinhas do prédio. “É importante para que elas sejam crianças de verdade. Possam correr, brincar, interagir com a natureza. Estão muito no celular e na tevê o tempo inteiro, então, esse tipo de atividade é importante até como exercício físico. Por mais que seja só uma brincadeira, elas estão se exercitando, correndo”, justifica.


Morar em frente à natureza é reviver a infância para José Antônio, que cresceu em um sítio, brincando ao ar. Além de aliviar o estresse do dia a dia durante as caminhadas, a satisfação do professor está em ver o sorriso da filha, enquanto brinca de escorregar em um pequeno morro em cima de caixas de papelão com as colegas. “Meu prazer de vir aqui é poder ver a alegria dela, pulando e sorrindo com essa interação com outras crianças.”


Os amigos Nathália da Rosa Lima, 17, e Vinícius Barros Nunes, 16, não só praticam atividades de lazer ao ar livre, mas vão ao parque para estudar também. “O clima é melhor, o trabalho rende mais porque nos distraímos menos com celular ou com a televisão. Hoje em dia, ficamos muito tensos, o tempo todo na internet, não paramos para nada. Então, é bom para relaxar”, afirma a estudante, que mora próximo ao Parque Olhos D’Água e cresceu brincando no local.


Vinícius mora em Sobradinho, mas, como estuda próximo à reserva, é um frequentador assíduo do parque. “Venho estudar, fazer piquenique e tomar um pouco sol. Quando estamos sobrecarregados com a escola, a gente vem aqui relaxar. Amo ter esse espaço. O clima na cidade é muito seco, quente. Aqui, com a natureza, é mais fresco, o ar é melhor”, conta o estudante, que afirma sentir falta de contato com a natureza.


* Estagiários sob supervisão de Igor Silveira




Comentários para "Felicidade ao ar livre em Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ministro da Justiça pede que PF investigue revista IstoÉ por capa com crítica a Bolsonaro

Ministro da Justiça pede que PF investigue revista IstoÉ por capa com crítica a Bolsonaro

Nesta semana, a AGU (Advocacia-Geral da União) enviou uma notificação extrajudicial à revista IstoÉ com pedido de resposta após a publicação da reportagem

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

A tarifa residencial no DF, que ocupava o 51º lugar do ranking nacional sendo uma das mais baixas do país, passa a ocupar a 36º posição.

DF antecipa aplicação de vacinas da Pfizer e da AstraZeneca

DF antecipa aplicação de vacinas da Pfizer e da AstraZeneca

A segunda dose das vacinas AstraZeneca e Pfizer-BioNTech já pode ser administrada, a partir desta sexta-feira, em quem já tomou a primeira dose há oito semanas

Pacientes que não tomaram a vacina são maioria nos hospitais de campanha do DF

Pacientes que não tomaram a vacina são maioria nos hospitais de campanha do DF

Imunizante está disponível para toda a população a partir de 12 anos de idade, em diversos pontos da capital

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Presente à cerimônia de lançamento, o vice-governador Paco Britto assegurou que o Centelha será um programa-modelo no DF

Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Deputados distritais fazem manifestação pela instalação da CPI da Pandemia no DF

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Em defesa do espaço cultural, foi aprovada uma vigília cultural de 24 horas para a próxima sexta-feira (22)

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

São Sebastião e Sobradinho debatem neste sábado o Plano de Ordenamento Territorial

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Dignidade menstrual é permitir que as meninas mais pobres também possam ter o mesmo acesso ao absorvente higiênico que as meninas da classe média e alta

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Ato simbólico de entrega no Centro Educa Mais Dorilene Silva Castro

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Já são mais de 116 milhões de pessoas em situação insegurança alimentar.