×
ContextoExato
Responsive image

MP do Distrito Federal consegue aumento da pena de envolvidos no esquema da Kriptacoin

MP do Distrito Federal consegue aumento da pena de envolvidos no esquema da KriptacoinFoto: Reprodução

Réus foram condenados por crime contra a economia popular, ocultação de bens, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro

Secretaria De Comunicação Do Mpdft - 09/10/2019 - 15:47:29

Após recurso do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), os denunciados na Operação Patrik, que investigou esquema criminoso de pirâmide financeira com uso da moeda virtual Kriptacoin, tiveram aumento da pena. Com a decisão, o líder do grupo, Weverton Viana, que fora condenado a 11 anos e 5 meses de prisão, terá de cumprir 15 anos e 2 meses.

Outros envolvidos também tiveram aumento da pena: Welbert Richard terá de cumprir 5 anos e 2 meses; Fernando Ewerton César da Silva, 5 anos e 7 meses; Urandy João de Oliveira, 10 anos e 4 meses; Hildegarde Nascimento de Melo, 4 anos e 9 meses; e Paulo Henrique Alves Rodrigues, 9 anos.

Marcos Kazu, que havia sido absolvido por insuficiência de provas, foi condenado a 10 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão, pelos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa. A ré Thaynara Cristina Oliveira Carvalho, condenada na primeira instância, foi absolvida devido à insuficiência de provas com relação à prática do crime de organização criminosa.

Além das condenações, a 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT) também determinou que os dados dos réus fossem incluídos no Cadastro Nacional de Condenados por Ato de Improbidade Administrativa e por Ato que Implique Inelegibilidade (CNCIAI), do Conselho Nacional de Justiça.

Para o titular da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, Paulo Roberto Binicheski, a decisão é importante porque coloca as penas nos devidos patamares e deve servir de alerta às pessoas para não acreditarem em lucro fácil.

Operação
As investigações, realizadas pelo MPDFT e pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), apontaram a existência de associação criminosa voltada para a prática dos crimes de pirâmide financeira e estelionato, com a exploração de moeda virtual fictícia, cujo objetivo era a obtenção de vantagens ilícitas, em detrimento da confiança dos investidores.
A atuação da organização era caracterizada pela atração de pessoas dispostas a realizar investimentos, com a promessa de lucros de 1% ao dia, com a moeda virtual Kriptacoin. Além disso, as vítimas também eram seduzidas pela possibilidade de perceberem lucros ainda maiores a partir da indicação de novos investidores, o que é característica das estruturas de pirâmide financeira.

Em abril de 2018, 13 pessoas foram condenadas pelos crimes contra a economia popular, ocultação de bens, falsidade ideológica e organização criminosa. As penas variaram de 3 a 11 anos de prisão. Os envolvidos haviam sido denunciados em setembro de 2017. Em março de 2019, a Prodecon recorreu para que quatro denunciados também respondessem por lavagem de dinheiro.

Processos

Leia mais

Operação Patrick: Tribunal aceita recurso do MPDFT e réus vão responder por lavagem de dinheiro

Operação Patrik: 13 são condenados no esquema da Kriptacoin

Operação Patrik: 16 pessoas são denunciadas no esquema da Kriptacoin

Operação Patrik: moeda digital Kriptacoin é alvo de investigação do MPDFT e da PCDF

Operação Patrik: MPDFT e Polícia Civil investigam venda da moeda digital Kriptacoin

Comentários para "MP do Distrito Federal consegue aumento da pena de envolvidos no esquema da Kriptacoin":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório