×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de janeiro de 2022

Mandetta diz a Bolsonaro que, enquanto for ministro, vai contrariá-lo se orientação não for técnica

Mandetta diz a Bolsonaro que, enquanto for ministro, vai contrariá-lo se orientação não for técnicaFoto: CorreioWeb

Chefe da pasta da Saúde deu novo tom sobre isolamento após reunião com o presidente para 'reposicionamento técnico'.

Por Andréia Sadi - Jornal Hoje (tv Globo... - 29/03/2020 - 22:14:12

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, avisou ao presidente Bolsonaro que faria um “freio de arrumação” durante a entrevista coletiva deste sábado (29) com a equipe da pasta sobre o combate o coronavírus.

Desde a última quarta-feira (25), um dia após o pronunciamento do presidente na TV que contrariou autoridades de saúde e o próprio ministério do governo de Bolsonaro — atitude que deixou políticos perplexos —, Mandetta estava sendo cobrado por uma posição dura, que reverberasse o trabalho dos técnicos de sua equipe. Mas a resposta técnica do ministro não veio nas 24 horas que se seguiram ao pronunciamento presidencial. Pelo contrário: Mandetta, em entrevista coletiva na quarta-feira, se ajustou ao tom do discurso politico do presidente, afirmando que havia exageros no confinamento social para combater o coronavírus.

A postura de Mandetta irritou aliados, como parlamentares e governadores, e decepcionou técnicos da pasta — sua equipe — e a comunidade científica. A turma do Ministério da Saúde pediu uma postura mais dura de Mandetta, que reagiu dizendo que não tinha flexibilizado sua posição, apenas dera um prazo para o presidente pensar melhor e recuar. Mas não foi isso que ocorreu, pelo contrário.

Antes da entrevista coletiva de Mandetta da tarde de quarta-feira, Bolsonaro dobrou a aposta já pela manhã, dizendo que pediria ao ministro para determinar o isolamento parcial, só confinado o grupo de risco.

Aliados de Mandetta também viram no pronunciamento do presidente na TV um subtexto: uma provocação para que o ministro reagisse e pedisse demissão, livrando o presidente do desgaste de demitir, hoje, o fiador do governo na área da Saúde, que tem apoio de técnicos e da população, além de interlocução com governadores e a comunidade científica.

Por esse motivo, Mandetta justificou a aliados que não agiria de cabeça quente e pediu a conversa de sábado com o presidente no Alvorada para se reposicionar e chancelar a equipe do Ministério da Saúde.

A reunião no Palácio da Alvorada foi tensa, com o objetivo de anunciar um “reposicionamento técnico” do chefe do Ministério da Saúde. Mandetta, segundo o blog apurou, disse ao grupo presidencial, que contou com ministros da ala militar, o presidente Bolsonaro e o presidente da Anvisa, que, enquanto estivesse à frente do Ministério da Saúde, goste o presidente ou não, iria desautorizar Bolsonaro sempre que houvesse uma declaração do chefe do Executivo na contramão do que defendem os técnicos do Ministério da Saúde.

O ministro vê no tom político do presidente uma tentativa de agradar apoiadores que o municiam com vídeos por Whatsapp pedindo o fim da quarentena para reativar a economia.

Durante a semana, Mandetta e a equipe do Ministério da Saúde estavam irritados, principalmente, com a exibição por Bolsonaro e seus filhos de caixas de remédio para combater o coronavírus sem comprovação científica. Também causou espécie ao grupo técnico a divulgação de uma campanha do governo para que as pessoas deixem suas casas para trabalhar, argumentando que o Brasil não pode parar.

O ministro da Saúde avisou ao Planalto que, se a campanha não tivesse sido proibida, o próprio ministério pediria à Justiça para suspendê-la.

A dúvida sobre se Mandetta fica ou sai também foi tratada no encontro. Presente à reunião, Antonio Barra, presidente da Anvisa, é um dos nomes apontado nos bastidores como favoritos para a eventual substituição de Mandetta.

Na fila dos candidatos também está Osmar Terra, ex-ministro de Bolsonaro. Segundo o blog apurou, Mandetta repetiu em privado o que diz nas entrevistas coletivas: que o cargo é do presidente, que pode colocar quem quiser, mas que Barra não duraria na pasta pois quem criou vínculo de confiança com a sociedade brasileira durante pandemia foi ele e sua equipe na Saúde.

Ministros da ala militar afirmam ao blog que o presidente quer uma “paralisação rápida”, para evitar maiores danos para a economia. Mandetta disse ao presidente que concorda, que é o desejo de todos, mas que não tem como prever o que acontecerá e supor números, apenas contar com a ciência. E defende uma trégua, uma união com envolvidos no combate ao vírus durante a pandemia.

Ao blog, aliados do ministro elogiaram sua entrevista coletiva em seguida à reunião de sábado. Amigos do ministro que governam estados com forte base bolsonarista, procuraram o próprio Mandetta para dizer a ele que estavam de “alma lavada” com sua mudança de tom. Mas temem uma eventual recaída do ministro, para sobreviver politicamente ao cargo, se Bolsonaro pressionar ou atacá-lo publicamente.

Sobre isso, a quem lhe pergunta, Mandetta repete que a possibilidade é "zero" de pedir para sair. Faz, ainda, uma analogia com a profissão de médico, sua formação: repete que, pelo código de ética médico, não pode abandonar o paciente. Neste caso, o Brasil. Mas deixa claro que a família, o pai do paciente (o presidente), pode trocar o médico quando quiser. Ou, ainda, o “pai” pode discordar do tratamento (orientação técnica) que o médico prescreve. Mas terá de avisar ao país e explicar os motivos pelos quais decidiu trocar o médico.

Comentários para "Mandetta diz a Bolsonaro que, enquanto for ministro, vai contrariá-lo se orientação não for técnica":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

As operações do último ano flagraram situações de trabalho análogo ao escravo em 23 dos 27 estados. Minas Gerais, mais uma vez, foi o estado com mais ações fiscais

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

A ANM fica proibida de liberar novas autorizações de pesquisa mineral, permissão de lavra garimpeira e concessão de lavra mineral na região, no perímetro que abrange as terras indígenas Parakanã, Trocará e suas adjacências.

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Voo com brasileiros deportados dos EUA chega a Belo Horizonte

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Se privatizar a Eletrobras haverá aumento da conta de luz e precarização dos serviços, diz integrante de Coletivo

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019