×
ContextoExato
Responsive image

MP do Trabalho recorre contra retomada de aulas presenciais em escolas privadas do Distrito Federal

MP do Trabalho recorre contra retomada de aulas presenciais em escolas privadas do Distrito FederalFoto: Mariana Silva/Esp. CB/D.A. Press

Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal e no Tocantins (MPT-DF/TO) entrou com um recurso contra a decisão judicial que autoriza a retomada das aulas nas escolas particulares.

Jéssica Eufrásio - Correioweb - 06/08/2020 - 16:18:04

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal e no Tocantins (MPT-DF/TO) entrou com um recurso contra a decisão judicial que autoriza a retomada das aulas nas escolas particulares. A parte entrou com um mandado de segurança, enviado ao Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) na quarta-feira (5/8).

O órgão recorreu à segunda instância da corte para pedir uma nova decisão provisória que suspenda a anterior. Além disso, o MPT-DF/TO solicita a expedição de outro cronograma para retorno das aulas, semelhante ao da rede pública de ensino, bem como a adoção de novo protocolo de saúde e segurança. O Ministério Público do Trabalho argumenta serem necessárias regras "setorizadas, detalhadas e de caráter cogente (impositivo)".


O MPT-DF/TO pleiteia a suspensão, em até 24 horas, de trecho do Decreto nº 40.939/2020, para retorno imediato das atividades nas escolas particulares. Para o órgão, é necessário que as autoridades públicas de saúde constatem que foram "minimizados os riscos de contaminação" e "que haja condições necessárias de para segurança no ambiente escolar". O pedido é que o novo calendário seja definido pela corte, mas levando em conta a "comprovada redução da curva de contaminação por cvovid-19" e as taxas de ocupação dos leitos hospitalares do DF.


O decreto, publicado em 2 de julho, apresenta 26 medidas como parte de um protocolo de segurança. No entanto, o MPT-DF/TO sugere 66 em substituição. No entanto, o Ministério Público ressalta que o pedido não impede as instituições particulares de continuar com o ensino exclusivamente remoto enquanto perdurar a pandemia.

Justificativas

Na argumentação, o MPT-DF/TO destaca recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) em favor do isolamento social, como forma de conter o contágio pela covid-19. O recurso inclui, ainda, menção a uma pesquisa feita pelo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe/DF) na qual 34,9% dos pais de alunos entrevistados seriam favoráveis ao retorno das aulas presenciais.

Nas escolas da rede pública do DF, o retoro começa a partir de 31 de agosto, com volta escalonada. O pedido é de que o mesmo ocorresse nas escolas privadas. No entanto, desde a publicação do decreto que liberava as atividades, o Governo do Distrito Federal (GDF) definiu que as instituições particulares têm autonomia para estabelecer calendário próprio.

Em relação ao protocolo de ações sugeridas pela Secretaria de Educação (SEE-DF) para as escolas particulares, o MPT-DF/GO considerou que há "inconsistências". "(...) tais como divergências quanto à metragem do distanciamento mínimo entre pessoas, além de se mostrar insuficiente para a garantia da saúde e segurança dos membros da comunidade escolar, tendo em vista que não traz detalhamentos essenciais para se evitar a disseminação do contágio e os impactos negativos da covid-19", afirma trecho do recurso.

Para o Ministério Público, se não houvesse retomada imediata das atividades a partir de 27 de julho, como previsto em decreto, seria possível dialogar com as entidades envolvidas e solicitar o "aprimoramento do protocolo apresentado pela SEE-DF". "A par disso, a reabertura das escolas particulares apenas poderia ocorrer após o efetivo treinamento dos trabalhadores acerca das regras contidas no protocolo, além da comprovação de adequação estrutural das unidades escolares e da ampla divulgação e orientação sobre essas regras a pais/responsáveis e alunos", diz o texto.

Liberação

Na terça-feira (4/8), a juíza Adriana Zveiter, da 6ª Vara Regional do Trabalho de Brasília, liberou o retorno imediato das aulas nas instituições particulares do DF. Apesar da proposta de calendário escalonado para volta às aulas apresentada na segunda-feira (3/8), a magistrada deixou as datas a critério das escolas, faculdades e universidades privadas.

A juíza chegou a realizar uma audiência de conciliação para buscar um consenso. Após a reunião das partes interessadas, a magistrada apresentou uma proposta de retomada escalonada das atividades. Contudo, sem apresentação de um novo calendário por parte do GDF, a retomada permaneceu a critério das instituições de ensino.

Comentários para "MP do Trabalho recorre contra retomada de aulas presenciais em escolas privadas do Distrito Federal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório