×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

Fernando Sigal. "O consumidor está mais consciente"

Fernando Sigal. Foto: Correio Braziliense

"Nunca tivemos os olhos voltados para a Ásia, mesmo sabendo que teríamos um fornecimento mais barato"

Paula Pacheco-correio Braziliense - 16/12/2019 - 12:19:03

Para o empresário, o grupo, hoje com cinco marcas e previsão de faturamento de R$ 400 milhões, se posiciona como alternativa para um público voltado ao capitalismo conscient.

O grupo de moda Reserva nasceu em 2004 e segue se multiplicando em novos negócios. Fundada pelos amigos Fernando Sigal e Rony Meisler há 15 anos, a marca já rendeu inúmeros filhotes. O negócio mais recente, no segmento de calçados, foi lançado há menos de um mês, no Shopping Rio Sul (Zona Sul do Rio). A Reserva Go, braço da Reserva, é a nova marca de calçados e se soma a outros quatro ramos do grupo. Ações de sustentabilidade foram incluídas no empreendimento, acompanhadas de inovações tecnológicas.A primeira loja da Reserva Go permite que o cliente, por meio de uma tela touch, customize um dos modelos da marca, trocando cores e outros acessórios, num total de 4.500 combinações possíveis. O produto chega na casa do cliente, segundo a empresa, em até 21 dias. Quem levar um tênis antigo ganha desconto. A tecnologia também tem sido importante no grupo para monitorar de perto as medidas dos clientes. Com o uso de ferramentas de inteligência artificial (IA), hoje é possível entender se uma modelagem de camisa não está funcionando bem e alterá-la a partir de informações de vendedores e consumidores. Em 15 anos, o grupo conseguiu chegar a 100 lojas próprias e 22 franquias, além da presença em cerca de 1,5 mil lojas multimarcas. Ao todo, são quase 2 mil funcionários. Neste ano, conta Fernando Sigal, diretor de Produtos da Reserva, a previsão é chegar a um faturamento de R$ 400 milhões. A seguir, trechos da entrevista com o fundador da marca carioca.


A marca foi fundada em 2004, quando a economia

brasileira tinha outra cara. Atualmente, o que mudou

em termos de produto e de público consumidor?

O crescimento da marca foi muito orgânico. O negócio surgiu do sonho de dois amigos, que por sua vez começaram a vender para os amigos, que eram formadores de opinião. A empresa cresceu conforme o Brasil também avançou. A Reserva conseguiu ter uma capilaridade nacional e se posiciona como alternativa para um público consciente. Tudo isso faz com que muitas pessoas, de diversos nichos, se conectem com a Reserva. O grande ponto da marca é essa consciência. Temos mais do que um cliente, temos um fã, um amigo, tanto pelo atendimento como pela preocupação em encantar.


Por que a marca abraçou a proposta do capitalismo consciente?

Rony e eu somos amigos desde os 2 anos de idade. Em casa e na escola, fomos educados para devolver ao mundo o que ele nos dá, por isso sempre tratamos a Reserva como mais do que um negócio. Claro que muita coisa teve de ser mudada ao longo do tempo, mas conseguimos crescer com esse propósito. Hoje, por exemplo, 95% da produção é feita no Brasil. Nunca tivemos os olhos voltados para a Ásia, mesmo sabendo que teríamos um fornecimento mais barato. O Brasil dá tanto para a gente, como não devolver para o Brasil? É uma questão ideológica. Atualmente, o que vem da China são os casacos de inverno, mas até o algodão do Peru é trazido para ser tecido no Brasil. Tem coisas que acontecem na Reserva que ninguém fica sabendo, são da essência.


A marca acabou se transformando em um grupo com outros negócios
(com Reserva Mini, Ahlma, Oficina,
Eva e Reserva Go). A partir de
quando vocês identificaram
a necessidade de ampliar a

atuação em novos segmentos?

A Reserva é um laboratório, que é mutante, cresce, amadure e evolui. No caso dos calçados, vimos que havia uma demanda muito mal atendida no Brasil, por isso temos uma crença grande nesse mercado. O calçado masculino tem muito pouca referência, poucas marcas focadas no negócio. Isso já é uma oportunidade a partir do momento em que existem poucos players.


Até que ponto a tecnologia ajuda no dia a dia da empresa? uais são os
ganhos que vocês têm hoje que não eram
possíveis no começo?

A tecnologia é essencial hoje. Conseguimos chegar em lugares que só a tecnologia permite, seja por meio do site, do omnichannel ou com a nossa loja de Belém, que vende os mesmos produtos das lojas do Rio ou de São Paulo. O mais importante é que a tecnologia nos ajuda a tomar decisões melhores. Na Oficina, por exemplo, usamos um algoritmo de medidas para entender como evoluir as modelagens. Adotamos inteligência artificial e um sistema de nuvem para entender onde precisamos focar. A mineração de dados entra aí. Internamente, temos uma área que busca tecidos tecnológicos adaptados à anatomia do cliente. Agora, com base em feedbacks de clientes e vendedores, conseguimos a cada coleção melhorar as modelagens e entregar um produto melhor.


Como funciona o projeto dos tecidos?

A partir de estudos para camisaria, por exemplo, podemos produzir camisas para a pessoa usar em uma viagem, com tecnologia antiodor ou mesmo com impermeabilização para evitar manchas causadas por líquidos.


É só tecnologia ou o cliente tem participação nesses processos?

Uma vez por semana, um cliente é convidado para um café e, olho no olho, nos diz o que pensa e isso nos ajuda a entender mais sobre a marca. Não acredito só em tecnologia ou só nesse contato, mas na junção dos dois. Somamos a isso o que nos dizem os vendedores. Por exemplo, o que as pessoas têm falado sobre o tamanho de um bolso que não permite que uma carteira fique bem.


Não é incomum ver no comércio popular produtos pirateados
com a marca Reserva. Até que ponto esse é um problema?

A pirataria faz parte do mercado brasileiro. Como todas as marcas, conseguimos nos diferenciar garantindo que os produtos tenham qualidade e pensando sempre acima do que a pirata entregaria como benefícios. Também temos ações mais pragmáticas para diminuir a pirataria, como o encaminhamento de denúncias para as autoridades.


A crise tornou mais difícil vender moda no Brasil?

Como contornar o problema da renda e do desemprego?

Temos uma inteligência interna que nos permite colocar o mix certo em cada loja. Ele é pensado para atender a diferentes tipos de clientes. Seria uma mentira falar que não sentimos os efeitos do desemprego e da economia mais fraca, mas agora vemos que ela está acelerando cada vez mais.


Como está o processo de internacionalização dos negócios?

Isso é estudado. Somos ágeis para tomar decisões, depois de virar a chave é tudo muito rápido, mas agora não há uma previsão sobre quando a internacionalização deve acontecer. Mas a ida para outros países é uma das estratégias que discutimos. Temos muitas coisas sobre a mesa sendo avaliadas como oportunidade, mas não existe nada de concreto que eu possa falar.


Como o grupo tem financiado a expansão?

Em determinado momento, um fundo de investimentos passou a fazer parte da empresa, há cinco anos, mas temos condições de nos financiar, somos geradores de caixa.


Enquanto há empresas de moda com propostas ligadas à responsabilidade socioambiental,
como
a Reserva, no Brasil e no exterior, há casos de companhias do setor envolvidas
com trabalho análogo à
escravidão, remuneração baixa e falta de reocupação
com o uso de recursos naturais. Até quando
esse cenário vai perdurar?

Há economias mais evoluídas quanto à sua consciência e outras que estão bem abaixo do razoável. Mas o importante é que a nova geração é muito mais consciente do que as anteriores. Esse comportamento que nós e outras empresas adotamos é parte integrante do que ela quer consumir. O mercado como um todo está em transformação. A criação da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvetex) faz parte dessas mudanças. Cada vez mais as marcas de moda vão compreender que o mercado consumidor está mais consciente ambiental e socialmente.

Comentários para "Fernando Sigal. "O consumidor está mais consciente"":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Viagens de crianças e adolescentes: Confira cuidados que devem ser tomados

Viagens de crianças e adolescentes: Confira cuidados que devem ser tomados

Autorização de viagem

Noiva que adiou o casamento por falha na entrega de vestido deve ser indenizada

Noiva que adiou o casamento por falha na entrega de vestido deve ser indenizada

A decisão foi unânime.

Covid-19: TJDFT confirma que paciente com risco de trombose tem direito à vacina específica

Covid-19: TJDFT confirma que paciente com risco de trombose tem direito à vacina específica

A autora de 44 anos apresentou relatório médico que comprova trombofilia hereditária, causada por mutação genética que aumenta de duas a seis vezes o risco de doença vascular arterial e em até quatro vezes o risco de trombose venosa

Passageira que fraturou coluna após queda em ônibus deve ser indenizada

Passageira que fraturou coluna após queda em ônibus deve ser indenizada

A decisão foi unânime.

Cirurgias reparadoras em transexuais devem obedecer ordem de prioridade do SUS

Cirurgias reparadoras em transexuais devem obedecer ordem de prioridade do SUS

Conheça os termos da Portaria 2803/13, do Ministério da Saúde.

Conselho mantém lei que altera contribuição previdenciária de servidores e pensionistas do DF

Conselho mantém lei que altera contribuição previdenciária de servidores e pensionistas do DF

A decisão foi unânime.

Ex-cônjuge que não recebe pensão alimentícia não tem direito a ser incluída em plano de saúde

Ex-cônjuge que não recebe pensão alimentícia não tem direito a ser incluída em plano de saúde

Processo em segredo de justiça.

Distrito Federal deverá custear exame genético para tratamento neurológico em criança

Distrito Federal deverá custear exame genético para tratamento neurológico em criança

Cabe recurso da decisão.

Invasão de perfil em rede social gera dever de indenizar

Invasão de perfil em rede social gera dever de indenizar

Dono de perfil hackeado no Instagram deverá ser indenizado após empresa agir com desídia (negligência) ao não permitir exclusão de contas falsas vinculadas. A decisão é do juiz titular do 2º Juizado Especial Cível de Brasília.

Procon orienta sobre compras na Black Friday

Procon orienta sobre compras na Black Friday

Informações sobre loja ou empresa é fundamental

SLU suspende edital para cooperativas de recicláveis por sugestão do MPDFT e MPC/DF

SLU suspende edital para cooperativas de recicláveis por sugestão do MPDFT e MPC/DF

Representação recebida pela Prodema alegava que o chamamento público estaria direcionado para excluir integrantes da Central de Cooperativas de Materiais Recicláveis do DF