×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Malafaia cobra ministros do Centrão a defender indicação de Mendonça ao STF

Malafaia cobra ministros do Centrão a defender indicação de Mendonça ao STFFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Os evangélicos são o principal pilar de sustentação da indicação de Mendonça ao STF e têm se esforçado mais do que o governo para que a escolha seja concretizada.

Estadão Conteúdo - 11/10/2021 - 21:23:30

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo divulgou nesta segunda-feira, 11, um vídeo em que cobra dos ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, da Secretaria de Governo Flávia Arruda, e das Comunicações, Fábio Faria, uma defesa para aprovação de André Mendonça como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).


"Se o senhor Ciro Nogueira é a favor da indicação de André Mendonça, convoque a imprensa. Não é para mim, não. O senhor é obrigado a vir a público dar uma satisfação", declarou o pastor, que é aliado próximo do presidente Jair Bolsonaro. Os evangélicos são o principal pilar de sustentação da indicação de Mendonça ao STF e têm se esforçado mais do que o governo para que a escolha seja concretizada.



As declarações de Malafaia acontecem um dia depois de reportagem do jornal Folha de S. Paulo apontar que políticos do Centrão - grupo do qual fazem parte Ciro, Flávia e Fábio - articulam para que a indicação de Mendonça ao STF seja retirada e substituída pela do presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Cordeiro, que é apadrinhado pelo ministro da Casa Civil.



"Os ministros palacianos são políticos. Ele (Fábio Faria), o ministro Ciro Nogueira, que é da Casa Civil, e a ministra Flávia Arruda, que é da Secretaria de Governo, são políticos. Eles são obrigados a emitirem nota e trabalharem pela indicação do presidente", afirmou Malafaia.



Bolsonaro fez a indicação para o STF há quase três meses, no dia 13 de julho. Mesmo se forem desconsiderados os 15 dias de recesso parlamentar, a demora para acontecer a sabatina é maior que o tempo que os dez ministros atuais do Supremo tiveram que esperar.



Num movimento pouco usual e que expõe a crise na articulação política do governo, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), se recusa a colocar na pauta a indicação de Mendonça. Sem a sabatina e a votação na CCJ, o processo não anda.



Alcolumbre, que está insatisfeito com o governo por ter perdido o controle da liberação de emendas e ter sido preterido para escolha de um ministério, tem dito a interlocutores que não há votos para aprovar o nome do ex-ministro e sugere ao Palácio do Planalto que troque a indicação pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.



Na semana passada, não houve sequer sessão da CCJ no Senado, apesar de Alcolumbre ter ficado em Brasília e participado da convenção que selou a união entre DEM e PSL para formar o novo partido União Brasil. Durante o evento, o senador declarou que a sabatina do ministro ainda segue sem previsão de acontecer.



Também na semana passada, em manifestação oficial ao STF, em uma ação em que é cobrado a justificar a demora na sabatina, o senador do Amapá disse que ainda não pautou a indicação de Mendonça por não haver "consenso" em torno da escolha dele.



Na última sexta-feira, 8, Malafaia também havia criticado Ciro Nogueira por conta do atraso na sabatina de Mendonça. O pastor também incluiu nas críticas o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que é responsável por representar os interesses do Palácio do Planalto na Casa Legislativa.



"Queria aproveitar e mandar uma mensagem também para o ministro Ciro Nogueira e para o líder do governo, Fernando Bezerra, que ninguém vai enganar a comunidade evangélica. E que não adianta jogo debaixo dos panos para botar alguém de interesses porque não vai dar certo", afirmou o líder religioso.



Nesta segunda, 10, o presidente Jair Bolsonaro criticou Alcolumbre por não pautar a sabatina de André Mendonça na CCJ do Senado. Em entrevista coletiva no litoral de São Paulo, onde passa o feriado prolongado, Bolsonaro insinuou que o senador estaria travando a apreciação por ter interesse em conduzir outro nome para a Corte. "A indicação é minha. Se ele quer indicar alguém para o Supremo (...), ele se candidata a presidente ano que vem", afirmou Bolsonaro, que até agora vinha evitando criticar abertamente Alcolumbre.



Bolsonaro, por sua vez, atribuiu a demora a um suposto jogo político por parte do senador. Segundo o presidente, o parlamentar estaria se antecipando ao plenário da Casa e impedindo a sabatina por não querer dar prosseguimento à indicação. "Ele pode votar contra, mas o que ele está fazendo não se faz", reclamou.



fonte: Estadão Conteudo


Comentários para "Malafaia cobra ministros do Centrão a defender indicação de Mendonça ao STF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Simone Tebet: “Mais do que constrangidos, militares e nomes do Centrão devem ser indiciados”

Simone Tebet: “Mais do que constrangidos, militares e nomes do Centrão devem ser indiciados”

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) participou ativamente das sessões da CPI

CPI da Covid propõe pensão para órfãos da pandemia e marca último depoimento

CPI da Covid propõe pensão para órfãos da pandemia e marca último depoimento

Conforme revelou o Estadão em junho, o governo federal planejava criar um benefício especial para órfãos da covid-19 dentro da reformulação do programa Bolsa Família.

Ministério Público fiscaliza todo mundo e não tem código de ética, diz Lira

Ministério Público fiscaliza todo mundo e não tem código de ética, diz Lira

De acordo com o parlamentar, o projeto visa apenas dar um "paridade" nos membros do Ministério Público com a sociedade Civil.

Senadores pedem que Lewandowski reveja decisão sobre sabatina de André Mendonça

Senadores pedem que Lewandowski reveja decisão sobre sabatina de André Mendonça

Ao decidir sobre o caso no início da semana, o ministro concluiu que a análise da indicação é assunto interno do Senado Federal e não cabe intervenção do Judiciário.

Justiça cancela medida da Polícia Rodoviária Federal que abrandava punição ao transporte de armas

Justiça cancela medida da Polícia Rodoviária Federal que abrandava punição ao transporte de armas

Segundo a Justiça, pela legislação atual, a prática é considerada como crime. O deputado Eduardo Bolsonaro, que ajudou a promover a nova regra, criticou a suspensão.

Ministro Rogerio Schietti do STJ: Sem MP forte e independente a nação vai falir

Ministro Rogerio Schietti do STJ: Sem MP forte e independente a nação vai falir

Schietti atuou por 26 anos no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, ocupando inclusive o cargo mais alto da instituição, o de Procurador-Geral de Justiça.

Ex-ministro da Saúde de Dilma pede ao TCU que investigue presidente do CFM

Ex-ministro da Saúde de Dilma pede ao TCU que investigue presidente do CFM

A conduta do CFM com relação à prescrição de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 também é alvo de investigação aberta pelo Ministério Público Federal em São Paulo. A Procuradoria chegou a apontar 'indicativos de uma atuação possivelmente irregular' do órgão.

Juízes engrossam coro do MP contra a PEC 5

Juízes engrossam coro do MP contra a PEC 5

Presidente a AMB, maior associação de juízes do país, assina duro posicionamento contra a proposta que aumenta o poder dos políticos em inquéritos

Promotores e procuradores fazem protestos contra a PEC que altera 'Conselhão'

Promotores e procuradores fazem protestos contra a PEC que altera 'Conselhão'

O CNMP, ou "Conselhão", é responsável por fiscalizar a conduta de membros do Ministério Público.

Cinco dos 10 ministros do STF já classificaram rachadinha como crime em julgamentos, diz mídia

Cinco dos 10 ministros do STF já classificaram rachadinha como crime em julgamentos, diz mídia

Processos analisados pelos ministros da Corte guardam semelhanças com as investigações envolvendo o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro, filhos do presidente Jair Bolsonaro.

Justiça afasta Sérgio Camargo da gestão de pessoal da Fundação Palmares

Justiça afasta Sérgio Camargo da gestão de pessoal da Fundação Palmares

Em sua decisão, o juiz disse ainda que a medida é cautelar e pode ser revista, mas é necessária para 'coibir eventuais práticas tidas, a princípio, como abusivas'.