×
ContextoExato
Responsive image

Mal-estar com militares. Servidores preparam ofensiva para cobrar reajustes salariais do governo de Brasília

Mal-estar com militares. Servidores preparam ofensiva para cobrar reajustes salariais do governo de BrasíliaFoto:

Escola de samba terá que devolver quase R$ 1 milhão

Por Helena Mader - Eixo Capital - 13/03/2019 - 09:06:01

Gerou mal-estar entre os militares a ausência do governador Ibaneis Rocha na reunião com representantes de associações de bombeiros e policiais, na manhã de ontem. Parte dos convidados chegou a defender que o grupo deixasse o Palácio do Buriti e se recusasse a negociar com secretários. Alguns militares, entretanto, acalmaram os rebeldes e os convenceram a manter a reunião. A presença do secretário da Casa Civil, Eumar Novacki, ajudou a pacificar os ânimos. Ele é coronel da Polícia Militar do estado do Mato Grosso.

Exigência de experiência nos conselhos tutelares

Os deputados distritais aprovaram ontem o projeto que muda as regras para a eleição de conselheiros tutelares. O governo queria retirar a exigência de comprovação de experiência em trabalhos com crianças e jovens, mas a ideia acabou derrotada. A principal mudança é que, a partir de agora, os eleitores poderão votar em apenas um candidato, e não em cinco, como antes. A bancada evangélica tentou aprovar uma emenda prevendo que entidades religiosas pudessem atestar a experiência dos candidatos a conselheiro tutelar, mas foi derrotada. A sessão de ontem foi a primeira do ano realizada no plenário, que estava fechado para obras.

 (Minervino Junior/CB/D.A Press - 29/3/17 )

Servidores preparam ofensiva para cobrar reajustes salariais

A negociação do governo com os servidores da segurança pública mobilizou dezenas de categorias a também cobrarem reajustes salariais. Amanhã, os professores da rede pública farão paralisação durante todo o dia, com a realização de uma assembleia às 9h30, no estacionamento do Mané Garrincha. Além de exigir o pagamento da terceira parcela do aumento, suspenso em março de 2015, os docentes querem 37% de reajuste, mesmo percentual oferecido à Polícia Civil. “Esse aumento é essencial para que o governo cumpra a lei que exige a equiparação do salário dos professores à média de nível superior do GDF”, argumenta Cláudio Antunes, diretor do Sinpro. Além da questão salarial, os professores vão apresentar ainda uma pauta relacionada à melhoria das condições de trabalho nas escolas e com relação à qualidade do ensino.

Ibaneis recebe sindicalistas

Representantes do Sindicato dos Servidores e Empregados da Administração Direta, Fundacional, das Autarquias, Empresas Públicas e Sociedades de Economia do DF (Sindser) têm reunião marcada com o governador Ibaneis Rocha às 11h de hoje. É a primeira vez que o chefe do Executivo vai se encontrar com integrantes da entidade, para a qual Ibaneis já advogou antes da vida pública. “Queremos discutir uma pauta a longo prazo, com foco na valorização dos servidores. Mas não vamos abrir mão da pauta econômica”, explica o presidente do sindicato, André da Conceição.

 (Reprodução/Internet)

MPF contra benefício de Estevão

Responsável pela investigação e pelas denúncias contra o ex-senador Luiz Estevão no caso da construção do TRT, a Procuradoria Regional da República em São Paulo acompanha com apreensão o processo que pode levá-lo à liberdade. A instituição divulgou nota ontem contra a progressão de regime para Luiz Estevão. No documento, a Procuradoria lembra que o empresário não devolveu o dinheiro desviado, estimado em R$ 1,04 bilhão, não pagou a multa de R$ 8 milhões, teve mau comportamento na cadeia e ainda foi acusado de corrupção na Papuda. “O Núcleo de Combate à Corrupção entende que as infrações disciplinares cometidas por Luiz Estevão, em plena vigência do esquema de corrupção da Diretoria da Papuda, já seriam suficientes para impedir a progressão de regime por caracterizarem mau comportamento carcerário”, argumentam os procuradores.

 (Ed Alves/CB/D.A Press - 12/2/13 )

Escola de samba terá que devolver quase R$ 1 milhão

A escola de samba Água Imperial, uma das mais tradicionais do carnaval de Brasília, terá que devolver R$ 901 mil aos cofres públicos. A determinação é do Tribunal de Contas do Distrito Federal, que julgou irregular a prestação de contas da agremiação referente ao carnaval de 2009. Uma década depois, a Corte determinou a devolução dos recursos, por conta de indícios de fraudes e de uma suposta triangulação financeira “com o objetivo de ocultar o verdadeiro destinatário dos recursos repassados por este convênio”.

Siga o dinheiro

R$ 2.218.980,90

Valor estimado de gasto do GDF para a realização de corridas de rua, como a Corrida de Reis

Comentários para "Mal-estar com militares. Servidores preparam ofensiva para cobrar reajustes salariais do governo de Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório