×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de outubro de 2021

Mais vulnerável. Explosões de raiva aumentam o risco de câncer

Mais vulnerável. Explosões de raiva aumentam o risco de câncerFoto: Pixabay

Nessa condição, a pessoa fica mais vulnerável ao surgimento de doenças crônicas, como câncer, artrite e complicações cardíacas

Por Carmen Souza - Correioweb - 15/06/2019 - 23:07:47

As explosões de raiva recorrentes não comprometem apenas a relação com amigos e parentes. A saúde do idoso que se irrita com facilidade também corre perigo. Segundo um estudo da Universidade Concórdia, no Canadá, as reações de fúria aumentam as inflamações no corpo. Nessa condição, a pessoa fica mais vulnerável ao surgimento de doenças crônicas, como câncer, artrite e complicações cardíacas.

Para chegar à conclusão, os pesquisadores acompanharam 226 homens e mulheres com idade entre 59 e 93 anos. Durante uma semana, os participantes responderam a questionários sobre o quanto estavam zangados ou tristes e tiveram amostras de sangue coletadas.

A análise dos dados revelou que a raiva pode fazer mais mal à saúde dos idosos do que a tristeza. “Nosso estudo mostrou que a raiva pode levar ao desenvolvimento de doenças crônicas, enquanto que a tristeza não”, frisa Meaghan A. Barlow, autora principal do estudo, publicado na revista científica Psychology and Aging.

Os cientistas concluíram também que idosos mais velhos são os principais prejudicados. A equipe canadense dividiu os participantes em duas faixas etárias: com 59 a 79 anos e com mais de 80. Ao analisar as amostras de sangue, descobriram níveis maiores de inflamação nos voluntários do segundo grupo.

Controle

Meaghan A. Barlow levanta uma hipótese para explicar a diferença. “Os idosos mais jovens podem usar essa raiva como combustível para superar os desafios da vida. Ela se torna problemática para quem chega aos 80 anos porque é quando muitos experimentam situações irreversíveis, quando perdas e alguns dos prazeres da vida estão fora de alcance”, explica.

Segundo os autores do estudo, os resultados servem de alerta para a importância de idosos buscarem alternativas que os ajude a manter as emoções equilibradas. A equipe canadense sugere psicoterapia e atividades educativas como auxílios para a redução da raiva e a busca pelo autoconhecimento. “Entender melhor quais emoções negativas são prejudiciais, não prejudiciais ou mesmo benéficas para as pessoas mais velhas pode ajudá-las a lidar com as perdas de maneira saudável e a deixar sua raiva”, diz Barlow.

Comentários para "Mais vulnerável. Explosões de raiva aumentam o risco de câncer":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Proposta foi aprovada hoje e segue para análise do Senado

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Doações de sangue tiveram um redução de 13% neste mês e para alguns tipos sanguíneos o estoque está em níveis críticos

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

De acordo com o IPEA, no início da pandemia já chegava a 222 mil o número de pessoas vivendo em situação de rua no Brasil