×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de agosto de 2022

"Impedir que mulheres possam decidir sobre seus corpos é negar cidadania plena", afirma Jalussa

Foto: Jalussa é professora da Uneb e pesquisadora associada do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM - UFBA) - Cortesia

A professora e pesquisadora, Jalussa Arruda, discute sobre direitos sexuais e reprodutivos em entrevista

Gabriela Amorim - Brasil De Fato | Salvador (ba) - 23/07/2022 - 20:54:38

Nos últimos anos, os direitos reprodutivos e sexuais das mulheres têm sofrido uma série de ataques de grupos da extrema direita, diminuindo inclusive o acesso das mulheres e meninas a políticas públicas de proteção e prevenção. Nesta entrevista, conversamos sobre o tema com a professora Jalusa Arruda, doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e pesquisadora associada do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM/UFBA).

Brasil de Fato Bahia: Jalusa, sobre o que estamos falando quando dizemos direitos reprodutivos das mulheres?

Jalussa Arruda: Bom, direitos reprodutivos dizem respeito ao direito de as pessoas decidirem de forma livre, autônoma e responsável se vão ou não querer ter filhos, quantos filhos vão ter ou não e em qual momento de suas vidas vão ter ou não filhos. Os direitos reprodutivos englobam também o direito a ter informações, a ter conhecimento e acesso a meios, métodos e técnicas para que essa decisão de ter ou não, quando ter ou não, possa ser realizada efetivamente de maneira autônoma. É por isso também que os direitos reprodutivos têm uma relação intrínseca com os direitos sexuais, que é o direito de a gente exercer nossa sexualidade de maneira livre de discriminação e de violência. O que é muito importante falar sobre os direitos reprodutivos e sexuais é que a Conferência Internacional sobre a População em Desenvolvimento das Nações Unidas, realizada no Cairo, em 1994, reconheceu como direitos humanos. E os direitos humanos que dizem respeito ao bem-estar físico, mental, político, econômico, social e, justamente por isso, a sexualidade e a reprodução se tornam dimensões da cidadania e dialogam com os direitos humanos, civis e políticos, econômicos e sociais, sobretudo nesse contexto pós-1994, com a concepção universal e indivisível dos direitos humanos.

Ultimamente, tem se discuto muito sobre o direito ao aborto. Quais são os limites atuais do direito ao aborto no Brasil? E por que esse é considerado um direito tão importante?

É muito importante para a gente discutir aqui que há consequências graves no campo da saúde pública no caso de abortos clandestinos, abortos feitos em más condições e que tem a ver com a mortalidade materna. Então, se nós estamos falando de uma situação que compromete a saúde das mulheres, que tem uma incidência na saúde pública, o Estado precisa prevenir essas situações. E a prevenção, obviamente, não tem absolutamente nada a ver com a criminalização. Os limites atuais para pensar o aborto no Brasil são de diversas ordens. Vamos nos ater aqui a um caminho pra gente poder não se estender muito na nossa conversa. Mas acho que um ponto importante que a gente sempre precisa desconstruir é esse falso dilema ético que existe em torno das discussões sobre o aborto. Essas discussões maniqueístas sobre se é a favor ou contra o aborto. As questões que dizem respeito ao aborto no Brasil hoje nem de longe passam por isso. Esse é um falso dilema que a gente precisa desconstruir, porque não se trata de ser a favor. Nós não somos a favor da interrupção ilegal de uma gravidez, não é isso. Na verdade a nossa discussão passa por querer preservar e garantir a saúde das mulheres e o direito à autonomia e liberdade dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. O ponto é esse.

O aborto legal e seguro é fundamental para a preservação da vida das mulheres. É pela vida das mulheres, pelo exercício dos direitos sexuais e reprodutivos, como a gente disse, são dimensões da cidadania. Não permitir que as mulheres possam livremente decidir sobre seus corpos, é negar um elemento fundamental que compõe a cidadania plena. Nós mulheres não podemos dizer que temos direito a uma cidadania plena se é negado a nós o direito de decidir sobre os nossos corpos e sobre como nós vamos exercer e viver os nossos direitos sexuais e reprodutivos. Então, nesse sentido, é fundamental a gente pensar não apenas na discriminalização e na despenalização, mas na legalização ampla do aborto. A criminalização serve tão somente à moralidade patriarcal, e ela expõe as mulheres à morte, principalmente, as mulheres pobres. E principalmente as mulheres negras, que têm um risco de morte por aborto três vezes maior do que as mulheres brancas. A gente não pode desconsiderar que o racismo afeta também a experiência reprodutiva das mulheres. Então, quando a gente fala de aborto — e talvez esse seja um dos principais limites, que tem a ver obviamente com a nossa secularização, com as dificuldades que a gente tem de compreender a laicidade do Estado, como regime jurídico de convivência —, o aborto é uma questão de justiça social, de saúde pública, de equidade social e de direitos humanos. E não basta pra gente a descriminalização e a despenalização do aborto. O aborto precisa ser amplamente legalizado, o que significa afastar o caráter criminoso do aborto, mas não só isso. Também garantir a prática sem quaisquer sanções, garantir o procedimento nos serviços públicos de saúde, garantir às mulheres o acesso ao aborto seguro.

enfrentar essa cruzada ultraconservadora contra os direitos das mulheres, enfrentar a violação sistemática dos direitos das mulheres nos últimos anos, inevitavelmente, é enfrentar Bolsonaro e o bolsonarismo.

Nos últimos anos, nós temos assistido a uma escalada de conservadorismo no país e na condução das políticas públicas. Como isso tem afetado a área do direito reprodutivo e sexual das mulheres?

Acho muito importante essa discussão. E enfrentá-la. E enfrentar essa cruzada ultraconservadora contra os direitos das mulheres, enfrentar a violação sistemática dos direitos das mulheres nos últimos anos, inevitavelmente, é enfrentar Bolsonaro e o bolsonarismo. É vencer Bolsonaro nas urnas e o nas ruas. A gente tem várias dimensões aí. Desde a redução drástica do orçamento de políticas para mulheres no governo Bolsonaro, justamente no momento da pandemia, quando as mulheres sofreram tanto para manter suas famílias; até o baixo nível de execução do orçamento do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, das políticas para mulheres nesse período. A gente tem agora com esse caso do ex-presidente da Caixa Econômica o assédio moral e sexual como uma política de gestão. Enfim, eu poderia ficar aqui a noite inteira, o dia inteiro conversando contigo sobre o quão nocivo é esse governo Bolsonaro e o bolsonarismo para o direito das mulheres. Acho que essa é uma coisa que a gente não pode deixar de dizer. Para nós pensarmos em qualquer coisa diferente do que a gente está vivendo hoje não existe outro caminho, a gente precisa vencer Bolsonaro nas urnas e derrotar o bolsonarismo nas ruas.

Vamos lembrar que há exatamente dois anos atrás, em uma reunião em Genebra, pra votar uma resolução da ONU sobre a discriminação contra a mulher, o Brasil votou junto com Afeganistão, Iraque, Paquistão e Arábia Saudita. O Brasil votou junto com países islâmicos no sentido de tirar a menção à garantia de acesso à educação sexual e reprodutiva. Imagine o que é isso significa! O Brasil concordou com uma proposta do Paquistão de eliminar a educação sexual da resolução da ONU! Imagine quão grave isso é, o impacto que isso tem do ponto de vista da garantia dos direitos das mulheres e das meninas. Um exemplo de como essas políticas públicas conservadoras afetam os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres é a perversidade desse manual do Ministério da Saúde publicou recentemente, que incentiva profissionais da saúde a encaminharem para investigação meninas e mulheres vítimas de estupro que tentarem acessar o serviço de aborto legal no país. Diz ainda que todo aborto é crime, imagine, que loucura! Nós já temos a poucos possibilidades de realização do aborto, o aborto legal é realizado em poquíssimas situações. E ainda temos essa restrição do Ministério da Saúde, considerando que o aborto é uma questão de saúde pública. Então, não há como a gente pensar preservação da vida das mulheres e garantia dos direitos das mulheres sob a égide do governo Bolsonaro. E lembrar que não é apenas a figura dos Bolsonaros, mas as lideranças políticas e religiosas ultraconservadoras que o acompanham. Lembrando que, obviamente, não é toda liderança religiosa que tem postura ultraconservadoras nesse nível. A gente sabe disso. Existem movimentos religiosos que são super importantes, como o Católicas pelo Direito de Decidir, que é um movimento importante não apenas aqui no Brasil, mas de articulação internacional, que tem uma discussão sobre o direito das mulheres, sobre a preservação da vida, o exercício da autonomia e da liberdade das mulheres. Mas, dentro do governo Bolsonaro, no bolsonarismo e essas lideranças políticas e religiosas que aí estão precisam ser derrotadas nas urnas para que a gente possa pensar em algum avanço sobre os direitos sexuais e reprodutivos, porque se isso não acontecer… É algo que eu nem quero imaginar, porque eu não sei o que mais vem por aí, o que mais poderemos sofrer.

não dá para fazer prevenção à violência sexual sem a gente discutir educação sexual

E qual o impacto da ausência e/ou da dificuldade de acesso a esses serviços na vida das mulheres e meninas?
Penso que um dos impactos mais devastadores tem a ver com a letalidade, né?! E esse governo já demonstrou que é um governo que executa uma política de morte. A gente tem os dados da Covid pra dizer isso, temos aí os dados do feminicídio… Imagine que em um ano de pandemia, em que a gente teve o aumento de casos de violência doméstica contra a mulher, nós tivemos redução nos investimentos no orçamento das políticas para as mulheres, tivemos uma baixa execução do orçamento para as políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres. Então, acho que esse talvez seja um dos mais graves e mais devastadores impactos. Acho que é importante a gente falar também da prevenção e do enfrentamento das violências sexuais contra crianças e adolescentes. Porque pautas conservadoras criam interdições para políticas de prevenção à violência sexual contra criança e adolescente. Porque não dá para fazer prevenção à violência sexual sem a gente discutir educação sexual, sem a gente conversar com os sujeitos que sofrem a violência sobre como eles podem se perceber na violência e o que eles podem fazer, e como a gente pode identificar, enquanto rede de atendimento do sistema de garantia de direitos, casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. Então, esse é um impacto muito grave e que tem uma incidência muito séria nos dados sobre a violência contra criança e adolescente no Brasil. Sendo que os dados indicam pra gente — os dados do Disque 100, mas também dos Sistemas de Informação dos serviços de saúde — que violência sexual é uma das principais violências praticadas contra crianças e adolescentes hoje em dia.

Edição: Elen Carvalho

Comentários para ""Impedir que mulheres possam decidir sobre seus corpos é negar cidadania plena", afirma Jalussa":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro