×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de agosto de 2022

Mudanças no Código de Trânsito brasileiro

Mudanças no Código de Trânsito brasileiro

Foto: Divulgação-Ministério das Cidades

As razões para as mudanças são várias. A primeira é que a pirâmide dos pontos está invertida. Das mais de 250 infrações previstas, dois terços são gravíssimas e graves, 26% médias e apenas 8%, leves.

Por David Duarte Lima-correio Braziliense - 16/06/2019 - 20:07:49

O Código de Trânsito Brasileiro precisa de revisão. Com 22 anos, envelheceu precocemente e pede mudanças. No Congresso Nacional, há centenas de propostas de alterações, muitas cosméticas, que vagam de comissão em comissão, ou descansam numa gaveta à espera de acordos.


As razões para as mudanças são várias. A primeira é que a pirâmide dos pontos está invertida. Das mais de 250 infrações previstas, dois terços são gravíssimas e graves, 26% médias e apenas 8%, leves. Ora, nos códigos de trânsito mundo afora, as infrações gravíssimas são minoria, apenas as que realmente têm alto poder ofensivo e colocam a segurança em risco. No nosso, há infrações gravíssimas que nem sequer poderiam ser consideradas infrações de trânsito. Por exemplo, o art. 242 preconiza que é infração gravíssima “fazer falsa declaração de domicílio para fins de registro, licenciamento ou habilitação”. Ora, essa é apenas uma questão administrativa ou, eventualmente, falsidade ideológica, não uma infração de trânsito.


Outra razão é que parte do código se mostrou inaplicável em diversas áreas. Em um país diverso como o Brasil, a aplicação das regras pode não funcionar a contento. O que vale na cidade de São Paulo é muitas vezes inaplicável em pequenas cidades. Por seu lado, o próprio Estado não consegue cumprir suas obrigações. O art. 88 preconiza que nenhuma via pode ser entregue ao público antes de ser devidamente sinalizada e em condições adequadas de circulação e segurança. Convenha, a realidade é completamente diferente.



O presidente Bolsonaro levou pessoalmente ao Congresso Nacional uma proposta de projeto de lei (PL 3.267/19) para alterar o Código de Trânsito Brasileiro. A intenção é que seja uma mexida grande e significativa. A proposta quer alterar 16, e incluir dois novos artigos e revogar integral ou parcialmente oito. Algumas alterações dizem respeito a aspectos administrativos ou burocráticos, porém cinco pontos vão interferir na vida dos cidadãos e na segurança viária: validade da carteira, exame toxicológico, lei dos faróis, transporte de crianças e número de pontos para suspensão da habilitação.



Considero os três primeiros razoáveis, mas os dois últimos, questionáveis. O aumento de cinco para 10 anos da validade da habilitação até o condutor completar 65 anos deverá ter impacto pequeno na segurança de trânsito. No entanto, exames mais frequentes e completos a partir dessa idade poderão detectar com mais precisão perda de habilidades comuns ao envelhecimento.



O projeto de lei propõe também a eliminação do exame toxicológico. A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) é contra o exame por considerá-lo ineficaz, ilegal e caro, sem impacto na segurança viária. Para a segurança, o que importa é que o motorista não dirija sob efeito de droga, o que esse exame não é capaz de afirmar. A Lei 13.290/16, que obriga manter faróis baixos ligados durante o dia em rodovias, será revogada. Prevê-se a obrigatoriedade durante o dia apenas em rodovias de pista simples, e a inobservância passa a ser infração leve.



No caso do transporte de crianças fora das normas de segurança, atualmente infração gravíssima, o novo projeto mantém a obrigatoriedade, mas, no caso de descumprimento, o condutor receberá apenas uma advertência por escrito. Por que afrouxar normas de segurança se convivemos com uma situação grave exatamente por falta da observância dessas normas? Seria correto eliminar a penalidade para os pais que insistem em um transporte arriscado? Sabemos que 40% das mortes de crianças com menos de 10 anos ocorre no interior dos veículos e por falta de acomodação adequada em cadeirinha ou bebê-conforto. Os pais têm de ser necessariamente responsabilizados, pois as crianças não têm condição de avaliar e prover sua própria segurança.



Finalmente o governo propõe aumentar de 20 para 40 pontos o limite de pontos para suspensão do direito de dirigir. O argumento é que hoje é muito fácil atingir 20 pontos. E é mesmo. No Brasil todas as infrações contam pontos. Em muitos países, só infrações que têm risco para a segurança pontuam. Poderíamos fazer o mesmo por aqui.



O Código de Trânsito necessita de atualização, mas o novo projeto não muda o que é necessário, como estabelecimento de maior equilíbrio, que reconheça a diversidade e as limitações da situação. E, pior, sinaliza com mais impunidade quando já temos excesso de violência. Temos 45 mil mortos e 1 milhão de feridos no trânsito por ano. Quantos foram responsabilizados e presos? Falar em aumento da tolerância é, no mínimo, condescender com a irresponsabilidade, a negligência e a tragédia.


DAVID DUARTE LIMA
Professor da Universidade de Brasília (UnB) e membro do Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito

Comentários para "Mudanças no Código de Trânsito brasileiro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
STF decide que mudanças na lei de improbidade não retroagem para condenações definitivas

STF decide que mudanças na lei de improbidade não retroagem para condenações definitivas

Cerco de pistoleiros, tiros e ameaças:

Cerco de pistoleiros, tiros e ameaças: "Não andamos mais livres", dizem Pataxós no Sul da Bahia

DF não tem previsão para retomar vacinação de crianças a partir de 3 anos

DF não tem previsão para retomar vacinação de crianças a partir de 3 anos

Damares terá de remover vídeos em que diz que Lula 'ensinava jovens a usar crack

Damares terá de remover vídeos em que diz que Lula 'ensinava jovens a usar crack

Simulador virtual ajuda eleitor a treinar o voto na urna

Simulador virtual ajuda eleitor a treinar o voto na urna

Jovens são chamados a combater Fake News nas eleições

Jovens são chamados a combater Fake News nas eleições

Inpa abre inscrições para curso sobre tecnologia de bioflocos para criação de peixes amazônicos

Inpa abre inscrições para curso sobre tecnologia de bioflocos para criação de peixes amazônicos

Cinco atividades imperdíveis para fazer com crianças no Alentejo

Cinco atividades imperdíveis para fazer com crianças no Alentejo

Dia do Ciclista: 4 rotas imperdíveis para pedalar em Brasília

Dia do Ciclista: 4 rotas imperdíveis para pedalar em Brasília

Jericoacoara e praias de São Paulo são tendência de viagem entre agosto e setembro

Jericoacoara e praias de São Paulo são tendência de viagem entre agosto e setembro

Marketing local: Como fazer a divulgação e lucrar com a revenda de gás e água

Marketing local: Como fazer a divulgação e lucrar com a revenda de gás e água

Presença de mulheres nas urnas é maior desde pleito de 2014

Presença de mulheres nas urnas é maior desde pleito de 2014

Brasil vende menos para China e eleva volume de exportação para UE, diz Índice de Comércio Exterior

Brasil vende menos para China e eleva volume de exportação para UE, diz Índice de Comércio Exterior

Entidades da sociedade civil no Brasil buscam apoio para vida marinha e oceanos

Entidades da sociedade civil no Brasil buscam apoio para vida marinha e oceanos

Em Pernambuco, Missa do Vaqueiro celebra a fé do povo sertanejo

Em Pernambuco, Missa do Vaqueiro celebra a fé do povo sertanejo

85% das famílias atingidas pela barragem, em Mariana, sofrem com deslocamento compulsório

85% das famílias atingidas pela barragem, em Mariana, sofrem com deslocamento compulsório

Crise no sistema de assistência social do DF segue sem solução

Crise no sistema de assistência social do DF segue sem solução

Distrito Federal e dez estados recebem novas ambulâncias do Samu

Distrito Federal e dez estados recebem novas ambulâncias do Samu

Camex torna definitivo corte de 10% de tarifa comum do Mercosul

Camex torna definitivo corte de 10% de tarifa comum do Mercosul

PF diz ao STF que vê crime de Bolsonaro por associar vacina ao vírus da aids

PF diz ao STF que vê crime de Bolsonaro por associar vacina ao vírus da aids

PGR recorre para arquivar investigação sobre inquérito vazado por Bolsonaro

PGR recorre para arquivar investigação sobre inquérito vazado por Bolsonaro