×
ContextoExato
Responsive image

Governo do DF vai recorrer de decisão judicial que determinou volta às aulas presenciais

Governo do DF vai recorrer de decisão judicial que determinou volta às aulas presenciaisFoto: Agência Brasília

Segundo a decisão, o retorno de todas as etapas da educação básica deve ocorrer em até 20 dias. O GDF tem cinco dias para apresentar um plano de retorno gradual dos estudantes. Executivo irá recorrer

Tainá Seixas E Samara Schwinge - Correioweb - 24/10/2020 - 07:48:24

O juiz Renato Scussel, da Vara da Infância e da Juventude, determinou, ontem, que as aulas da rede pública de ensino do Distrito Federal sejam retomadas de forma presencial. O juiz dá prazo de cinco dias para que o Governo do Distrito Federal (GDF) apresente um plano de retorno gradual das atividades nas creches, ensino infantil, fundamental e médio, de forma escalonada. De acordo com a decisão, o processo deve ser concluído em até 20 dias. O Correio apurou que o GDF recorrerá da decisão.

A decisão acolhe pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) que pediu o retorno imediato das atividades na rede pública. O magistrado cita, na sentença, que é dever do estado assegurar à criança e ao adolescente o direito fundamental de acesso à educação.

“Sob este enfoque, o direito visa a uma prestação de fazer do Estado para que seja garantida a retomada das aulas presenciais para todas as crianças e adolescentes da rede pública de ensino do Distrito Federal, assegurando-lhes o direito precípuo de educação”, afirma.

O magistrado entende, ainda, que está ocorrendo uma normalização nas atividades essenciais e não essenciais. Ressalta, também, que as aulas presenciais já foram retomadas pela rede privada de educação, além do funcionamento do comércio, locais de culto religioso e espetáculos públicos. Assim, ele entende não ser “justo e nem tampouco lícito que, num país carente de educação, as crianças e adolescentes que utilizam o sistema público de ensino sejam tolhidos no seu direito precípuo de educação”, completa.

Na peça decisória, Scussel avalia que os órgãos de saúde estabeleceram recomendações necessárias para o funcionamento das atividades escolares em meio à pandemia e que as relações de trabalho já se normalizaram. Por fim, ele argumenta que, levando em consideração a desigualdade social do país, o Estado deve garantir a proteção à infância e à juventude.

“Num país de enormes diferenças sociais, onde o fosso que separa as classes privilegiadas das classes menos favorecidas é enorme e intransponível, maior se torna o dever do Estado de garantir a prioridade da preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas e com destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude”.

Vacina

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), afirmou que está ansioso para o fim dos estudos das vacinas contra covid-19 e a disponibilização delas para a população. “Não vejo a hora de a vacina sair, independentemente de onde ela venha, para baixar um decreto e acabar com o uso das máscaras e ter a cura do coronavírus”, disse. A declaração foi feita durante a cerimônia de entrega de equipamentos à Secretaria de Agricultura (Seagri) na sede da pasta na manhã de ontem.

A intenção, segundo o chefe do Palácio do Buriti, é vacinar e imunizar toda a população e voltar ao normal o quanto antes. “Precisamos despolitizar a vacina, assim, podemos imunizar toda a população e acabamos com essa situação”, completou.

Ibaneis ainda comentou o embate que o tema tem gerado entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e governadores de alguns outros estados. “Não vou entrar nesta polêmica”, disse. Recentemente, Bolsonaro manifestou que não realizará a compra das vacinas chinesas, a CoronaVac. No Brasil, o material está na fase três dos testes conduzidos nacionalmente pelo Instituto Butantan. No DF, a Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Hospital Universitário de Brasília (HUB), conduz os ensaios clínicos e já vacinou 700 pessoas sem intercorrências significativas. Ao todo, 852 pessoas devem ser vacinadas no DF e 13 mil em todo o país.

Ibaneis reforçou mais uma vez que a compra de vacinas e a campanha de vacinação são de competência da União e, até que o governo federal tenha uma posição concreta em relação aos temas, o GDF não irá se manifestar. “São temas que devem ser tratados pelo Ministério da Saúde. Primeiro, vamos esperar ter alguma vacina e, depois, aguardar a postura do governo federal para que nós possamos ver qual vacina, como será aplicada e em quem será aplicada”, completou.

A conversa com a imprensa ocorreu durante solenidade na Secretaria de Agricultura do DF. No evento, foi oficializada a entrega de sete caminhonetes Chevrolet S10, computadores, impressoras térmicas e tablets que serão utilizados pelo Serviço de Defesa Agropecuária. Os veículos foram adquiridos por meio de convênio entre a Secretaria e o Ministério da Agricultura (Mapa) que realizou um repasse de quase R$ 2 milhões.

565 novos casos

De acordo com boletim epidemiológico publicado, ontem, pela Secretaria de Saúde, o Distrito Federal chegou a 208.235 casos do novo coronavírus, 565 a mais em relação ao dia anterior. Deste total, 198.457 (95,3%) se recuperaram e 3.613 (1,8%) faleceram. Foram contabilizadas mais 13 mortes pela covid-19. Atualmente, a letalidade da doença no DF é de 1,8%.

Comentários para "Governo do DF vai recorrer de decisão judicial que determinou volta às aulas presenciais":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório