×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de junho de 2022

Medidas impulsionam ‘audácia antidemocrática’ das polícias, diz antropólogo

Medidas impulsionam ‘audácia antidemocrática’ das polícias, diz antropólogoFoto: Estadão

Ex-secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares afirma que o Rio já é exemplo de como governadores são reféns das forças policiais e critica projeto para dar mais ‘autonomia’ às corporações

Estadão Conteúdo - 12/01/2021 - 18:49:07

Uma das maiores autoridades do País em Segurança Pública, o antropólogo Luiz Eduardo Soares critica o projeto que busca dar mais “autonomia” às polícias Civil e Militar , revelado pelo Estadão na segunda-feira, 11. A ideia, diz, tornaria as corporações ainda mais alheias a controles externos. Isso, segundo o ex-secretário nacional de Segurança Pública, já ocorre desde que as polícias criaram para si o que chama de “enclave” pós- ditadura militar - que as teria deixado de fora da cultura democrática construída no País.

“Se as medidas propostas forem aprovadas, o enclave se libertará dos constrangimentos que hoje ainda limitam sua audácia antidemocrática”, afirma o pesquisador.

Coordenador de Segurança, Justiça e Cidadania no governo do Rio entre 1999 e 2000, quando foi demitido pelo governador Anthony Garotinho após denunciar a existência de uma “banda podre” na polícia, Soares diz que os mandatários estaduais são reféns das corporações. O status de secretaria dado pelo governador afastado Wilson Witzel ( PSC ) às polícias Civil e Militar, por exemplo, seria fruto disso.

“O Rio engrenou o retrocesso antes do conjunto do País. O fim da Secretaria de Segurança foi o último gesto de um processo que pode ser definido como a rendição do poder civil à força das corporações policiais, das quais os governadores tornaram-se reféns”, aponta.

Confira abaixo a entrevista ao Estadão.

Como o senhor avalia essas medidas que buscam dar mais “autonomia” às polícias, como a criação de um Conselho Nacional de Polícia Civil e lista tríplice para escolher o comandante-geral da PM?

Analisadas em conjunto, as medidas propostas apontam numa mesma direção: a autonomização das polícias, relativamente às autoridades política, civil e republicana. A intenção é blindar as instituições policiais dos controles externos e torná-las ainda mais opacas do que já são. Esse movimento que visa ao insulamento corporativo é extremamente grave porque, se bem sucedido, consolidaria o enclave em que as polícias se encapsularam desde a promulgação da Constituição. Elas formaram um enclave institucional, refratário à Constituição e à cultura democrática. Desde 1988, elas nunca se submeteram aos poderes da República.

Como assim?

As polícias, a despeito de contradições e resistências internas respeitáveis – porém isoladas –, formaram um “gueto” não homogêneo, que cultiva e preserva valores, visões de mundo, crenças e práticas da ditadura. Enquanto a sociedade, apesar das contradições, começava a enfrentar o racismo e as desigualdades, o enclave permanecia impermeável aos avanços sociais, reativando a memória da escravidão e a violência típica do regime militar. O enclave foi viabilizado pela cumplicidade de segmentos importantes do MP e da Justiça, assim como de governadores e políticos. Se as medidas propostas forem aprovadas, o enclave se libertará dos constrangimentos que hoje ainda limitam sua audácia antidemocrática.

O Rio foi na linha desse projeto de lei ao dar status de secretaria para as polícias. O que o senhor tem achado dessa experiência de fim da Secretaria de Segurança?

O Rio engrenou o retrocesso antes do conjunto do País. O fim da Secretaria de Segurança foi o último gesto de um processo que pode ser definido como a rendição do poder civil à força das corporações policiais, das quais os governadores tornaram-se reféns.

Bolsonaro tem os militares como base e costuma frequentar cerimônias de formatura País afora, especialmente no Rio (onde três a cada quatro agendas dele são com militares). O senhor vê uma tentativa de “bolsonarizar” as polícias? Qual é o perigo disso?

A maioria dos policiais era de bolsonaristas avant la lèttre, antes de Bolsonaro. O presidente apenas deu corpo e inscreveu no campo político a cultura do enclave: as crenças e práticas herdadas da ditadura, refratárias ao Estado democrático de direito, insubmissas ao controle externo e à autoridade civil republicana. As milícias são apenas a hipertrofia mais ostensiva de uma patologia institucional patrocinada pela pusilanimidade que se generalizou.

Comentários para "Medidas impulsionam ‘audácia antidemocrática’ das polícias, diz antropólogo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Desenvolvimento de energia renovável impulsiona China por metas de carbono

Desenvolvimento de energia renovável impulsiona China por metas de carbono

Até o final de maio deste ano, a capacidade instalada de energia renovável do país atingiu um novo recorde, ultrapassando 1,1 bilhão de quilowatts, observou o relatório.

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

No campo tecnológico, a iniciativa contempla o desenvolvimento e a expansão da tecnologia das comunicações e a informação trabalhando com "provedores confiáveis", que forneçam 5G e 6G, conforme apontou a Casa Branca.

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Drogas ilegais apreendidas.

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Decisão foi tomada por seis votos a três e abre margem para que estados possam vetar o procedimento.

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

A comunidade internacional deve defender a Carta das Nações Unidas e se esforçar para manter a paz em um mundo volátil, disse ele.

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Segundo analistas, trata-se de uma "mudança de maré" provocada pelo descontentamento com governantes anteriores.

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

A Polícia Federal brasileira informou que a prisão decorreu das investigações desenvolvidas no âmbito da Operação Enterprise

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Jair Bolsonaro na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, em 14 de junho de 2022 © Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

A Educação Não Pode Esperar

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

A empresa, líder global em embalagens sustentáveis de alumínio, anunciou abertura que vai gerar mais de 100 empregos diretos e 300 indiretos.

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

Milhares de burquinenses que se deslocaram pelo massacre em Seytenga encontraram segurança além da fronteira com o Níger.