×
ContextoExato
Responsive image

Medo profissional no pós-pandemia

Medo profissional no pós-pandemiaFoto: CorreioWeb

Sondagem mostrou que sobreviverá ao novo mundo quem está tecnologicamente habilitado e adaptado ao home office (Valery Hache/AFP - 15/5/20 ) Sondagem mostrou que sobreviverá ao novo mundo quem está tecnologicamente habilitado e adaptado ao home office

Correioweb - 19/05/2020 - 08:37:22

Pesquisa mostra que 47,6% dos entrevistados estão preocupados com o cenário futuro do mercado de trabalho, que vai requerer adaptações. Vários elementos que vêm sendo utilizados agora serão agregados ao dia a dia, sobretudo os relacionados à tecnologia.


Além de avivar temores relativos à saúde, a pandemia da covid-19 aumentou a insegurança na esfera profissional. De acordo com sondagem produzida pela consultoria de recrutamento Talenses Group, em parceria com a Fundação Dom Cabral, quase metade (47,6%) das pessoas sente medo do cenário pós-pandemia, em relação ao mercado de trabalho.


O levantamento considerou as avaliações de 1.294 trabalhadores, ouvidos em abril. Em novembro de 2019, quando a abrangência era de 778 entrevistados e a doença ainda não afetava todo o planeta, a proporção daqueles que manifestaram apreensão quanto ao futuro profissional era de 19,4%.


Apesar do receio, 83,2% dos entrevistados julgam estar preparados para enfrentar os desafios que poderão surgir pelo caminho. No ano passado, a taxa era de 74,6%.


A pesquisa quis saber se os profissionais têm se capacitado para incorporar novos modelos de trabalho. Em novembro, a parcela que respondeu que sim chegou a 81,7% em 2019 e a 80,7% neste ano. Outro aspecto observado diz respeito à compreensão que os profissionais têm, especificamente quanto ao ramo em que estão empregados. Em ambos os levantamentos, a maioria acredita que seu setor será “altamente impactado” por reestruturações em curto ou médio prazo. Em novembro de 2019, a porcentagem era de 79% e, em abril deste ano, de 73%.


Tendo em vista que a condição de pandemia foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) somente no último dia 11 de março, uma série de perguntas consta apenas do levantamento mais recente. Na primeira delas, aborda-se a percepção quanto ao uso de recursos tecnológicos para se acelerar a retomada da economia. Quase a totalidade (92,8%) dos entrevistados respondeu afirmativamente.


Digitalização
A sondagem também estimulou os participantes a refletir sobre a rotina das organizações. O que se nota é que parte significativa das pessoas ouvidas projeta uma forte digitalização dos processos. No total, 87,4% dos entrevistados julgam que a pandemia estimulou empregadores a utilizar tecnologia para realizar novas contratações de funcionários. Além disso, 95,6% consideram que o fenômeno se configura por outro fator: a incorporação de tecnologia que viabiliza procedimentos como o home office.


Com foco na digitalização em curso, os entrevistados que informaram serem responsáveis também pela seleção de funcionários elencaram, cada um, duas competências técnicas que presumem que sejam mais demandadas após a pandemia. Na primeira lista, de novembro, destacavam-se habilidades técnicas, específicas de sua área de atuação (91,4%); inglês avançado ou fluente (48,7%); e habilidades com pacote Office –– pacote de programas com várias funcionalidades, como editor de textos e planilhas, da Microsoft (27,3%).


Quando o contexto da pandemia é levado em conta, a primeira posição é ocupada pelas habilidades digitais (78,2%), que inicialmente eram destacadas por 26,3% dos entrevistados apenas; seguidas de habilidades técnicas, específicas de sua área de atuação (75,2%); e inglês avançado ou fluente (29,1%).

Comentários para "Medo profissional no pós-pandemia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório