×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

Justiça determina soltura de advogada suspeita de injúria racial em BH após pagamento de fiança de R$ 10 mil

Justiça determina soltura de advogada suspeita de injúria racial em BH após pagamento de fiança de R$ 10 milFoto: Por G1 Minas — Belo Horizonte

Natália Burza Gomes Dupin, de 36 anos, teria dito: 'Eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo'. Caso aconteceu nesta quinta-feira, na Região Centro-Sul da capital mineira.

Por G1 Minas — Belo Horizonte - 07/12/2019 - 13:02:39

A Justiça determinou, neste sábado (7), a liberdade provisória mediante pagamento de fiança no valor de R$ 10 mil da advogada Natália Burza Gomes Dupin, de 36 anos, suspeita de injúria racial a um taxista na Avenida Álvares Cabral, no bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte.

Natália foi ouvida pela juíza Roberta Chaves Soares em uma audiência de custódia, no Fórum Lafayette, no bairro Barro Preto, na Região Centro-Sul. Caso ela descumpra as determinações judiciais, poderá ser presa novamente. A advogada foi presa na tarde desta quinta-feira (5).

De acordo com a Polícia Militar (PM), Luiz Carlos Alves Fernandes, de 51 anos, perguntou se a mulher, que estava com o pai idoso, precisava de um táxi; ela disse que precisava sim, mas não andava com "preto".

Ainda conforme a ocorrência, o motorista alegou que a mulher não poderia dizer aquilo, porque era crime; ela respondeu: "eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo". E na sequência cuspiu no pé dele.

O taxista chamou a PM. A mulher de 36 anos foi detida e levada para uma companhia da polícia. No local, ela ainda desacatou os militares, chegou a chamar uma sargento de “sapata”, conforme a ocorrência, e foi algemada.

Mulher suspeita de injúria racial é levada para a delegacia em BH

Mulher suspeita de injúria racial é levada para a delegacia em BH

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que a advogada presa e autuada por injúria racial após ofender um taxista em Belo Horizonte. Aos gritos de "racista", ela é conduzida por policiais para uma delegacia.

No início da tarde desta sexta-feira (6), a Polícia Civil informou que a mulher foi encaminhada para uma unidade prisional do estado, mas o local não foi divulgado.

Segundo a corporação, Natália também foi autuada por desacato, desobediência e resistência contra os policiais militares. O delegado não pode arbitrar fiança pois o somatório das penas é maior que o permitido. (veja no vídeo acima).

A defesa dela disse que só vai comentar o caso no curso do processo que, a partir de agora, corre em segredo de Justiça.

Mulher foi detida por suspeita de injúria racial em BH  — Foto: Danilo Girundi/TV Globo

Mulher foi detida por suspeita de injúria racial em BH — Foto: Danilo Girundi/TV Globo

Mulher é detida por injúria racial contra taxista em BH

Mulher é detida por injúria racial contra taxista em BH

Mulher que ofendeu taxista em BH vai responder por injúria racial e desacato

Mulher que ofendeu taxista em BH vai responder por injúria racial e desacato

Comentários para "Justiça determina soltura de advogada suspeita de injúria racial em BH após pagamento de fiança de R$ 10 mil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

Criminalista Patricia Vanzolini, eleita presidente da OAB-SP

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

Programa Empodera vai capacitar público feminino para lutar por causas comuns; a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, diz como isso vai funcionar

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

O Curta Maria foi objeto de monografia de conclusão de Curso de Bacharelado em Direito, no Paraná

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

ONU defende estratégias abrangentes e de longo prazo que protejam direitos das mulheres e meninas

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Iniciativa defende anonimato em denúncias de violência contra mulheres

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

Iniciativa Utopiar, marca de roupa feminina ensina técnicas têxteis a mulheres que sofreram violência doméstica

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Participaram da pesquisa 1.503 pessoas (1.001 mulheres e 502 homens), com 18 anos de idade ou mais, entre 22 de setembro e 6 de outubro de 2021 em todo o País. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

Entidade defende investigação sobre denúncia de agressão sexual

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Timão vence a competição pela terceira vez na história

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

A conquista da irmã foi comemorada nas redes sociais, inclusive por Gabriel Medina, que está um pouco mais distante de sua família, mas fez questão de elogiar Sophia. "Campeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!