×
ContextoExato

'Meninos' do Brasil lucram com startups nos Estados Unidos

'Meninos' do Brasil lucram com startups nos Estados UnidosFoto: Estadão conteúdo

Os fundadores Henrique Dubugras (esq.) e Pedro Franceschi (dir.) na nova sede da Brex em São Francisco junto com a executivo Larissa Maranhão Rocha (centro)

Estadão Conteúdo - 13/08/2019 - 10:13:53

Enquanto grandes empresas da tecnologia sofrem ataques, Brex conquista investidores vendendo serviços e cartões a empresas iniciantes sem crédito.

As coisas não estão muito boas no Vale do Silício, com as grandes empresas de tecnologias sob ataque de agências reguladoras, legisladores e até de presidente Donald Trump. Não é o caso para Henrique Dubugras e Pedro Franceschi. Os dois brasileiros, que abandonaram a universidade Stanford ambos aos 23 anos, são os fundadores da Brex, uma das mais ativas jovens companhias nos dias atuais.

“Sabíamos que se criássemos o que pretendíamos criar, as pessoas iriam querer. Nunca tivemos dúvidas sobre isto”, afirmou Dubugras. A startup de dois anos mudou-se para um espaço ensolarado este ano com a injeção de dezenas de milhões de dólares por investidores, e está avaliada hoje em US$ 2,6 bilhões – com Dubugras e Franceschi valendo cada um US$ 430 milhões, segundo o

Equityzen – mercado de ações de empresas privadas.

A Brex é um exemplo da exuberância inesgotável das startups do Vale do Silício, mesmo em meio à forte reação contra as grandes companhias de tecnologia. As startups levantaram US$ 55 bilhões de capital de risco no primeiro semestre deste ano, o maior valor desde 2000, de acordo com a CB Insighs e PwC. E um grupo florescente dessas empresas tem prosperado atendendo a um mercado que cresce rápido: de outras startups.

Ao lado da Brex existe a Carta, que auxilia empregados de startups a administrar seu patrimônio e está avaliada em US$ 1,7 bilhão. Há também a Guideline, que oferece planos de aposentadoria para outrasstartups. E ainda a InterPrime, que ajuda as startups a administrarem seu “caixa ocioso” e tem mais de 50 clientes.

“As startups são excelentes porque estão desservidas e fornecem um feedback para empresas como a nossa”, disse Kanishka Maheshwari, fundador da InterPrime, sediada em Menlo Park, Califórnia.

Roots Bloody Roots

A história da Brex começou no Brasil, onde Henrique Dubugras e Pedro Franceschi cresceram. Com 12 anos de idade, Pedro Franceschi ficou famoso por “desbloquear iPhones para remover suas restrições de software. Aos 14 anos Henrique criou uma empresa de jogos que foi depois fechada por violações de patente, no que foi, como ele satiriza, “sua crise existencial dos 14 anos”.

Os dois se encontraram no Twitter, ainda adolescentes, e juntos criaram uma startup de pagamentos, a Pagar.me, com sede em São Paulo . Na época em que completavam 20 anos de idade, venderam a Pagar.me para a processadora de cartões brasileira Stone.

Ir para Stanford era o seu sonho, por causa do programa de TV Chuck, cujo protagonista era um hacker que havia estudado lá. Mas depois de oito meses cursando a universidade, ambos abandonaram os estudos. Eles participaram da Y Combinator, uma aceleradora de startups, com a ideia de criar uma companhia de realidade virtual, Veyond. E lá notaram como era difícil para os empreendedores obterem crédito bancário de fontes tradicionais, que exigiam um histórico de crédito e garantias pessoais. Transformaram a Veyond numa empresa de cartão corporativo que mais tarde passou a se chamar Brex. A ideia era atrair as startups oferecendo crédito aprovado quase instantaneamente sem exigir garantias pessoas. A Brex firmou uma parceria com o Sutton Bank, em Ohio, para emissão de cartões. Para mitigar o risco, a companhia monitora constantemente as contas bancárias dos seus clientes e ajusta os limites de crédito. E exige que as startups amortizem o saldo do seu cartão de crédito.

Os cartões custam cinco dólares por ano por usuário depois dos cinco primeiros, que não pagam por eles. A Brex cobra tarifas pelas transações dos comerciantes.

Henrique e Pedro são diretores executivos. Henrique cuida das parcerias, da obtenção de investimentos e das comunicações e Pedro se concentra na área de tecnologia e operações.

De imediato a demanda foi maior do que conseguiam administrar. “As coisas estavam fervendo, como dizemos”, afirmou Anu Hariharan, sócia do Y Combinator’s Continuity Fund, que investiu na Brex. “Todo mundo querendo participar e você não consegue lidar com isso”.

Cartão corportativo da Brex

Cartão corportativo da Brex

Entre as startups que adotaram os cartões corporativos da Brex estava a Hims, provedora de remédios online; a SoFi, startup de finanças pessoas e a Classpass, uma empresa de fitness.

Outra era a Boxed, startup de e-commerce de Nova York, que começou a utilizar o cartão Brex há um ano para pagar produtos em estoque e anúncios digitais. O cartão permitiu à Boxed vender mercadoria antes de pagar pelo produto, liberando capital para financiar mais crescimento, disse Chieh Huang, o diretor executivo da firma.

A Boxed, que tem quase US$ 250 milhões de financiamento e mais de US$ 100 milhões de receita anual, tinha um limite extremamente alto, disse Huang.

Apesar do seu crescimento a Brex no início lutou para recrutar engenheiros porque o mercado de talentos é competitivo, disse Larissa

Maranhão Rocha, primeira funcionária da empresa e diretora de comunidade. Isso mudou depois de a companhia levantar financiamento em fevereiro e outubro do ano passado. Dentro de seis meses operando a Brex chegou a uma valorização de US$ 1 bilhão. Entre seus investidores estão Peter Thiel e Max Levchin, que criaram o PayPal.

A Brex então partiu para uma blitz promocional, cobrindo paradas de ônibus, outdoors e terminais em aeroportos com seu logo e slogans como “o cartão corporativo que está à altura da sua publicidade”.

Em novembro Henrique Dubugras exibiu os cartazes em uma conferência afirmando que era a maneira mais barata de se chegar a clientes e a empregados potenciais do que os anúncios digitais. Depois disto os preços de cartazes em San Francisco aumentaram, disse. Hoje ele tem uma nova regra: “Nunca fale de propaganda que funciona”.

No momento a Brex possui 220 funcionários, mas estima que no fim deste ano serão em torno de 400.

Demanda

O conceito em alta da companhia atraiu mais investidores de risco. Henrique Dubugras e Pedro Franceschi rejeitaram muitos deles, mas aproveitou a reunião para promover seus cartões corporativos para outras empresas nas quais esses investidores injetaram dinheiro.

Uma da reuniões foi realizada em um café no San Francisco’s South Park, perto dos escritórios de mais de dez empresas de capital de

risco. O local era ponto de empreendedores e investidores, todos eles potencialmente bisbilhotando. Então em março a Brex inaugurou um longe privado, o Oval Room (Salão Oval), que fica em cima daquele café.

Com o nome copiado do Oval Office da Casa Branca e o formato do South Park, o novo local é uma das vantagens que a Brex oferece a seus clientes, além de outras, como créditos para armazenagem na nuvem, descontos nos espaços de escritórios da WeWork e pontos para gastar com aluguel de scooters.

Propagandas da Brex nas ruas de São Francisco 

Propagandas da Brex nas ruas de São Francisco

Vantagens

Henrique Dubugras e Pedro Franceschi estão usufruindo de algumas vantagens de liderar uma startup famosa. Henrique disse que agora compra as refeições para seu cão Bernês, Ruby, cujo nome é baseado na linguagem de codificação Ruby on Rails. "Não sabemos por quanto tempo o sucesso da Brex vai durar. Como muitas startups faliram, centenas de clientes da Brex deixaram o negócio.

A empresa tenta entender quando isso ocorre. Ao contrário das provedoras de cartão de crédito, que simplesmente corta o cliente se ele deixa o negócio e não paga, a Brex vê esses empreendedores falidos como futuros clientes que poderão tentar de novo com uma nova ideia.

Henrique acha que o capital de risco não vai desaparecer se as coisas mudarem, e que, enquanto a Brex continuar atendendo às startups que crescem rapidamente, tudo estará bem. A Brex normalmente sabe quanto clientes estão sem dinheiro, porque monitora constantemente sua saúde financeira e ajusta os limites de crédito.

Mas por via das dúvidas a Brex, que não é lucrativa, mantém uma reserva em dinheiro. Em junho a empresa conseguiu mais US$ 100 milhões de investidores, incluindo a DST Global e Kleiner Perkins. O que levou a um financiamento total de US$ 315 milhões incluindo a dívida.

Neil Mehta, investidor na Greenoaks Capital, que conduziu a rodada de financiamentos da empresa em outubro, afirmou ter se encantado com a startup porque ela oferece uma “experiência para o cliente de cair o queixo”, comparável com a primeira vez que usou o Uber ou experimentou um Tesla.

Este ano a Brex começou a trabalhar com empresas ligadas às área de biologia e e-commerce. Estas últimas constituem 30% das suas atividades.

À medida que a companhia cresce é crucial se manter disciplinada, disse Pedro. No Vale do Silício “é fácil tirar os pés do chão e esquecer o que é importante”, acrescentou. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Comentários para "'Meninos' do Brasil lucram com startups nos Estados Unidos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório