×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de dezembro de 2021

Índia vive onda de protestos contra lei de cidadania que discrimina muçulmanos

Índia vive onda de protestos contra lei de cidadania que discrimina muçulmanosFoto: V. Arun Kumar/ Peoples Dispatch

Manifestações em todo o país questionam medida recém aprovada e considerada "fundamentalmente discriminatória" pela ONU

Zoe Pc Brasil De Fato | São Paulo (sp) E Peoples Dispatch | Nova Delhi (índia), - 22/12/2019 - 08:41:33

Na última semana, as ruas da Índia estremeceram com grandes manifestações contra a Emenda à Lei de Cidadania (CAA, na sigla em inglês), que fixa critérios para reconhecimento de cidadania indiana a estrangeiros com base na identidade religiosa.

Os críticos à medida afirmam que os critérios aprofundam as divisões religiosas entre a população, violam a Constituição e tentam promover uma redefinição do conceito de cidadania na Índia.


Diversos setores da população – incluindo partidos de esquerda e do centro, movimentos populares, organizações estudantis, da sociedade civil e muçulmanos –estão participando do levante.

O Estado tem respondido com repressão aos protestos multitudinários. Em apenas uma semana, milhares de pessoas foram detidas, centenas ficaram feridas e foram registradas ao menos 13 mortos.

Em várias regiões e cidades o governo implementou a Seção 114, uma figura jurídica herdada das leis coloniais britânicas – a Índia permaneceu sob domínio da Inglaterra até 1950 – que proíbe a reunião de mais de quatro pessoas no mesmo local. O governo também suspendeu serviços de telefonia e internet em regiões onde os protestos foram mais contundentes, e logrou efetivamente impedir a comunicação sobre o que estava acontecendo.

Apesar da repressão, o povo continua nas ruas desafiando o governo do partido hindu-nacionalista Bharatiya Janata (BJP, segundo a sigla em inglês), que, desde começou o segundo mandato, intensificou os ataques contra as minorias e a classe trabalhadora.

O que é a Emenda à Lei de Cidadania?

A Lei de Cidadania foi implementada há 64 anos e a Emenda aprovada pelo BJP passou por anos de construção. A medida abre a possibilidade de que estrangeiros do Paquistão, Afeganistão e Bangladesh que tenham sofrido perseguição religiosa em seus países, antes considerados "migrantes ilegais", solicitem a cidadania indiana.

A Emenda, entretanto, limita os pedidos a praticantes das religiões hindú, sikh, budista, jain, parsi e cristã. Os muçulmanos foram excluídos.

O texto foi apresentado pelo ministro do Interior Amit Shah, do BJP, ao Congresso no dia 9 de dezembro. A aprovação na Câmara Baixa – a Índia adota um sistema legislativo bicameral semelhante ao brasileiro – ocorreu no mesmo dia. Dois dias depois, a medida foi aprovada na Câmara Alta e, no terceiro dia, o presidente Ram Nath Kovind sancionou a Emenda.

Violência policial já teria ocasionado ao menos 13 mortes durante manifestações; registro de protesto na zona da mesquita de Jama Masjid, em Nova Delhi

Opositores afirmam que o critério de conceder cidadania com base em identidades religiosas viola a Constituição, que garante direitos fundamentais independentemente de casta, religião ou sexo. Em algumas regiões, os governos estatais declararam que não implementariam a Emenda alegando sua inconstitucionalidade.

"Nós só respondemos aos ideais da Constituição da Índia, não à ideologia fundamentalista do RSS-BJP", declarou o governador do estado de Kerala. O RSS, mencionado pelo governador, é o Rashtriya Swayamsevak Sangh, um movimento fascista de massas que atua junto ao BJP.

Muçulmanos perseguidos

O principal questionamento à medida é por conta de quem ela deixa de fora. A Emenda exclui a comunidade muçulmana, que é grande parte da população migrante na Índia, e mantém essa comunidade numerosa na ilegalidade.

O argumento do BJP é que a lei é uma medida humanitária, e nos três países vizinhos contemplados pela medida, a comunidade muçulmana não é perseguida. Ao contrário do que diz o governo indiano, é notória a perseguição aos muçulmanos Ahmadis, no Paquistão, e Hazaras, no Afeganistão.

Além disso, os Rohingyas, de Myanmar, são uma comunidade muçulmana que, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), estão em risco de genocídio. Essa comunidade também está de fora da nova legislação.

De acordo com a ONU, os Rohingyas são vítimas de desalojo, extorsão, detenção arbitrária, trabalho forçado, violência sexual e massacres. Por conta dessa realidade, 700 mil muçulmanos dessa comunidade foram obrigados a abandonar Myanmar e fugiram para países vizinhos, incluindo Bangladesh e Índia. Estima-se que estejam vivendo na Índia, pelo menos 40 mil Rohinqyas.

Da mesma forma, os refugiados do Sri Lanka tampouco foram contemplados. Por conta da grave guerra civil que assola o país, dezenas de milhares de pessoas de fugiram do Sri Lanka para a Índia. Há cerca de 65 mil refugiados do país vivendo em acampamentos desde a década de 1990 que seguem com estado migratório indefinido e que, agora, correm risco de serem deportados.

Manifestação no chamado Portão da Índia, monumento central em Nova Delhi

E o Registro Nacional de Cidadãos?

Para entender melhor o contexto em que se aplica a Emenda à Lei de Cidadania, é preciso compreender o funcionamento do Registro Nacional de Cidadãos (NRC, na sigla em inglês). O NRC é um mecanismo que verifica a cidadania dos cidadãos da Índia e que remove aqueles que não podem com provar um estado legal.

Até hoje, o NRC foi implementado somente no estado de Assam, no nordeste indiano, e 1,9 milhões de pessoas foram excluídas do registro oficial de cidadãos e enviados a centros de detenção, incluindo pessoas hindus e muçulmanos.

O governo do BJP anunciou repetidas vezes que vai aplicar o NRC em todo o país. Os resultados do NRC em Assam permitem prever que milhões de pessoas ainda serão excluídas do registro oficial nos outros estados, correndo risco de detenção e deportação.

Nesse sentido, a oposição na Índia afirma que a Emenda é uma jogada do governo para assegurar que as pessoas hindus que não foram contadas como cidadãos pelo NRC poderão acessar a cidadania. Faz parte do projeto fundamental do BJP de consolidar a Índia como um país hindu e de excluir as minorias, particularmente a comunidade muçulmana.

Protestos na capital indiana foram convocados inicialmente por professores e estudantes universitários

Rechaço das ruas

A Emenda à Lei de Cidadania despertou grande reprovação de diversos setores dentro e fora da Índia. Desde que foi apresentado no parlamento no dia 9 de dezembro, as mobilizações pela revogação da medida são diárias.

No começo, os protestos se concentraram na região nordeste do país, que historicamente receberam os principais fluxos migratórios dos países vizinhos. Em resposta, o governo enviou a repressão militar e bloqueou as telecomunicações na região.

Depois da aprovação da Emenda, estudantes e professores das principais universidades muçulmanas, a Universidade Jamia Millia Islamia, na capital Nova Delhi e Universidade Aligarh Muslim, em Aligarh, se uniram às manifestações.

No terceiro dia de protestos, domingo (15), a polícia reprimiu a mobilização das universidades. Vídeos circularam mostrando estudantes presos e desmaiados nos banheiros e na biblioteca da Universidade Jamia Millia enquanto a polícia atirava bombas de gás lacrimogênio e agredia com cassetetes. Só em Jamia, mais de 50 estudantes foram presos.

A brutal repressão serviu para despertar outros setores da população. No dia 19, os principais partidos da esquerda indiana, como o Partido Comunista da Índia (Marxista), o Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista), e o Bloco Toda Índia em Frente convocaram uma mobilização nacional contra a lei e contra a repressão policial. Nesse dia, centenas de milhares de pessoas protestaram em dezenas de cidades. Outra vez houve grande repressão oficial.

A nível internacional, o Alto Comissariado da ONU pelos Direitos Humanos denunciou a Emenda e a classificou como "fundamentalmente discriminatória".

Os protestos massivos já completam uma semana, e o momento é de crescimento da mobilização. O governo do BJP, no entanto, não dá sinais de que vá retroceder.

Edição: Rodrigo Chagas

Comentários para "Índia vive onda de protestos contra lei de cidadania que discrimina muçulmanos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Efeito de arrasto da CIIE ajuda café brasileiro a explorar ainda mais o mercado chinês

Efeito de arrasto da CIIE ajuda café brasileiro a explorar ainda mais o mercado chinês

Um barista apresenta café do Brasil aos consumidores chinese no evento de exibição do Dia Nacional do Café do Brasil em Shanghai, leste da China, em 3 de dezembro de 2021.

A democracia não deve ser decidida por

A democracia não deve ser decidida por "juízes autonomeados", diz a China em relatório

Segundo o relatório intitulado "China: democracia que funciona", a democracia é "um ideal" que sempre foi valorizado pelo Partido Comunista da China (PCC) e pelo povo chinês.

Dia Internacional destaca voluntariado para construção de futuro mais próspero

Dia Internacional destaca voluntariado para construção de futuro mais próspero

Voluntário do Unicef na Tailândia

Papa Francisco alerta para

Papa Francisco alerta para "retrocesso da democracia"

Ele citou a Europa e o resto do mundo

Presidente Jair Bolsonaro recebe convite de Vladimir Putin para visitar a Rússia

Presidente Jair Bolsonaro recebe convite de Vladimir Putin para visitar a Rússia

O presidente russo, Vladimir Putin, fala durante cerimônia para receber as credenciais de embaixadores estrangeiros no Kremlin, em Moscou, Rússia, 1º de dezembro de 2021

Um ano do desaparecimento de Lichita, a criança capturada pelo exército paraguaio

Um ano do desaparecimento de Lichita, a criança capturada pelo exército paraguaio

Mural da campanha "Eran niñas" ("eram crianças") no ato desta terça-feira (30) em Buenos Aires, em frente à Embaixada do Paraguai.

Sistema das Nações Unidas apresenta diversas oportunidades de trabalho

Sistema das Nações Unidas apresenta diversas oportunidades de trabalho

Confira as vagas para postos em países de língua portuguesa

A África não pode ser penalizada por identificar e reportar nova variante, diz Guterres

A África não pode ser penalizada por identificar e reportar nova variante, diz Guterres

Em nota, o secretário-geral, António Guterres, elogiou a comunidade médico-científica da África do Sul por reportar a emergência ao mundo, de forma rápida

França afirma que não será refém da política britânica para imigração

França afirma que não será refém da política britânica para imigração

Ministro francês disse que país deve “limitar atratividade econômica”

Variante Ômicron chega a quatro continentes; Holanda confirma 13 casos

Variante Ômicron chega a quatro continentes; Holanda confirma 13 casos

"Não é improvável que mais casos apareçam na Holanda", disse o ministro da Saúde da Holanda, Hugo de Jonge. "Isso pode ser a ponta do iceberg".

Rússia afirma que se opõe à politização dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing

Rússia afirma que se opõe à politização dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing

A Rússia se opõe à politização dos próximos Jogos Olímpicos de Inverno em Beijing, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, na quinta-feira.