×
ContextoExato
Responsive image

Há 75 anos, Auschwitz, maior símbolo do Holocausto, era libertado

Há 75 anos, Auschwitz, maior símbolo do Holocausto, era libertadoFoto: Estadão

Trilhos por onde centenas de milhares de pessoas foram levadas diretamente para as câmaras de gás de Auschwitz

Estadão Conteúdo - 27/01/2020 - 12:01:45

Símbolo do Holocausto dos judeus, o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau foi o maior centro de assassinatos criado pelos nazistas alemães durante a 2ª Guerra.

Se escondendo em navios de guerra, porões e no meio do mato, o casal Yvette e Gyorgy Galfi conseguiu fugir do nazismo e escapar da morte. No Brasil, eles se conheceram e construíram uma família.

Símbolo máximo do horror

Historiadores estimam que 1,1 milhão de pessoas foram assassinadas em Auschwitz-Birkenau

O campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau é o símbolo do Holocausto dos judeus, porque foi o maior centro de assassinatos criado pelos nazistas alemães durante a 2ª Guerra.

O número exato de vítimas não é conhecido com certeza, embora os historiadores calculem que 1,1 milhão de homens, mulheres e crianças - 1 milhão dos quais eram judeus - tenham morrido no campo entre 1940 e 1945. As outras vítimas eram poloneses, ciganos e prisioneiros soviéticos.

O campo de Auschwitz, na cidade polonesa de Oswiecim, 50 km a oeste de Cracóvia, está localizado a 3 km de Birkenau, construído a partir de 1940 e se tornou o principal local, em 1942, de extermínio de judeus dentro da estrutura da “solução final” nazista. Abrigava quatro câmaras de gás e quatro fornos crematórios.

Os judeus, que chegaram a Birkenau em trens de carga de animais, eram direcionados principalmente para as câmaras de gás depois de uma “seleção” que ocorria na rampa de entrada, onde se reservavam o direito de permanecer vivo provisoriamente para aqueles que tinham condições físicas para trabalhar como escravos.

Em 27 de janeiro de 1945, 7,5 mil prisioneiros que ainda estavam no campo foram libertados pelo Exército Vermelho. Antes de fugir, os nazistas ficaram encarregados de destruir sua fábrica sinistra e vários prédios daquele complexo de 42 km² que incluía três campos e foram, em parte, construídos pelos próprios prisioneiros.

Desde 1947, esse local, símbolo da barbárie humana, é classificado como monumento nacional polonês, abriga um museu - Auschwitz-Birkenau -, administrado por um comitê internacional e, em 1979, foi inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

A pedido do governo polonês, o Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco aprovou em 2007 uma modificação do nome oficial de Auschwitz, que foi renomeado como “Auschwitz-Birkenau, campo de concentração e extermínio nazista alemão (1940-1945)”.

Varsóvia solicitou a mudança de nome para combater o surgimento, na mídia estrangeira, de expressões como “campos de concentração poloneses” ao se referir aos campos construídos pelos alemães no território da Polônia ocupada.


Com informações da AFP

Projeto de brasileira em parceria com museu de Auschwitz ganha documentário

Em ‘Faces of Auschwitz’, Marina Amaral colore fotografias de vítimas do Holocausto

Thaís Ferraz/Especial para o Estado

Criado há dois anos como acervo digital, o projeto Faces of Auschwitz, desenvolvido pela brasileira Marina Amaral em parceria com o Auschwitz-Birkenau Museum, virou também documentário e ganha seu primeiro trailer na segunda-feira, 27, Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

Czesawa Kwoka ela morreu em Auschwitz, aos 14 anos, em 1943, antes da libertação do campo

Curiosamente, a maioria dos registros foi feita pelos próprios prisioneiros do campo de concentração, a mando dos nazistas.

Além de colorir fotos, o projeto busca resgatar histórias dos prisioneiros de quem, às vezes, não são conhecidos nem mesmo os nomes. O documentário, gravado na Polônia, retrata esse processo.

Expediente

Editor Executivo Multimídia
Fabio Sales
Editora de Infografia Multimídia
Regina Elisabeth Silva
Editor Assistente Multimídia
Adriano Araujo
Designers Multimídia
Vitor Fontes
Edição de fotografia
Dalmo Sena

Comentários para "Há 75 anos, Auschwitz, maior símbolo do Holocausto, era libertado":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório