×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

MP que altera processo de eleição para reitor é "restritiva e abusiva", diz Andifes

MP que altera processo de eleição para reitor é Foto: Brasil de Fato | São Paulo

Publicada na véspera do Natal, medida assinada por Bolsonaro atinge autonomia das federais; entenda o que muda

Lu Sudré Brasil De Fato | São Paulo - 26/12/2019 - 17:14:04

Em meio ao recesso letivo e sem consulta aos setores da área, Jair Bolsonaro editou uma Medida Provisória (MP) que altera o processo de escolha dos reitores das universidades federais brasileiras. Publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) no dia 24 de dezembro, o texto eliminou a possibilidade de consulta paritária à comunidade acadêmica para a escolha do gestor da instituição.

Com a medida, passa a ser obrigatório o peso de voto de 70% para a categoria dos docentes, enquanto técnico-administrativos e estudantes terão 15% por categoria, respectivamente. A regra já existia na legislação anterior, mas havia a possibilidade de consulta paritária dentro de cada instituição – tradição democrática seguida pela maiorias das federais.


A partir do resultado, obtido por média ponderada, uma lista tríplice deve ser encaminhada a Bolsonaro, que tem liberdade para nomear um dos três nomes, independentemente da vontade da maioria.

:: MP de Bolsonaro que muda regras para escolha de reitores agride a democracia ::

Embora a lei permita que o presidente da República escolha qualquer um dos três nomes, os governos Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT) sempre nomearam o primeiro da lista. Bolsonaro, por sua vez, alterou este cenário logo no primeiro ano de gestão: o governo interveio em 6 de 12 nomeações de reitores de universidades federais até agosto deste ano. Em maio, Abraham Weintraub, ministro da Educação, indicou o que essa postura tinha relações com questões políticas.

Em entrevista ao Brasil de Fato, João Carlos Salles, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes), critica a edição da MP 914/2019.

“O atual governo não preza pela vontade majoritária das comunidades universitárias. Isso agride a democracia, a autonomia das universidades, que devem ser capazes de exercitar sua sabedoria, sua reflexão sobre seu destino e sobre quem melhor as representas”, afirma Salles.

Ele lamenta a falta de diálogo e a manobra utilizada pelo governo. “A comunidade não foi consultada, as universidades não foram consultadas, a Andifes não foi consultada. É muito estranho usar o expediente de uma Medida Provisória, que é um recurso justificado em situações de emergência e de relevância específica, temporária, que exige um posicionamento. Não é o caso”, desaprova o representante da Andifes.

O texto tem força de lei a partir do momento da aprovação, mas precisa ser aprovado pelo Congresso Nacional no prazo de 120 dias. Caso não seja apreciado neste período, perde a validade.

Outras mudanças

A MP também designa ao reitor aprovado pelo presidente a escolha de seu vice e dos diretores gerais dos campi e das unidades. Antes, os gestores eram escolhidos por meio de eleição direta e o vice compunha chapa com o candidato a reitor.

“A consulta se torna impositiva, os conselhos perdem o papel de mediação da vontade coletiva e, além disso, pessoas eventualmente nomeadas passam a contar com um dispositivo pouco democrático. O reitor pode escolher, arbitrariamente, sem ouvir a comunidade. Isso é indesejável. Diminui a qualidade democrática, reflexiva, de nossas gestões”, avalia Salles, que também é reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

“A universidade deve ser capaz de decidir os critérios dos quais vai se servir para a escolha dos dirigentes. A medida provisória se impõe sobre a vontade da comunidade de forma restritiva e abusiva”, endossa.

Para além das universidades, as mudanças também atingem institutos federais e o Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro.

No caso dos institutos federais, a possibilidade de intervenção por parte do governo é ainda maior. Antes da MP, os institutos realizavam votações paritárias e encaminhavam apenas um nome à presidência, mas agora deverão formar uma lista tríplice, como as universidades.

Em nota, a deputada federal Margarida Salomão (PT-MG), coordenadora da Frente Parlamentar Mista pela Valorização das Universidades Federais, classificou a medida como “uma afronta gravíssima a autonomia universitária”.

“É preciso registrar que não há emergência, relevância, nem qualquer outro requisito constitucional que justifique a intervenção desenhada pelo governo através de Medida Provisória”, diz o texto. “O timing também é absurdo. Ao enviar uma medida com alterações profundas no processo de escolha dos dirigentes universitários, em edição extra do Diário Oficial em pleno dia 24 de dezembro, Bolsonaro parece buscar não chamar atenção para a iniciativa”.

Salomão também critica a falta de diálogo com a comunidade acadêmica e entidades do setor que serão diretamente afetadas com as alterações. “Deste modo, a iniciativa é imprópria, inadequada, autoritária e, especialmente, inconstitucional. Rejeitamos tudo isto”. No texto, a coordenadora da Frente Parlamentar acrescenta que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para denunciar a ilegalidade do texto.

A MP de Bolsonaro também estende aos candidatos as proibições previstas na Lei da Ficha Limpa e estabelece que os reitores não poderão mais ser reeleitos.

Segundo João Carlos Salles, as federais continuarão a defender a universidade como lugar de resistência ao obscurantismo, ao preconceito e ao autoritarismo. “Essa luta é uma luta que vai independer, inclusive, das formas de eleição. Nós a temos travado todos os dias”, finaliza.

Edição: Daniel Giovanaz

Comentários para "MP que altera processo de eleição para reitor é "restritiva e abusiva", diz Andifes":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Mídia internacional critica encontro entre Musk e Bolsonaro

Mídia internacional critica encontro entre Musk e Bolsonaro

Durante o evento, o presidente disse que a Amazônia é

Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

O Instituto de Microbiologia das Forças Armadas da Alemanha confirmou o caso após ter detectado a presença do vírus no paciente durante a última quinta-feira

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Abelhas e outros insetos polinizadores apoiam a produção de alimentos para 2 bilhões de pequenos agricultores

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

O Senado dos EUA sabatinou, nesta quarta-feira (18), a diplomata Elizabeth Bagley. Ela foi questionada sobre as eleições no Brasil e a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Bagley falou em sua audiência para confirmação, no Comitê de Relações Exteriores do Senado americano.

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Tal decisão foi confirmada e divulgada mundialmente por meio de um comunicado realizado pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Segundo o delegado, os traficantes pagam por volta de R$ 20 mil por quilo para comprar a droga e passam a comercializá-la no Brasil

"Democracia latino-americana está envenenada", afirma ex-presidente uruguaio Pepe Mujica

Em evento no Uruguai, o político aposentado cobrou uma união da população para barrar governos autoritários

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

A ONU marca em 15 de maio o Dia Internacional das Famílias com foco na urbanização e como melhorar a vida das pessoas nas cidades

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Apesar das medidas restritivas para evitar a circulação de pessoas entre cidades, as descrições da mídia estatal norte-coreana indicam que a população não está confinada.

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Nos demais consulados no país a demora é menor