×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 19 de outubro de 2021

“Foi uma chuva de verão”, diz Jair Bolsonaro sobre briga com Rodrigo Maia

“Foi uma chuva de verão”, diz Jair Bolsonaro sobre briga com Rodrigo MaiaFoto: Michael Mello-Metrópoles

O presidente da República e o vice-presidente Hamilton Mourão receberam das Forças Armadas a comenda Grã-Cruz

Por Lázaro Carlos E Estênio Brasilino - 28/03/2019 - 12:21:37

Em evento na manhã desta quinta-feira (28/3), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o desentendimento com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi uma “chuva de verão”, mas agora “o céu está lindo”. Para ele, a crise entre os poderes Executivo e Legislativo é “página virada”.

“Tive um excelente diálogo com o Davi Alcolumbre (DEM-AP), agora, estou à disposição do Rodrigo Maia, como eu disse, o Brasil está acima de nós”, afirmou antes de deixar o local. Bolsonaro confirmou ainda que não há mais nenhum problema e finalizou: “vamos em frente”.

O presidente da República e o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) receberam das Forças Armadas, nesta quinta-feira (28), a medalha de maior reconhecimento ao mérito Judiciário Militar (OMJM), a comenda Grã-Cruz. Rodrigo Maia, também seria homenageado no evento, mas não compareceu, o que deixou um espaço em vão entre o presidente do Senado e Bolsonaro.

De acordo com a assessoria do Supremo Tribunal Militar, o presidente da Câmara foi convidado por três vezes consecutivas, mas não confirmou presença. Maia disse, ao justificar a ausência, que o cerimonial esqueceu de colocar o evento na agenda.

Segundo Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sergio Moro, se encontrou com Maia para uma conversa “saudável e amigável” e que ambos já se resolveram sobre as recentes discussões. “É assim a nossa vida, de vez em quando há alguns percalços, mas não podemos esquecer o que nós representamos”, completou.

Mais farpas
Essa quarta-feira (27) foi um dia em que mais combustível foi jogado na fogueira onde arde as relações entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. A tensão entre Legislativo e Executivo ficou intensa com as declarações de Maia e do presidente.

Bolsonaro está brincando de presidir o país ”, disse o parlamentar. “ É muita irresponsabilidade ”, reagiu o chefe do Executivo. Mais tarde, Maia ainda completou: “Faço um apelo ao presidente de que pare, chega”. Em jogo, nada mais, nada menos do que a reforma da Previdência.

As hostes palacianas acordaram ainda atordoadas com a rasteira que levaram dos deputados na noite de terça (26): o plenário da Câmara aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de 2015 que torna todo o Orçamento da União impositivo. Isso significa que a União teve a capacidade de gastos limitada pelos deputados federais e terá de executar obrigatoriamente as despesas aprovadas pelo Legislativo.

A medida aumenta a força do Congresso frente ao governo federal, foi aprovada em dois turnos na noite de terça e diminui o poder de barganha do Planalto, que tradicionalmente utiliza as emendas como moeda de troca no toma lá dá cá político.

O dia seguinte ao “by pass” da Câmara até que começou calmo. Nove dos 22 ministros de Bolsonaro foram convidados pelo Parlamento a expor seus projetos e metas — e mesmo os problemas de cada pasta — a deputados e senadores nesta quarta. Esperava-se que uma demonstração de respeito mútuo entre ambas as Casas jogaria um pouco de água na fervura. Mas, com o passar das horas, a animosidade foi tomando corpo.

Mais sobre o tema

Ao Congresso, foram os ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública); Onyx Lorenzoni (Casa Civil); Paulo Guedes (Economia); Ricardo Vélez Rodriguez (Educação); Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Ricardo Salles (Meio Ambiente); Bento Albuquerque (Minas e Energia), Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos); e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

No Senado, depois de se recusar a ir à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara na terça (26), por considerar que levaria “tiro nas costas” até do partido de Bolsonaro, o PSL, o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi falar sobre a reforma da Previdência.

Em uma sinalização de que pode abandonar o governo, caso sua agenda de prioridades não seja aprovada pelo presidente e pelos parlamentares, Guedes afirmou que “não vai brigar para ficar no cargo”. E os ânimos se exaltaram de fato quando ele criticou a aposentadoria dos senadores e iniciou um bate-boca com a senadora Kátia Abreu (PDT-TO).

Espetáculo de horror
Na Câmara, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, participou de audiência pública onde respondeu a críticas sobre a administração, apresentou propostas para o setor e falou sobre as recentes demissões na pasta, como a do presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Marcus Vinicius Rodrigues. Segundo o ministro, a exoneração ocorreu por que Rodrigues lhe “puxou o tapete”.

Mas o ministro não convenceu os deputados com seus argumentos. Marcelo Calero (Cidadania-RJ) reclamou das sucessivas crises que a pasta tem enfrentado nos três meses de gestão.

“O que assistimos hoje foi a um espetáculo de horror na Comissão de Educação. Um ministro totalmente despreparado, que não sabia responder objetivamente a nenhuma das perguntas que lhe foram dirigidas, falando sobre conceitos vagos e que trouxe uma apresentação que mais parecia de um aluno primário”, disse Calero. O parlamentar fez um apelo direto a Bolsonaro: “ Demita o ministro ”.

Na noite desta quarta, a jornalista Eliane Cantanhêde, da GloboNews, afirmou que o presidente Bolsonaro já havia decidido demitir Vélez Rodriguez. No Twitter, Bolsonaro garantiu que se trata de mais uma fake news ( veja abaixo ).

Twitter/Reprodução

TWITTER/REPRODUÇÃO


Críticas e cobranças
Também no Senado, onde foi debater o pacote anticrime do governo federal, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acabou sendo criticado e cobrado sobre a transferência de líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), como Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, para a Penitenciária Federal de Brasília.

Moro ainda disse aos senadores que prefere desistir da tramitação do pacote anticrime, apresentado à Câmara no início de fevereiro, caso ocorra uma tentativa, por parte do Congresso, de retirar do projeto os pontos que tratam do combate à corrupção. Semana passada, ao cobrar celeridade na tramitação das medidas no Congresso, Moro acabou se desentendendo com Rodrigo Maia: piorando a crise institucional entre Planalto e Parlamento.

Desfecho com bate-boca
Mas nada melhor para medir a alta temperatura entre os dois poderes do que o desfecho do dia. Em declaração à TV Band, Bolsonaro disse que Rodrigo Maia estaria abalado por questões pessoais – uma referência à recente prisão do sogro do presidente da Câmara, o ex-ministro Moreira Franco, pela Lava Jato.

Maia reagiu de maneira contundente: “Bolsonaro está brincando de presidir o país. Está na hora de parar de brincadeira”. “Abalados estão os brasileiros que estão esperando desde 1º de janeiro que o governo comece a funcionar. São 12 milhões de desempregados, 15 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza e o presidente brincando de presidir o Brasil”, atacou.

O presidente da República contra-atacou: “Olha, se foi isso mesmo que ele falou, eu lamento. Não é palavra de uma pessoa que conduz uma Casa. Muita irresponsabilidade. Brincar? Se alguém quiser que eu faça o que os presidentes anteriores fizeram, eu não vou fazer”.

O dia acabou (finalmente) com uma tréplica de Rodrigo Maia, que pediu ao presidente: “Pare, chega, peça ao entorno para parar de criticar. O Brasil perde. A bolsa está caindo, a expectativa dos investidores está ficando menor. Ninguém ganha com isso. Vamos governar”, declarou Maia.

Comentários para "“Foi uma chuva de verão”, diz Jair Bolsonaro sobre briga com Rodrigo Maia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Em defesa do espaço cultural, foi aprovada uma vigília cultural de 24 horas para a próxima sexta-feira (22)

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

São Sebastião e Sobradinho debatem neste sábado o Plano de Ordenamento Territorial

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Dignidade menstrual é permitir que as meninas mais pobres também possam ter o mesmo acesso ao absorvente higiênico que as meninas da classe média e alta

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Regras do Código de Trânsito Brasileiro, fiscalização e conscientização derrubam índice de letalidade no transporte de crianças com até 10 anos no DF

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Ato simbólico de entrega no Centro Educa Mais Dorilene Silva Castro

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Já são mais de 116 milhões de pessoas em situação insegurança alimentar.

MST lança loja online de alimentos agroecológicos e orgânicos no DF

MST lança loja online de alimentos agroecológicos e orgânicos no DF

Vendas online serão abertas oficialmente neste sábado, 16

Documentação Urbanística amplia acesso ao público

Documentação Urbanística amplia acesso ao público

Sistema oferece diversas informações aos usuários

GDF ameaça continuidade do projeto “Jovem de Expressão” na Ceilândia

GDF ameaça continuidade do projeto “Jovem de Expressão” na Ceilândia

Local utilizado pelo projeto tem 116 metros e é um antigo posto policial abandonado

Moradores das novas quadras do Guará reivindicam medidas para aumentar a segurança

Moradores das novas quadras do Guará reivindicam medidas para aumentar a segurança

O deputado Delmasso enumerou melhorias necessárias em urbanização e prestação de serviços públicos para a região, como iluminação pública, pavimentação, saúde e transporte

Carga tributária sobre combustíveis no DF será reduzida pelos próximos três anos

Carga tributária sobre combustíveis no DF será reduzida pelos próximos três anos

CLDF aprovou a diminuição da alíquota do ICMS em três pontos percentuais. Medida é gradativa para os próximos três anos, começando em 2022