×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 19 de outubro de 2021

Gravidez na adolescência. Uma em cada cinco crianças que nascem no Brasil é filha de adolescente

Gravidez na adolescência. Uma em cada cinco crianças que nascem no Brasil é filha de adolescenteFoto: Pixabay

De acordo com dados da ONU uma ruptura brutal do papel de filha para o de mãe.

Estadão Conteúdo - 17/06/2019 - 07:40:37

De acordo com o último relatório do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), lançado em 2019, o índice de gravidez precoce no mundo é de 44 nascimentos a cada mil meninas entre 15 e 19 anos. No caso do Brasil e da América Latina, esse índice é ainda maior, de 62 a cada mil, segundo a ONU.

SAIBA MAIS

O Ministério da Saúde contabiliza: 18% dos nascimentos no País são de jovens com menos de 19 anos. Uma em cada cinco crianças que nascem no Brasil é filha de menores de idade.

No Brasil, um indivíduo é considerado adolescente dos 12 aos 18 anos de vida. Estudos identificam que o lobo frontal, área do cérebro considerada 'do juízo', se forme até os 18 anos. E este é um período de verdadeira metamorfose na vida dos jovens. Envolve muita instabilidade emocional e perdas.

"A gravidez nessa fase é considerada um 'acidente de percurso'. Primeiro um susto e uma negação, que pode ser acompanhada até o final da gravidez. É quase sempre uma ruptura brutal do seu papel de filha para o de mãe. Muitas vezes, a vida escolar é interrompida e seus problemas familiares são grandes demais para o enfrentamento", afirma a psicóloga e pedagoga Magda Pearson. Ela alerta que, em muitos casos, as adolescentes desenvolvem quadros depressivos e ansiosos. O isolamento social é frequente.

Os meninos que se tornam pais nessa fase da vida também enfrentam dificuldades, mas a realidade é outra. "Geralmente são obrigados a trabalhar. Em alguns casos, sofrem de ansiedade antecipatória, por se julgarem incapazes de assumirem as responsabilidades de se tornarem pais. Sentem mais como perdas da liberdade de aproveitarem a vida do que a alegria de se tornar pai. Demoram mais para processar o susto", enfatiza.

Sexualidade na adolescência

Dos 12 aos 18 anos, a transformação do corpo é um processo lento e sofrido, marcado pelo 'luto do corpo da criança', ganhando e perdendo características fisiológicas e psicológicas. É uma fase conturbada e recheada de contradições. Pode ser delineada em três etapas: a transformação do corpo (puberdade), a busca pela definição sexual e a aquisição da maturidade (escolha da carreira, por exemplo) e responsabilidade social.

"É um rito de passagem que, além da retirada da criança da infância e em meio a um período de crises de identidade, existe a construção do adulto social", na análise da psicóloga Magda Pearson.

A adolescência é a fase da vida em que a pessoa está buscando a identidade sexual. "Nem sempre os jovens compreendem o que está acontecendo com eles, mas se sentem compelidos a explorar seus corpos. É nessa fase que se acentua a vontade de ficar só em casa, em seus quartos (masturbação). Geralmente, é uma fase de distanciamento familiar, trocando mais ideias com os amigos e namoradas. Passam horas navegando na internet procurando saber o que está acontecendo com eles", segundo a especialista. É por essas e outras razões que o diálogo franco com os filhos, desde a tenra idade, pode ajudar a sanar dúvidas em relação a sexualidade, evitando problemas futuros.

Para Jaime Nadal, representante do Fundo de População das Nações Unidas, o acesso a informação deve ser um compromisso de todos: "Um diálogo deve existir, seja em casa, nas unidades de saúde ou na escola. É preciso que o acesso a informação, que os serviços e insumos não se restrinjam à população adulta, mas também à comunidade jovem. Diferentemente das gerações anteriores, esta comunidade está exposta, por meio da internet, a uma série considerável de informações incorretas, o que incrementa o risco e a exposição a uma série de problemas, como Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), além das gravidezes não desejadas."

E o sentimento de que nada vai acontecer é comum entre jovens, segundo a psicóloga Magda Pearson. "Como todos adolescentes possuem certa 'onipotência juvenil', cuja característica lhe empresta uma 'falsa percepção' de nada de ruim vai lhe acontecer, cabem aos pais e educadores, a missão quase impossível de orientar sobre o uso de preservativos e cuidados", afirma.

Impacto social da gravidez na adolescência

A gravidez não intencional também traz diversas consequências para as jovens e a sociedade. Segundo dados do IBGE, seis de cada dez adolescentes grávidas não trabalham e não estudam. Sem falar no impacto econômico: conforme estudo do Banco Mundial, o Brasil teria incremento de US$ 3,5 bilhões por ano em produtividade caso as meninas adiassem a gravidez para depois dos 20 anos.

"Prevenir e oferecer respostas para a gravidez na adolescência está entre as prioridades do programa de compromissos adotado e reforçado a partir de 1994, no marco da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), realizada no Cairo, que contou com a participação de 179 países", afirma Jaime Nadal, representante do Fundo de População das Nações Unidas.

A ONU acompanha de perto a situação das adolescentes que engravidam no Brasil. Criado em 1969, o UNFPA trabalha com o objetivo de garantir que todos os partos sejam seguros, que toda gravidez seja desejada e que todos os jovens possam alcançar o seu potencial.

Comentários para "Gravidez na adolescência. Uma em cada cinco crianças que nascem no Brasil é filha de adolescente":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Feminicídio: Mais duas mulheres perdem a vida no DF

Feminicídio: Mais duas mulheres perdem a vida no DF

Ato reuniu mais de cem mulheres contra os feminicídios no DF

Peng Liyuan participa da cerimônia de premiação da UNESCO para a educação de mulheres e meninas

Peng Liyuan participa da cerimônia de premiação da UNESCO para a educação de mulheres e meninas

Peng parabenizou os vencedores do Brasil e de Moçambique por vídeo

Conheça relação entre agrotóxicos e o câncer que mais mata mulheres no Brasil

Conheça relação entre agrotóxicos e o câncer que mais mata mulheres no Brasil

Contaminação por agrotóxicos se dá geralmente por meio da pele e do aparelho respiratório

Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany voltará às quadras na próxima terça-feira, para o segundo jogo da decisão do Campeonato Paulista, em Barueri

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Em 2018, eu dei uma entrevista, inclusive eu estava aqui em Osasco, quando eu disse que não concordava.

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

A mostra tem entrada gratuita com agendamento prévio pelo site do IMS.

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

O PSB lembra na ação que, sem uma classificação particular, os feminicídios e as mortes causadas por violência policial vão sofrer um apagão de dados, o que dificulta a definição de políticas públicas para proteger os grupos vulneráveis.

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Jornalista Maria Ressa foi condecorada com o Nobel da Paz em 2021; prêmio também foi concedido ao russo Dmitry Muratov -

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

A novela exclusivamente rural, que caiu no gosto do público, entrou agora para o catálogo da Globoplay e a partir desta segunda, 11, poderá ser assistida em edição completa - são 126 capítulos.

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Divisão digital impacta empregabilidade, saúde reprodutiva e autonomia corporal de mulheres