×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

Jair Bolsonaro sabota o bom senso, a racionalidade e as esperanças de quem o elegeu

Jair Bolsonaro sabota o bom senso, a racionalidade e as esperanças de quem o elegeuFoto: Tribuna da Internet

Na covid-19, Bolsonaro ainda não entndeu quem é o inimigo…

Roberto Damatta-estadão / Tribuna Da Internet - 16/04/2020 - 17:06:47

É mais comum e plausível atribuir problemas e dificuldades a inimigos externos do que a sentimentos, indecisões e frustrações que vêm de dentro de nós mesmos. Bruxos, feiticeiros, demônios e inimigos são extravagantes. Pessoas deformadas, seres intermediários, gênios ou estrangeiros. Recriminamos quem não sabe bem o seu lugar ou quem simplesmente não cabe num sistema classificatório.

Basta um mínimo de saber psicológico para desvendar o problema: os inimigos nem sempre vêm de fora. De fato, quem regularmente nos ataca somos nós mesmos – ou um pedaço não percebido de nós que, inevitavelmente, vira quinta-coluna ou carrasco. Seja porque é negado, seja porque jamais é levado em conta e, eis um problema capital, seja porque nós somos inseguros ou ignorantes.

NOS TIRA A PAZ – A covid-19 vem de fora para dentro, mas torna-se letal quando se instala dentro de nós. Então, como um pesadelo, ele nos tira a paz. É muito mais fácil lutar contra um inimigo claramente marcado do que enxergar os mecanismos que usamos para nos adoentar.

E nisso o Brasil, que experimentou todos os regimes políticos, tem sido campeão. Pois se mesmo nas democracias originais e consolidadas é complicado ser democrata, imagine fazer isso tendo como base um regime monárquico e escravocrata no qual os negros eram seres legalmente classificados como semi-humanos.

Um sistema, ademais, cujos intelectuais estavam convencidos pela ideia simplista (para não dizer cretina) de que num lugar idealizado chamado “Europa”, existiam sociedades perfeitas.

DESIGUALDADE INTERNA – Apesar dos dissabores, falamos com mais objetividade da covid-19 do que com o que ela, como um hóspede execrável, demanda. O problema não é só a extrema letalidade do vírus, mas como, num país de mandões, organizar as autoridades que, eventualmente, politizam o vírus para tirar da pandemia pequenas desforras como se fossem crianças disputando bolas de gude quando, na verdade, a doença nos obriga a enxergar os frutos podres de um país desgraçadamente arruinado por uma desigualdade interna da qual ele é o único responsável.

Como se a aposta no tanto pior melhor e todo esse desamor pelo Brasil não fossem suficientes, assistimos abestalhados a um teatro de horrores produzido pelo próprio presidente da República que, conscientemente, sabota o bom senso, a racionalidade e as esperanças de quem o elegeu.

Eis um líder que não sabe quem é o inimigo nesta lamentável sociedade de patrões que ainda discute se o socialismo de estado inevitavelmente autoritário é melhor do que um liberalismo econômico probo fundado na igualdade como um valor e coadjuvado por filantropia. Essa inconsciência sobre quem é o inimigo revela como somos os maiores inimigos de nós mesmos.

VARGAS E JÂNIO – Eu vivi o suicídio de honra de Vargas e a renúncia de Jânio Quadros – suicídios políticos que quase destruíram as esperanças de mais igualdade numa democracia incipiente. Guardando as singularidades, em ambos os casos o maior obstáculo não veio de fora, mas de dentro.

Tal como a Lisboa dos 1800 viu a família real e a sua corte abandonarem o reino, estamos vendo hoje um eleito dilapidar com gosto epidêmico e sem piedade o seu capital eleitoral. Se Vargas se matava por motivos morais, se Jânio Quadros abandonava o palco por conta de “forças ocultas” – fantasmas que podem ser atribuídos mais a Jânio do que ao sistema político –, hoje assistimos estupidificados a um presidente usar o seu papel mais para discordar, desafiar e agredir do que para executar as regras que jurou solenemente levar a sério.

O QUE FAZ O MEDÍOCRE? – Há um conhecido adágio na área da administração. Em geral, o medíocre prefere a mediocridade. Escolher quem é melhor pode causar o desconforto do confronto inevitável com a sua própria burrice, mas traz felicidade para a categoria ou para a terra que você lidera.

Caso contrário, faça como o personagem de Machado de Assis, o Dr. Simão Bacamarte, que se internou no manicômio criado por ele próprio porque, depois de alienar todo mundo, ele agora sabia que o louco era ele.

(artigo enviado por José Antonio Perez)

Comentários para "Jair Bolsonaro sabota o bom senso, a racionalidade e as esperanças de quem o elegeu":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

No último domingo, 15, cerca de 800 toneladas de manganês foram apreendidas pela PRF na BR-155, em Marabá. O minério estava sendo transportado de forma ilegal, num comboio de 14 carretas

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Unep Grid Arendal/Riccardo Pravettoni Plantações na Amazônia brasileira

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Brasil tem vantagem competitiva com créditos de carbono

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Como os indígenas preservam o pirarucu

Como os indígenas preservam o pirarucu

Comunidades adotam o plano de manejo que gera renda e salva o gigante amazônico da extinção

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Ampla oferta não garante contratação imediata

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Antes da crise sanitária, 19,2% do total de pessoas empregadas na América Latina já estava em emprego rural

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Segundo associações de gás brasileiras, 25 novas usinas têm orçamento de mais de R$ 55 bilhões para, até 2030, ofertar 30 milhões de m3/dia do combustível. O biogás também é uma alternativa para volatilidade do preço do óleo diesel.

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

'A migração interna de médicos é determinada por questões econômicas, sociais e demográficas, há fatores individuais e profissionais associados à decisão de mudar', afirma Mauro Ribeiro, presidente do CFM

Grupo MM fala dos desafios do mercado de eventos na retomada ao mundo presencial

Grupo MM fala dos desafios do mercado de eventos na retomada ao mundo presencial

O desafio agora, segundo Meire é reformatar o mercado, a partir das novas ferramentas e tecnologias que foram criadas durante a pandemia

Ibama remove servidor que investigou maus tratos a girafas no RJ; Categoria denuncia retaliação

Ibama remove servidor que investigou maus tratos a girafas no RJ; Categoria denuncia retaliação

Mudança de cargo foi determinada por militar indicado por Bolsonaro; servidores veem desmonte da fiscalização