×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de junho de 2022

Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”

Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”Foto: Arquivo Pessoal

Com namoro e casamento, Henri e Teresa Frota estão juntos há 37 anos

Por Heloisa Tolipan - Portal Ig - 16/01/2021 - 11:10:59

Com a reprise da novela da Globo, o ator revive o sucesso de seu personagem, Orlando, que era agressivo verbal e fisicamente por conta da obsessão por Capitu, uma prostituta de luxo vivida por Giovanna Antonelli. Para ele, o tema serviu para alertar contra as agressões sofridas por mulheres. “Ensinar é uma função da arte”, frisa sobre o papel social de sua área. Por outro lado, sua atuação rendeu situações inusitadas. Nas ruas, foi perseguido, levou broncas e quase apanhou com um guarda-chuva. Desde 2018, o artista mora em Portugal com a mulher, a autora Teresa Frota, veio ao Brasil para gravar a novela "Gênesis", da Record

* Por Carlos Lima Costa

Ao longo da carreira, Henri Pagnoncelli sempre gostou mais de interpretar vilões do que mocinhos. E brilhou com vários deles. O de maior destaque foi na novela Laços de Família , reprisada na Globo. Orlando, seu personagem, tinha forte fixação por Capitu, prostituta de luxo, vivida por Giovanna Antonelli, sendo agressivo verbal e fisicamente. “Ele tinha obsessão por ela e usava das armas da violência, tudo que a gente combate e realmente teve uma repercussão muito grande na época. Ele era um vilão. Uma das funções da arte é mostrar certas situações e ensinar. Hoje, a mulher tem mais coragem e respaldo para denunciar e tomar atitudes, para evitar, responder e impedir assédio e violência. Basta de agressão às mulheres. Isso não pode mais acontecer”, pontua o ator, aos 67 anos.

Situações inusitadas e peculiares não faltaram devido a tremenda repercussão da trama. “Na época, eu era perseguido na rua. Passei um final de semana, em Búzios, e enquanto minha mulher olhava roupas em uma loja, fiquei esperando na Rua das Pedras. Nisso, veio uma senhora, me dando bronca, com o dedo em riste na minha cara e falando: ‘Larga essa menina, você não vale nada’. Ela foi vindo pra cima de mim, eu fui recuando, entrei na loja e fui para o provador para fugir da mulher que estava me ameaçando”, relembra. “Outra vez, em um supermercado, uma senhora ameaçou me bater com um guarda-chuva”, acrescenta sobre a repercussão deste trabalho, exibido inicialmente entre 2000 e 2001.

Henri revive o sucesso de Laços de Família, 20 anos depois (Foto: Arquivo Pessoal)

Henri revive o sucesso de Laços de Família, 20 anos depois (Foto: Arquivo Pessoal)

E frisa: “Foi estranho ser xingado. Quem vê algo assim pensa que você é um mau caráter que está importunando a pessoa, mas ao mesmo tempo, na verdade, este tipo de situação era um sinal de que a minha interpretação estava tocando as pessoas, surtindo o efeito que o autor, o diretor e eu queríamos”, afirma.

“A novela é boa e atual. O Maneco (o autor Manoel Carlos ) sempre lidou bem com o lado humano dos personagens. Mesmo de máscara, me identificam pela voz. As pessoas veem e me falam: ‘como era incrível o personagem’. Não tem o impacto da novidade, mas tem ainda o reconhecimento pelo trabalho”, observa.

E Henri faz uma ressalva sobre esse seu emblemático papel. “Ele não veio pronto, era pequeno. Eu fui ganhando, tem um mérito gigantesco meu, fui conquistando com meu trabalho”, observa e cita outros dois vilões que também adorou fazer: O César, de Mulheres de Areia , também na Globo, e Chaim, em O Rico e Lázaro , na Record.

Em termos afetivos, na vida real, Henri tem uma vida oposta e pacata. Há 35 anos, ele está casado com a autora Teresa Frota, com quem namorou por dois anos. “Gosto muito, a gente divide bem a relação por igual de amizade, tesão, amor. Isso funciona. Acho que sou um sortudo”, ressalta sobre sua parceira de vida e trabalho. Os dois, inclusive, se apaixonaram no decorrer da temporada do espetáculo Caiu o Ministério , no qual ele interpretava o marido da personagem dela. “Encontrei a mulher que eu curto, que me atura e vamos até o final dos tempos”, acrescenta. Os dois são pais de João Pedro, de 31 anos.

Além de ator e diretor, Henri também é médico. Ele nunca abandonou essa outra profissão. Mas foi mudando de especialidade. Antes, lidava com doenças infecciosas, passou pela acupuntura até chegar na medicina estética. “Atendo em clínica de uma amiga”, conta ele que aplica botox, faz peeling, laser e preenchimento. “Uma vez, uma amiga colocou um pouco na minha testa, mas não tenho problema com ruga. A primeira pergunta que faço a um paciente é ‘o que o incomoda?’”, diz.

Henri e Teresa com o filho, João Pedro, na Praça do Comércio, antigo Terreiro do Paço, em Lisboa, Portugal (Foto: Arquivo Pessoal)

Henri e Teresa com o filho, João Pedro, na Praça do Comércio, antigo Terreiro do Paço, em Lisboa, Portugal (Foto: Arquivo Pessoal)

A dedicação a essa área ficou ainda mais reduzida depois de 2017, ano em que não foi renovado seu contrato com a Record. Agora, de volta à emissora, ele tem contrato por obra. Em 2018, uma mudança radical. Henri e Teresa foram morar em Lisboa. Em geral, ele vem ao Rio quando tem algum trabalho. Em 2019, gravou Jezabel . E está no Brasil desde 15 de novembro por conta da novela Gênesis , que estreia no dia 19. Ele vai dar vida a Isac. Na capital portuguesa, o ator já atuou no teatro e participou da novela Valor da Vida , na TVI, em 2018/2019.

“Nessa altura da vida me dei de presente morar um tempo por lá. Sempre curti demais Portugal. Aqui no Brasil está muito barra pesada. Brinco que Lisboa é o Rio de Janeiro que deu certo, tem o espírito carioca, sem falar na tranquilidade. Aqui, no Rio temos um nível doentio de estresse pela violência e pelo jeito que o país está largado, é uma decepção geral. Lá, nem tenho carro. Ando de ônibus, de trem sem problema. Se vou ficar mais dois, cinco, dez anos eu não sei. Mas vou e volto, vou e volto, trabalhando nos dois lugares”, assegura. “Os portugueses respeitam muito os atores, os professores, os médicos”, completa.

Desde 2018, Henri mora em Lisboa e costuma vir ao Brasil, em geral, para trabalhar (Foto: Arquivo Pessoal)

Desde 2018, Henri mora em Lisboa e costuma vir ao Brasil, em geral, para trabalhar (Foto: Arquivo Pessoal)

Quando a pandemia explodiu e veio a quarentena, Henri ia estrear, em Lisboa, a peça Os Impagáveis , escrita por sua mulher. Dois meses depois, quando os teatro foram reabertos, eles puderam encenar. “Lá, o presidente e o primeiro ministro foram à televisão e pediram para as pessoas se recolherem. Na minha família, ninguém testou positivo para Covid-19. Eu me cuido, ando direto com álcool gel, máscara, só saio para o que for necessário. Vamos ter que viver esse tempo. E com todos os cuidados e protocolos vou trabalhar”, conclui.

Teresa e Henri tem uma parceria afetiva e profissional (Foto: Arquivo Pessoal)

Teresa e Henri tem uma parceria afetiva e profissional (Foto: Arquivo Pessoal)

Comentários para "Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Luiza Trajano: A pandemia acelerou o processo de igualdade para a mulher

Luiza Trajano: A pandemia acelerou o processo de igualdade para a mulher

Segundo a empresária, a pandemia foi responsável por acelerar o processo de transformação nas companhias.

Gravidez após os 40 anos: o que toda mulher deve saber

Gravidez após os 40 anos: o que toda mulher deve saber

Realidade no Brasil, Europa e EUA, o adiamento da maternidade não é isento de riscos. Médica ginecologista da clínica Origen BH fala sobre o envelhecimento ovariano e o desafio de equilibrá-lo com as aspirações femininas e as transformações sociais da atualidade

Elas batalham pela inclusão de mais mulheres na astronomia

Elas batalham pela inclusão de mais mulheres na astronomia

A proposta inicial de acompanhar as garotas de forma próxima se manteve. “Fazemos o acompanhamento individual de cada menina, auxiliando nas atividades e interagindo”

Quem é Francia Márquez, a primeira mulher negra vice-presidenta na Colômbia?

Quem é Francia Márquez, a primeira mulher negra vice-presidenta na Colômbia?

Francia Elena Márquez Mina foi a mulher mais votada na história das eleições colombianas

'Meu repúdio por qualquer discriminação', diz Xuxa sobre homofobia de religiosos

'Meu repúdio por qualquer discriminação', diz Xuxa sobre homofobia de religiosos

A loira afirmou que está indignada com os discursos e por ver que existem pessoas que apoiam esse pensamento.

Relacionamentos abusivos: o que você precisa saber para mudar esse padrão e se libertar

Relacionamentos abusivos: o que você precisa saber para mudar esse padrão e se libertar

Uma em cada três mulheres sofre violência ao longo da vida, de acordo com relatório divulgado pela OMS. Entenda como o autoconhecimento pode ser um dos caminhos para evitar que os relacionamentos cheguem a este ponto

“A ressignificação da velhice é imprescindível”, destaca juíza do TJ do DF em lançamento de cartilha sobre a pessoa idosa

“A ressignificação da velhice é imprescindível”, destaca juíza do TJ do DF em lançamento de cartilha sobre a pessoa idosa

Conheça a Cartilha Quem Nunca? - Reflexões sobre o preconceito em razão da idade.

'Errei e não há justificativa', diz Talitha Morete após ser acusada de racismo no 'É de Casa'

'Errei e não há justificativa', diz Talitha Morete após ser acusada de racismo no 'É de Casa'

No final do programa, Talitha passou o prato para a convidada e pediu para que ela servisse todos que estavam no estúdio.

Bia Haddad celebra melhor ranking em simples e em duplas; Medvedev vira número 1

Bia Haddad celebra melhor ranking em simples e em duplas; Medvedev vira número 1

Confira abaixo os rankings de simples masculino e feminino

Bia Haddad vence Riske na grama em Nottingham e conquista 1º WTA 250 da carreira

Bia Haddad vence Riske na grama em Nottingham e conquista 1º WTA 250 da carreira

Bia Haddad Maia ainda disputará a final das duplas ao lado da chinesa Zhang Shuai no início da tarde deste domingo. Elas enfrentarão a americana Caroline Dolehide e a romena Monica Nicuslescu.

Abertas as inscrições para interessadas em atuar como embaixadoras do Programa Mães do Brasil

Abertas as inscrições para interessadas em atuar como embaixadoras do Programa Mães do Brasil

Prazo para se inscrever vai até o dia 28 de junho. Entre os requisitos necessários, consta experiência em atividades destinadas à proteção integral da mulher no exercício da maternidade