×
ContextoExato

Maria Bethânia revela Brasil plural, pulsante e resistente em sua obra

Maria Bethânia revela Brasil plural, pulsante e resistente em sua obraFoto: Divulgação

Bethânia combina o que há de mais pujante na cultura popular brasileira, sem saudosismos, com denúncia e anúncio

Leonardo Nogueira Brasil De Fato | Belo Horizonte (mg) - 21/06/2021 - 09:06:10

Brasil aparece como passado-presente dilacerado e como porvir que brota das mãos indígenas, sertanejas e ribeirinhas

Na última sexta-feira (18), Maria Bethânia comemorou 75 anos de vida, 56 deles dedicados ao ofício de cantar o Brasil. Com sua insubmissa voz, Bethânia traduz a dor e a glória do povo de um país fraturado pelo passado escravista e colonial.

Parafraseando a professora Heloisa Starling (UFMG), Bethânia é uma verdadeira intérprete do Brasil que, no campo da arte, dedica sua vida a expressar nos palcos os elementos que explicam as particularidades da sociedade brasileira.

:: Mia Couto e Maria Bethânia: um encontro poético ::

Da sua estreia oficial no espetáculo Opinião (1965) aos seus últimos trabalhos, como “Meus quintais” (2015), o Brasil aparece simultaneamente como passado-presente dilacerado e como porvir que brota das mãos indígenas, sertanejas, ribeirinhas, do “oásis de Bethânia”.



É das formas simples e altamente sofisticadas construídas pela diversidade característica do povo brasileiro que Bethânia se guiou. Dito de outra maneira, o Brasil é o seu farol.

Não o “Brazil” atravessado pela indústria cultural estadunidense, mas o Brasil de Guimarães e Drummond, de Caymmi e Noel Rosa, da Festa de Santo Amaro da Purificação e da Estação Primeira de Mangueira, do Recôncavo da Bahia e do Rio de Janeiro, da devoção à Santa Bárbara e à Yansã, do axé que pulsa no Terreiro de Mãe Menininha do Gantois à fé em Nossa Senhora Aparecida.

Bethânia combina o que há de mais pujante na cultura popular brasileira, sem saudosismos, com denúncia e anúncio

Ao sair da Bahia para encarar o Teatro de Arena com apenas 17 anos interpretando Carcará, canção-potência de João do Vale, substituindo Nara Leão e sendo dirigida por Augusto Boal, a filha de Dona Canô crava nos palcos um destino irrecusável: ser umas das maiores intérpretes do Brasil. Verso, prosa e canção em sintonia, em alguns momentos que a sua própria voz constrói harmonia e melodia.

:: Pitacos Culturais: Maria Bethânia comanda programa sobre poesia ::

Bethânia ratifica um jeito especial de decodificar trechos de poesias com canções que tomam em sua voz uma nova forma e adquirem um outro sentido.

A peculiaridade da interpretação de Bethânia propiciou a Rafael Andrade investigar em sua dissertação de mestrado na UFMG como Bethânia (re) cria um gênero discursivo ao unir canções e poemas.

Com Bethânia, a palavra escrita e falada parece mesmo adquirir uma potência que ultrapassa a música e os livros.

Nada de genialidade, ao contrário, tamanha a humildade da Maricotinha que captou a melodia dos versos de João Cabral, a dramaticidade da prosa de Clarice Lispector, a capacidade comunicativa de Guimarães e, com isso, construiu um estilo singular, híbrido entre o teatro e a música.

A valorização da cultura popular e da identidade nacional, sem dúvida, é um elemento indissociável de sua obra

O resgate do samba do Recôncavo, do candomblé, dos festejos católicos, do profano carnaval, o miúdo do sertão e a força dos povos indígenas assumem, com o fôlego que lhe é peculiar, parte destacada do sentido de sua obra.

Basta qualquer aproximação com os clássicos “Rosa dos ventos” (1971) e “A cena muda” (1974) ou com seus preciosos trabalhos dos anos 2000, como Brasileirinho (2003) e Pirata (2006), para que seja possível encontrar o Brasil plural, pulsante e resistente.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Brasil que insiste em (re)fundar-se

Com Bethânia é possível (re)encontrar o Brasil que nunca se curvou, o Brasil que insiste em (re)fundar-se numa direção oposta aos sonhos das elites que fantasiam e gozam com verdadeiros delírios da baixa aristocracia.

Não por acaso, em sua primeira apresentação ao vivo transmitida pela internet durante a pandemia, Bethânia, como proferiu Padre Antônio Vieira em São Luiz do Maranhão, no sermão de “Santo Antônio aos peixes”, vocaliza o sentimento indignado do povo brasileiro ao clamar por “vacina, respeito, verdade e misericórdia”.

Todo dia 18 de junho é mais um dia para brindar a existência de Maria Bethânia, a abelha rainha da música brasileira.


*Leonardo Nogueira é mineiro, militante da Consulta Popular e professor na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida

Comentários para "Maria Bethânia revela Brasil plural, pulsante e resistente em sua obra":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório