×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

Futebol feminino é marcado pela luta contra o preconceito e também contra o racismo

Futebol feminino é marcado pela luta contra o preconceito e também contra o racismoFoto: Júlio César Silva

No período de 2014 a 2020, foram contabilizados 163 incidentes em território nacional classificados como “suposto caso de racismo”.

Roberta Quintino - Brasil De Fato | Brasília (df) - 20/11/2021 - 09:01:07

No DF, Thamires da Conceição, a Buga, jogadora do Cresspom sofreu ataques racistas em partida realizada no dia 13.

Exposta dentro e fora de campo, a ferida do racismo deixa marcas, faz chorar e revela que, em um país de população predominantemente negra, o preconceito racial ainda está arraigado em nossa sociedade.

Durante uma partida do Candangão Feminino, realizada no dia 13 de novembro, entre os clubes Cresspom e Aruc, a jogadora Thamires da Conceição, mais conhecida como Buga, sofreu ataques racistas de um torcedor do time rival.

Atleta do Cresspom desde 2015, Buga relata que num lance de saída de bola em favor do clube da jogadora, o torcedor teceu comentários racistas contra ela, além de proferir xingamentos às demais integrantes do time.

“Na hora do jogo, segurei a onda por ser profissional. Joguei, me dediquei ao clube, mas depois quando coloquei a cabeça no travesseiro foi um baque, chorei bastante. Doeu, rasgou a pele” diz.

:: Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara ::

“De vez em quando me pego pensando no que aconteceu e me vem uma tristeza, mas a manifestação de apoio de várias pessoas me fez seguir para continuar meu trabalho e ir atrás de justiça”. A jogadora informou que registrou um boletim de ocorrência e vai buscar a Defensoria Pública do DF para tratar do caso.

De acordo com a assessoria de comunicação da Federação de Futebol do Distrito Federal, esse é o primeiro caso de racismo em uma partida do campeonato.

Caso não é isolado

No dia 16 de novembro, durante uma partida da Semifinal da Libertadores Feminina, entre Corinthians e Nacional do Uruguai, a atacante do time brasileiro, Adriana também foi vítima de racismo, ao ser chamada de "macaca" por uma jogadora da equipe uruguaia.

Em nota, o Corinthians repudiou o ato. "A delegação feminina contará com todo suporte jurídico cabível para a apuração necessária e a punição contundente desse ato inaceitável", aponta trecho da nota.

De acordo com o Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol, os estádios “são mais um palco no qual é possível ver ódio e violência sendo disparados contra atletas, dirigentes, torcedores e outras tantas pessoas envolvidas no mundo esportivo”, aponta.

O documento destaca ainda que os inúmeros casos já denunciados comprovam que “no momento de derrota esportiva o culpado tem uma cor, seja na seleção, seja nos clubes”.

No período de 2014 a 2020, foram contabilizados 163 incidentes em território nacional classificados como “suposto caso de racismo”.

Solidariedade

Em nota publicada nas redes sociais, o Cresspom escreveu que “em pleno século 21, o racismo é inaceitável e deve ser firmemente combatido” e que repudia com veemência o ato racista.

A Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF) disse ser inadmissível que ainda aconteçam fatos que caracterizem quaisquer sinais de preconceito e/ou diferença de etnia, religião e sexualidade. Além disso, cobrou “punição severa para tais atitudes, que acontecem diariamente em nossa sociedade. O respeito ao próximo é algo que precisa ser levado a sério e os culpados têm que ser responsabilizados”, exige.

A jogadora do Minas Brasília, Rayane Rodrigues, mais conhecida como Robinha, também se manifestou através das redes sociais e registrou que “cor da pele não define ninguém”. Ela replicou ainda a frase da escritora Angela Davis de que em “em uma sociedade racista, não basta não ser racista, é necessário ser antirracista”.

No documentário Donas da Capital: Futebol Feminino no Distrito Federal, Robinha conta os episódios de preconceito e racismo que já enfrentou no futebol, em uma delas quando atuava no futsal, em Santa Catarina, foi chamada de "macaca" por torcedores, durante uma partida.

"O ginásio lotado e os torcedores começaram a me chamar de macaca, preta, eu não era macaca, só que eu era negra, eu amo a minha cor. E meu treinador ficou muito revoltado com isso, disse que eu não precisava aceitar, não podia deixar isso acontecer. Fiquei pensando, e no momento aquilo não me machucou, mas depois eu fiquei pensando e foi uma situação muito desagradável, fiquei muito ferida e magoada", disse ela.

Futebol Feminino no DF

Lançado neste mês de novembro, o Documentário conta a história recente do futebol feminino na capital do país. O filme de 37 minutos, foi produzido para apresentação final de trabalho de conclusão do curso de Comunicação Organizacional da Universidade de Brasília.

"O filme conta, por meio de pessoas intimamente envolvidas na modalidade, como o Distrito Federal se tornou a segunda federação com mais times na elite nacional", apresenta Júlio César Silva, que produziu, junto com Diego Marques, o documentário que é pioneiro do gênero no DF.

Júlio César é fotógrafo e desde 2019 registra as partidas de futebol feminino do Distrito Federal. "É um esporte que vem crescendo e precisa de visibilidade, procurei bastante material sobre futebol feminino e não existia, então a gente trouxe essa história para todos conhecerem, mostrar como é o futebol daqui e como os times são unidos", destaca.

A mulher negra no futebol

Em artigo apenso ao Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol, a jornalista Júlia Trindade acentua que o discurso de ódio contra mulheres negras no futebol não se refere a um erro, ao desempenho profissional, às suas características de jogo, à qualidade do seu trabalho.

“É um ataque à essência, à identidade de gênero, à cor da pele, à orientação sexual, à origem. Elas são atacadas porque, como mulheres negras, se atrevem a existir apesar desse ódio”.

Para Buga, com “tantos atos de racismos por aí” o sentimento é de indignação.

Buga aponta que as pessoas precisam rever seus atos / Foto: Júlio César Silva

“O racismo está em todo lugar, está no futebol, no vôlei, está em todos os esportes, está na esquina. Está no mercado quando a gente vai comprar um pão e todo mundo olha pra você, pro seu cabelo, vê o que você está pegando. É uma dor coletiva, as pessoas não têm noção do quanto machuca, do quanto dói”, declara a jogadora que complementa, “mas a luta não para, nós não vamos mais aceitar isso. Nós seremos resistência, seremos antirracistas”.

No mês em que se celebra o Dia da Consciência Negra é importante que as pessoas “revejam seus atos”, aponta a jogadora do Cresspom.

Ela aconselha que as pessoas busquem pesquisar mais sobre o assunto e enfatiza que “o racismo não acontece só no mês de novembro, acontece todos os dias e em todos os lugares. Que a gente possa levantar a nossa mão com orgulho, assumir quem nós somos e mostrar para a sociedade que nós não iremos nos calar e nem vamos abaixar a nossa cabeça para racista”, conclui Buga.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Edição: Flávia Quirino

Comentários para "Futebol feminino é marcado pela luta contra o preconceito e também contra o racismo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

Criminalista Patricia Vanzolini, eleita presidente da OAB-SP

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

Programa Empodera vai capacitar público feminino para lutar por causas comuns; a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, diz como isso vai funcionar

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

O Curta Maria foi objeto de monografia de conclusão de Curso de Bacharelado em Direito, no Paraná

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

ONU defende estratégias abrangentes e de longo prazo que protejam direitos das mulheres e meninas

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Iniciativa defende anonimato em denúncias de violência contra mulheres

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

Iniciativa Utopiar, marca de roupa feminina ensina técnicas têxteis a mulheres que sofreram violência doméstica

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Participaram da pesquisa 1.503 pessoas (1.001 mulheres e 502 homens), com 18 anos de idade ou mais, entre 22 de setembro e 6 de outubro de 2021 em todo o País. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

Entidade defende investigação sobre denúncia de agressão sexual

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Timão vence a competição pela terceira vez na história

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

A conquista da irmã foi comemorada nas redes sociais, inclusive por Gabriel Medina, que está um pouco mais distante de sua família, mas fez questão de elogiar Sophia. "Campeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!