×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de agosto de 2022

Fim da licença-prêmio proposta pelo governo de Brasília divide os distritais

Fim da licença-prêmio proposta pelo governo de Brasília divide os distritais

Foto: Correio Braziliense

Os governos de Rodrigo Rollemberg e José Roberto Arruda também tentaram acabar com a licença de três meses garantida aos servidores públicos a cada cinco anos de trabalho efetivo: resistência

Por Alexandre De Paula E Ana Viriato-correio Braziliense - 08/06/2019 - 08:03:01

Proposta do Executivo local para acabar com o benefício sofre resistência de parte dos parlamentares. Dezesseis dos 24 deputados, segundo levantamento do jornal Correio Braziliense, aguardam detalhes sobre o projeto a ser apreciado na Câmara Legislativa.

O GDF precisará de planejamento e articulação para aprovar na Câmara Legislativa a proposta que põe fim às licenças-prêmio para funcionários da capital. Tema polêmico e de repercussão entre servidores públicos — base eleitoral de vários parlamentares da Casa —, a mudança não conta com apoio imediato dos distritais. Ao Correio, 16 dos 24 deputados declararam não ter posição fechada sobre a iniciativa. Eles aguardam a chegada de mais detalhes sobre a proposição para se decidir.


Um dos argumentos do Executivo local para acabar com a licença é de que o corte traria economia para os cofres do DF, que enfrenta dificuldades financeiras. Além disso, somente o Distrito Federal e o Acre contam com esse tipo de benefício atualmente. Na capital do país, os servidores têm direito, a cada cinco anos de trabalho efetivo, de se afastar, com remuneração garantida, por três meses. Caso a pausa não seja tirada durante o período de atividade, os valores são convertidos em pecúnia, paga após a aposentadoria.


O projeto do GDF prevê a conversão da licença-prêmio em licença-capacitação, como ocorre em âmbito federal. Nesse caso, o profissional teria direito a deixar temporariamente o trabalho para realizar cursos. Com isso, a pecúnia seria extinta. No ano passado, foram empenhados R$ 147 milhões para licença-prêmio. Estima-se que a dívida atual do GDF com o benefício seja de R$ 500 milhões. Para sanar as pendências, será elaborado um programa de parcelamento dos débitos referentes a 2017 e 2018.


Não é a primeira vez que um projeto que propõe a extinção da licença-prêmio chega à Câmara Legislativa. Os ex-governadores Rodrigo Rollemberg (PSB) e José Roberto Arruda (PR) tentaram promover a mudança, mas a resistência dos servidores barrou a alteração. No caso de Arruda, nem mesmo base numerosa e fiel garantiu resultado positivo.

Em meio à polêmica, o governador Ibaneis Rocha (MDB) disse não ter medo do ônus da proposta. “Estamos apenas nos ajustando à legislação federal e trazendo mais responsabilidade fiscal para o DF. O nosso plano é arrumar os problemas da cidade. Não tenho preocupação com a próxima eleição. Tenho preocupação com o que vai acontecer na vida da população”, argumentou.


Debate


A aposta entre os parlamentares é de que, desta vez, não será diferente. Entre a posição do governo e a reclamação dos servidores, a discussão deve gerar tensão e embates na Casa. Apesar de não ter uma definição, Hermeto (MDB) defende que a proposta seja construída de maneira que não prejudique o funcionalismo. “Sou da base, vou dialogar e analisar o projeto, mas tenho de pensar isso como servidor público que sou. De fato, o país está atravessando um momento crítico, mas o servidor público sempre é penalizado. Temos de levar isso em conta”, avaliou.


Alguns distritais avaliam que a responsabilidade pelo alto valor da conta é do GDF. “Muitos servidores não gozam do benefício antes da aposentadoria porque o Estado não permite. Os professores, por exemplo, não o fazem, pois não há substitutos. Uma possibilidade é emendar o projeto para que o governo seja obrigado a liberar os profissionais quando cumprido o prazo”, sugeriu Chico Vigilante (PT).


Na contramão dos indecisos, quatro deputados defendem abertamente a proposição — Cláudio Abrantes (PDT), líder do governo na Câmara Legislativa; Júlia Lucy (Novo); Reginaldo Sardinha (Avante); e Rodrigo Delmasso (PRB). Na visão da deputada do Novo, a mudança é importante para modernizar a legislação a respeito do tema na capital. “No ano passado, o DF desembolsou quase R$ 148 milhões com isso. Brasília é um dos únicos locais em que ainda existe a licença-prêmio”, alegou.


Direito


Cláudio Abrantes engrossou o coro. “Hoje, há pouca prática. O servidor não consegue retirar os dias a que tem direito, e o aposentado não recebe a pecúnia, porque o Estado está endividado. Quem tem o direito garantido não vai perdê-lo. A ideia é apenas alinhar os parâmetros para os servidores que entrarão no serviço público após a sanção da lei”, pontuou.

Iolando (PSC) e Jorge Vianna (Podemos) posicionaram-se contra os planos do governo. “É uma das poucas vantagens do servidor da capital em relação aos demais. O funcionalismo não pode mais ser penalizado”, disse Vianna, ex-presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate). Robério Negreiros (PSD) está de licença-médica, e o presidente da Casa, Rafael Prudente (MDB), não retornou os contatos da reportagem.




No detalhe


R$ 500

milhões

Dívida estimada do DF

com pecúnias



R$ 147

milhões

Valor empenhado

pelo GDF para

licença-prêmio em 2018



16

Deputados que não se definiram sobre a extinção

da licença-prêmio



89.662

Cargos efetivos do GDF ocupados atualmente



557

Servidores efetivos, em atividade, da Câmara Legislativa

"Estamos apenas nos ajustando à legislação federal e trazendo mais responsabilidade fiscal para o DF. O nosso plano é arrumar os problemas da cidade. Não tenho preocupação com a próxima eleição. Tenho preocupação com o que vai acontecer na vida da população"


Ibaneis Rocha (MDB),

governador



Comentários para "Fim da licença-prêmio proposta pelo governo de Brasília divide os distritais":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Quais são os principais riscos da automedicação?

Quais são os principais riscos da automedicação?

São Paulo e Portugal sediam concurso internacional de azeites extravirgens

São Paulo e Portugal sediam concurso internacional de azeites extravirgens

Mulheres ganham 24% menos no setor da saúde

Mulheres ganham 24% menos no setor da saúde

Inscrições abertas para a Semana Universitária de 2022

Inscrições abertas para a Semana Universitária de 2022

MPDFT vistoria administrações para verificar cumprimento de decisão judicial

MPDFT vistoria administrações para verificar cumprimento de decisão judicial

Operação Res Capta: MPF denuncia 27 pessoas por corrupção, associação criminosa e crimes ambientais

Operação Res Capta: MPF denuncia 27 pessoas por corrupção, associação criminosa e crimes ambientais

Ministro suspende novo decreto que reduziu IPI de produtos que concorrem com os produzidos na ZFM

Ministro suspende novo decreto que reduziu IPI de produtos que concorrem com os produzidos na ZFM

“O TSE não está só, porque a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral”, afirma Fachin

“O TSE não está só, porque a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral”, afirma Fachin

Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

60 anos da psicologia é marcada por manifestações em defesa da democracia

60 anos da psicologia é marcada por manifestações em defesa da democracia

Roubo de celular vira ‘porta de entrada’ para invasão a contas e cartões

Roubo de celular vira ‘porta de entrada’ para invasão a contas e cartões

Por que as eleições deste ano podem ser as mais atípicas já vistas no Brasil?

Por que as eleições deste ano podem ser as mais atípicas já vistas no Brasil?

“É mito que o álcool faz bem para a saúde”, diz médica da Opas

“É mito que o álcool faz bem para a saúde”, diz médica da Opas

TSE e Kwai estreiam Central das Eleições

TSE e Kwai estreiam Central das Eleições

Preso sob acusação de matar Marielle é condenado por tráfico de armas

Preso sob acusação de matar Marielle é condenado por tráfico de armas

UnB divulga nota à comunidade sobre a doença Monkeypox

UnB divulga nota à comunidade sobre a doença Monkeypox

Internautas cobram cassação do registro de Damares por fake news contra Lula

Internautas cobram cassação do registro de Damares por fake news contra Lula

Prazos processuais judiciais voltam a fluir no TJDFT

Prazos processuais judiciais voltam a fluir no TJDFT

MPDFT apresenta resultados da aplicação de medidas alternativas em 2021

MPDFT apresenta resultados da aplicação de medidas alternativas em 2021

Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos de R$ 2,5 bilhões neste ano

Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos de R$ 2,5 bilhões neste ano

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação