×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Legislativo ou Levingativo?

Legislativo ou Levingativo?

Foto: Divulgação

Legislativo fez, exata e precisamente, o contrário do que o povo pediu: o projeto popular que visava combater à corrupção converteu-se em programa de criminalização da conduta de promotores e juízes que investigam a corrupção.

Estadão Conteúdo - 30/06/2019 - 15:24:29

O pulmão do Parlamento brasileiro, após o sopro vital inalado do povo nas ruas, ao invés de respirar democraticamente, parece dar novos sinais de asfixia representativa. Se a rejeição da PEC da Impunidade, que proibia o Ministério Público de investigar, simbolizava ares de esperança de uma vida legislativa ventilada pela pulsação legítima da sociedade, deliberações que, hoje, entram na ordem do dia, ferem de morte o corpo social manifestante.

Em passado não muito distante, foram sepultados, juntos com aquela PEC, os textos substitutivos intermediários – que, na prática, proibiam a investigação sem proibir -, acenando-se para a população que ao Ministério Público está entregue a função geral de investigação criminal, de forma livre e independente. Apesar da reivindicação popular obedecida, o oxigênio das manifestações populares de junho de 2013 parece ter chegado ao fim nos cilindros do Congresso Nacional.

Naquela ambiência de protestos públicos, o projeto de lei sobre as “10 medidas contra a corrupção”, agora em discussão, foi iniciado diretamente pelo povo, como um grito enérgico pelo titular soberano do poder que é. Mas, à surdez deliberada de seus representantes políticos, acabou de todo invertido no seio do Poder Legislativo.

Ou seja: o Legislativo fez, exata e precisamente, o contrário do que o povo pediu: o projeto popular que visava combater à corrupção converteu-se em programa de criminalização da conduta de promotores e juízes que investigam a corrupção.

De acordo com a proposta aprovada, a instauração de procedimentos investigatórios sem indícios de prova passa a configurar crime praticado pelo promotor, podendo ser preso. Ora, mas a instauração de investigação não se destina justamente a colher indícios de prova? E a quem compete avaliá-los? Além disso, o projeto criminaliza a violação à prerrogativa de advogados. Significa dizer que, se houver necessidade de preservação de sigilo das investigações para que o investigado não prejudique a apuração de crimes, e o promotor ou o juiz negar-lhes acesso aos autos, poderão responder e ser presos.

Por outro lado, o projeto ainda confere aos investigados o poder de processar criminalmente o promotor que os investigue e o juiz que os condene, por algum tipo de inconformismo com o exercício dos respectivos ofícios. Então, promotores e juízes, ao investigarem a corrupção, serão investigados pelos advogados de corruptos, por ordem deles. Não bastasse, poderão ser processados, condenados e presos se prestarem contas à população a respeito de casos sob a sua apreciação quando, ao contrário, a Constituição impõe um dever de transparência e publicidade referente aos atos estatais.

Ocorre que o Ministério Público, assim como a Magistratura, não defende o interesse particular de ninguém, nem percebe honorários para o desempenho do seu trabalho, personificando valiosos interesses da sociedade. Portanto, o contra-ataque ao Ministério Público configura um ataque contra toda a sociedade, representada naquela Instituição, e o pior, desferido por aqueles que deveriam encarnar o seu espírito.

Desse modo, aprovado à toque de caixa, sem discussão social, esconde-se o propósito de intimidar e amordaçar o Ministério Público e a Magistratura em sutilezas técnicas que a opinião pública, na velocidade da vida, não consegue vislumbrar, impedindo o enfrentamento da pior chaga do país. É como se tampassem a ferida para o paciente não mais ver, e o sangue agora escorresse letalmente sem o sofrimento popular.

O perigo, portanto, não são eventuais excessos funcionais de integrantes do Sistema de Justiça, já coibidos pelas instâncias correicionais competentes. O verdadeiro risco para a democracia reside na falta de compromisso com a vontade geral fundamental, manifestada na lei de iniciativa popular, como também na ausência de reconhecimento por parte de um Poder do Estado em relação à autoridade de outro Poder ou suas Instituições essenciais e, ainda, na desconstrução total do desenho institucional elaborado pelo Constituinte originário.

Presentes tantos vícios, males e defeitos na legislação que o Congresso Nacional busca implementar, trocando os sinais do projeto que a população enviou sob novos ares de esperança representativa, não deveria transformá-lo em vontade legislativa de vingança, cuja infecção da ferida o povo ajudou a estancar. É o que o país espera na sequência parlamentar das votações.

*Tulio Caiban Bruno, p romotor de Justiça. Diretor de Defesa de Direitos e Prerrogativas Funcionais/A MPERJ

Comentários para "Legislativo ou Levingativo?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

"Carta bate com o que faço aqui", diz professor que levou documento para Londres

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego