×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”

Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”Foto: Arquivo Pessoal

Com namoro e casamento, Henri e Teresa Frota estão juntos há 37 anos

Por Heloisa Tolipan - Portal Ig - 16/01/2021 - 11:10:59

Com a reprise da novela da Globo, o ator revive o sucesso de seu personagem, Orlando, que era agressivo verbal e fisicamente por conta da obsessão por Capitu, uma prostituta de luxo vivida por Giovanna Antonelli. Para ele, o tema serviu para alertar contra as agressões sofridas por mulheres. “Ensinar é uma função da arte”, frisa sobre o papel social de sua área. Por outro lado, sua atuação rendeu situações inusitadas. Nas ruas, foi perseguido, levou broncas e quase apanhou com um guarda-chuva. Desde 2018, o artista mora em Portugal com a mulher, a autora Teresa Frota, veio ao Brasil para gravar a novela "Gênesis", da Record

* Por Carlos Lima Costa

Ao longo da carreira, Henri Pagnoncelli sempre gostou mais de interpretar vilões do que mocinhos. E brilhou com vários deles. O de maior destaque foi na novela Laços de Família , reprisada na Globo. Orlando, seu personagem, tinha forte fixação por Capitu, prostituta de luxo, vivida por Giovanna Antonelli, sendo agressivo verbal e fisicamente. “Ele tinha obsessão por ela e usava das armas da violência, tudo que a gente combate e realmente teve uma repercussão muito grande na época. Ele era um vilão. Uma das funções da arte é mostrar certas situações e ensinar. Hoje, a mulher tem mais coragem e respaldo para denunciar e tomar atitudes, para evitar, responder e impedir assédio e violência. Basta de agressão às mulheres. Isso não pode mais acontecer”, pontua o ator, aos 67 anos.

Situações inusitadas e peculiares não faltaram devido a tremenda repercussão da trama. “Na época, eu era perseguido na rua. Passei um final de semana, em Búzios, e enquanto minha mulher olhava roupas em uma loja, fiquei esperando na Rua das Pedras. Nisso, veio uma senhora, me dando bronca, com o dedo em riste na minha cara e falando: ‘Larga essa menina, você não vale nada’. Ela foi vindo pra cima de mim, eu fui recuando, entrei na loja e fui para o provador para fugir da mulher que estava me ameaçando”, relembra. “Outra vez, em um supermercado, uma senhora ameaçou me bater com um guarda-chuva”, acrescenta sobre a repercussão deste trabalho, exibido inicialmente entre 2000 e 2001.

Henri revive o sucesso de Laços de Família, 20 anos depois (Foto: Arquivo Pessoal)

Henri revive o sucesso de Laços de Família, 20 anos depois (Foto: Arquivo Pessoal)

E frisa: “Foi estranho ser xingado. Quem vê algo assim pensa que você é um mau caráter que está importunando a pessoa, mas ao mesmo tempo, na verdade, este tipo de situação era um sinal de que a minha interpretação estava tocando as pessoas, surtindo o efeito que o autor, o diretor e eu queríamos”, afirma.

“A novela é boa e atual. O Maneco (o autor Manoel Carlos ) sempre lidou bem com o lado humano dos personagens. Mesmo de máscara, me identificam pela voz. As pessoas veem e me falam: ‘como era incrível o personagem’. Não tem o impacto da novidade, mas tem ainda o reconhecimento pelo trabalho”, observa.

E Henri faz uma ressalva sobre esse seu emblemático papel. “Ele não veio pronto, era pequeno. Eu fui ganhando, tem um mérito gigantesco meu, fui conquistando com meu trabalho”, observa e cita outros dois vilões que também adorou fazer: O César, de Mulheres de Areia , também na Globo, e Chaim, em O Rico e Lázaro , na Record.

Em termos afetivos, na vida real, Henri tem uma vida oposta e pacata. Há 35 anos, ele está casado com a autora Teresa Frota, com quem namorou por dois anos. “Gosto muito, a gente divide bem a relação por igual de amizade, tesão, amor. Isso funciona. Acho que sou um sortudo”, ressalta sobre sua parceira de vida e trabalho. Os dois, inclusive, se apaixonaram no decorrer da temporada do espetáculo Caiu o Ministério , no qual ele interpretava o marido da personagem dela. “Encontrei a mulher que eu curto, que me atura e vamos até o final dos tempos”, acrescenta. Os dois são pais de João Pedro, de 31 anos.

Além de ator e diretor, Henri também é médico. Ele nunca abandonou essa outra profissão. Mas foi mudando de especialidade. Antes, lidava com doenças infecciosas, passou pela acupuntura até chegar na medicina estética. “Atendo em clínica de uma amiga”, conta ele que aplica botox, faz peeling, laser e preenchimento. “Uma vez, uma amiga colocou um pouco na minha testa, mas não tenho problema com ruga. A primeira pergunta que faço a um paciente é ‘o que o incomoda?’”, diz.

Henri e Teresa com o filho, João Pedro, na Praça do Comércio, antigo Terreiro do Paço, em Lisboa, Portugal (Foto: Arquivo Pessoal)

Henri e Teresa com o filho, João Pedro, na Praça do Comércio, antigo Terreiro do Paço, em Lisboa, Portugal (Foto: Arquivo Pessoal)

A dedicação a essa área ficou ainda mais reduzida depois de 2017, ano em que não foi renovado seu contrato com a Record. Agora, de volta à emissora, ele tem contrato por obra. Em 2018, uma mudança radical. Henri e Teresa foram morar em Lisboa. Em geral, ele vem ao Rio quando tem algum trabalho. Em 2019, gravou Jezabel . E está no Brasil desde 15 de novembro por conta da novela Gênesis , que estreia no dia 19. Ele vai dar vida a Isac. Na capital portuguesa, o ator já atuou no teatro e participou da novela Valor da Vida , na TVI, em 2018/2019.

“Nessa altura da vida me dei de presente morar um tempo por lá. Sempre curti demais Portugal. Aqui no Brasil está muito barra pesada. Brinco que Lisboa é o Rio de Janeiro que deu certo, tem o espírito carioca, sem falar na tranquilidade. Aqui, no Rio temos um nível doentio de estresse pela violência e pelo jeito que o país está largado, é uma decepção geral. Lá, nem tenho carro. Ando de ônibus, de trem sem problema. Se vou ficar mais dois, cinco, dez anos eu não sei. Mas vou e volto, vou e volto, trabalhando nos dois lugares”, assegura. “Os portugueses respeitam muito os atores, os professores, os médicos”, completa.

Desde 2018, Henri mora em Lisboa e costuma vir ao Brasil, em geral, para trabalhar (Foto: Arquivo Pessoal)

Desde 2018, Henri mora em Lisboa e costuma vir ao Brasil, em geral, para trabalhar (Foto: Arquivo Pessoal)

Quando a pandemia explodiu e veio a quarentena, Henri ia estrear, em Lisboa, a peça Os Impagáveis , escrita por sua mulher. Dois meses depois, quando os teatro foram reabertos, eles puderam encenar. “Lá, o presidente e o primeiro ministro foram à televisão e pediram para as pessoas se recolherem. Na minha família, ninguém testou positivo para Covid-19. Eu me cuido, ando direto com álcool gel, máscara, só saio para o que for necessário. Vamos ter que viver esse tempo. E com todos os cuidados e protocolos vou trabalhar”, conclui.

Teresa e Henri tem uma parceria afetiva e profissional (Foto: Arquivo Pessoal)

Teresa e Henri tem uma parceria afetiva e profissional (Foto: Arquivo Pessoal)

Comentários para "Henri Pagnoncelli, vilão em ‘Laços de Família, faz discurso contundente: “Basta de agressão às mulheres”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany voltará às quadras na próxima terça-feira, para o segundo jogo da decisão do Campeonato Paulista, em Barueri

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Em 2018, eu dei uma entrevista, inclusive eu estava aqui em Osasco, quando eu disse que não concordava.

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

A mostra tem entrada gratuita com agendamento prévio pelo site do IMS.

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

O PSB lembra na ação que, sem uma classificação particular, os feminicídios e as mortes causadas por violência policial vão sofrer um apagão de dados, o que dificulta a definição de políticas públicas para proteger os grupos vulneráveis.

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Jornalista Maria Ressa foi condecorada com o Nobel da Paz em 2021; prêmio também foi concedido ao russo Dmitry Muratov -

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

A novela exclusivamente rural, que caiu no gosto do público, entrou agora para o catálogo da Globoplay e a partir desta segunda, 11, poderá ser assistida em edição completa - são 126 capítulos.

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Divisão digital impacta empregabilidade, saúde reprodutiva e autonomia corporal de mulheres

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Além da sua doença, Severo enfrentou ainda um AVC do marido, Aderbal Freire. A veterana de 74 anos disse que voltar a gravar novela tem ajudado a superar esse período desafiador.

"Nunca quiseram nos escutar, então criamos um ambiente nosso, de acolhimento", diz slammer

Vencedora da Final Gaúcha de Slam, Tiatã conversou com o Brasil de Fato RS sobre a arte das batalhas de poesia das ruas

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Não nos matem