×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Maratonista eritreu fecha participação do time de refugiados em Tóquio 2020

Maratonista eritreu fecha participação do time de refugiados em Tóquio 2020Foto:

Acnur realça resiliência e visão positiva do atleta, após obstáculos físicos e mentais; karatecas da Síria e Iraque entre últimas participações da Equipe Olímpica de Refugiados, que estreou na Rio 2016.

Portal Onu News De Noticias - 07/08/2021 - 11:44:14

Equipe Olímpica de Refugiados foi criada para destacar crise global de pessoas buscando abrigo

O eritreu, de 23 anos, foi um dos porta-bandeiras da Equipe Olímpica de Refugiados, com a nadadora síria Yusra Mardini.

Rio 2016

A lista de 29 integrantes foi compilada pelo Comitê Olímpico Internacional apoiado pela Agência da ONU para Refugiados, Acnur. A primeira delegação deste tipo competiu nos Jogos Olímpicos Rio 2016, no Brasil.

As mais recentes apresentações da delegação aconteceram desde a quinta-feira com o karateca sírio Wael Shueb. Na mesma modalidade, o iraniano Hamoon Derafshipour esteve a um passo de se classificar para as semifinais da categoria de kumite masculino, ao competir no grupo de menos de 67 quilos.

Dorian Keletela, membro da equipe olímpica de refugiados de Tóquio 2020, Sprinter, originalmente do Congo, treina no Centro de Treinamento Nacional de Portugal.

Dorian Keletela, membro da equipe olímpica de refugiados de Tóquio 2020, Sprinter, originalmente do Congo, treina no Centro de Treinamento Nacional de Portugal.

Agora com as esperanças dos refugiados voltadas para a performance de Tachlowini Gabriyesos, o Acnur ressalta que o jovem atleta “nunca abandonou a paixão pela corrida”, desde que deixou a Eritreia com 12 anos.

Resistência

As jornadas por grandes distâncias começaram quando ele foi forçado a deixar seu país de origem devido aos conflitos. Tachlowini percorreu os desertos entre o Sudão e o Egito, a pé, até chegar a Israel onde treina diariamente em Tel Aviv.

A agência destaca o corredor de médias e longas distâncias pela “resiliência, ao ter enfrentado diversos obstáculos com resistência física, força mental e uma visão positiva”.

Corredora Anlelina Nadai, do Sudão do Sul, treina em Nairobi. Ela faz parte da Equipe Olímpica de Refugiados

Corredora Anlelina Nadai, do Sudão do Sul, treina em Nairobi. Ela faz parte da Equipe Olímpica de Refugiados

Em 2019, ele foi um dos seis escolhidos para a Equipe de Refugiados no Campeonato Mundial de Atletismo de Doha 2019. Numa escala em Istambul, Tachlowini perdeu a oportunidade de competir, após ter ficado num aeroporto da cidade turca durante 27 horas por problemas com o visto.

Crise global

No ano seguinte, Tachlowini foi mais uma vez impedido de viajar para a Polônia para participar da meia-maratona mundial em Gdynia.

Em 2021, o total de 29 atletas fez parte da Equipe Olímpica de Refugiados. Ela foi criada para destacar a crise global de pessoas buscando abrigo. A ONU estima haver 82,4 milhões de cidadãos forçados a se deslocar em todo o mundo.

*Com informações do Acnur.




Comentários para "Maratonista eritreu fecha participação do time de refugiados em Tóquio 2020":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

‘Cidade Cor’ vai reunir estudantes de 34 escolas para bate-papo e show da cantora Ellen Oléria

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.