×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DFFoto: Divulgação/Coletivo de Mulheres Negras Baobá

Não nos matem

Coletivo De Mulheres Negras Baobá* - Brasil De Fato | Brasília (df) - 09/10/2021 - 15:31:14

A violência de gênero, embora possua uma característica transversal, ou seja, de que todas as mulheres podem ser vítimas de violência doméstica e de feminicídio sexual, independente da sua raça ou classe social, os dados confirmam que as principais vítimas são as mulheres negras.

De acordo com Sueli Carneiro, filósofa, escritora e ativista antirracista do movimento social negro e de mulheres, “por mais que todas as mulheres estejam sujeitas a esse tipo de violência, já que é sistemática, se faz importante observar o grupo que está mais suscetível a ela, já que seus corpos vêm sendo desumanizados historicamente, ultrassexualizados, vistos como objeto sexual”.

A CPI do Feminicídio instalada na Câmara Legislativa do Distrito Federal no dia 5 de novembro de 2019, ao aprovar seu relatório final em 10 de maio de 2021, que será encaminhado a autoridades do DF, concluiu os trabalhos investigativos de que há omissão e falhas no tratamento às vítimas de violência doméstica e de feminicídio.

Segundo o relatório, que analisou 90 casos de tentativas e de feminicídios consumados entre 2019 e 2020, as mulheres negras são as principais vítimas no DF, cerca de 79%, praticamente 8 de cada 10 vítimas. Quase 50% já tinham medidas protetivas de urgência contra o agressor antes do crime e em 75% dos casos verificou-se denúncias e registros anteriores aos assassinatos.

Em 2021, somente no primeiro trimestre, o DF já registrou alta de 40% os números de tentativas de feminicídio em relação ao ano passado. Os agressores, na sua maioria, são maridos ou ex-maridos e os atos se configuram ligados dentro de suas casas.

Essas mulheres são afetadas em seus corpos por uma desgastante rotina de trabalho dentro e fora de seus lares, constatando as relações desiguais de poder entre elas e os homens.

No dia 3 de outubro mais um caso de feminicídio praticado contra Cilma da Cruz Galvão, diretora de Políticas para Mulheres e de Combate ao Racismo do Sindiserviços/DF, assassinada pelo marido dentro de sua residência corroborou com a necessidade de enfrentamento de tais falhas e omissões.

Há uma falta de articulação entre o Sistema de Justiça Criminal, que precisa de qualificação, o Sistema de Segurança Pública e o Judiciário, que enxergam os sujeitos e as sujeitas negras como originalmente predispostos ao crime ou ao cometimento de delitos.

Soma-se a isso o descaso do governador Ibaneis Rocha que não diminui, por meio de políticas públicas eficazes, a demanda entre a prestação de serviços públicos de atenção à mulher e a operacionalidade desses serviços.

A Secretaria de Estado da Mulher do DF não tem dado conta da complexidade das violências contra as mulheres em todas as suas expressões física, psicológica, sexual, moral e patrimonial.

As mulheres, ao acessarem o Estado precisam obter como resposta encaminhamentos concretos, onde haja um ambiente de prevenção, de proteção e de combate.

É preciso se contrapor ao ciclo de violência em que as mulheres em geral, e as mulheres e meninas negras, em particular, estão cotidianamente sujeitas. Para isso, é necessário um enfrentamento conjunto dos demais setores envolvidos como saúde, segurança pública, justiça, educação, assistência social, no sentido de construir ações contra as desigualdades e violência de gênero, de raça e de classe social.

Quantas ainda precisam ser violadas nos seus direitos e mortas para que não sejamos apenas números em estatísticas e aumento da audiência em programas de televisão?

O contexto da pandemia agravou a situação, que já não nos era favorável, com a vulnerabilização, o empobrecimento, o recrudescimento do racismo e do machismo frente à Covid-19.

As mulheres organizadas no Coletivo de Mulheres Negras Baobá têm construído ações de forma a lutar contra a eliminação de corpos das mulheres, principalmente de mulheres e meninas negras, o silenciamento, a invisibilidade, a desvalorização e o desprezo historicamente vivenciados por esse segmento majoritário da população que, segundo o IBGE compõem a maior cifra de informalizadas e subutilizadas.

Nesse sentido, somamos forças com o Levante Feminista Contra o Feminicídio no DF, articulação composta pelo conjunto de mulheres feministas do DF e Entorno na campanha nacional contra o Estado feminicida e necropolítico, que destrói direitos duramente conquistados pelas mulheres.

As mulheres organizadas no Coletivo de Mulheres Negras têm construído ações junto às comunidades no DF (Morro do Sabão, em Samambaia e Setor de Chácara Lúcio Costa), composta por mães solo, trabalhadoras domésticas, recicladoras, desempregadas com o objetivo de lutar contra a eliminação de corpos das mulheres, principalmente de mulheres e meninas negras, o silenciamento, a invisibilidade, a desvalorização e o desprezo historicamente vivenciados por esse segmento majoritário da população que, segundo o IBGE compõem a maior cifra de informalizadas e subutilizadas.

Estamos articuladas, lutando e resistindo contra o racismo, o machismo, a exploração do capitalismo, cujo modelo neoliberal e suas políticas liberalizantes têm causado impactos extremamente negativos para a população negra e indígena, e pelo Bem Viver.

#ParemdeNosMatar!

#NemPensememNosMatar!

*O Coletivo de Mulheres Negas Baobá do DF e Entorno, fundado em 30 de dezembro de 2020, é uma articulação política, que visa promover o enfrentamento contra o racismo, machismo, sexismo, lesbofobia, transfobia, toda forma de violência contra a mulher negra. Por meio da prática do Bem Viver social com envolvimento histórico, social, econômico, político e cultural das pessoas negras, em especial das mulheres negras, principalmente as envolvidas nos espaços comunitários.

* *Este é um artigo de opinião. A visão dos autores não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato DF.

Para receber nossas matérias diretamente no seu celular clique aqui.

Edição: Flávia Quirino

Comentários para "Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, Pagu ganha projeto com textos e vídeos

Primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, Pagu ganha projeto com textos e vídeos

Militante ativa do comunismo, Pagu foi a primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil por 23 vezes

Gloria Pires comemora 40 anos de cinema com novo longa de Hsu Chien Hsin

Gloria Pires comemora 40 anos de cinema com novo longa de Hsu Chien Hsin

Hsu Chien, que nasceu em Taiwan e se radicou no Rio ainda criança, construiu a trama a partir de experiências pessoais com consumo desenfreado.

Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica

Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica

Campanha Sinal Vermelho auxiliará mulheres de modo discreto e sigiloso

Mulheres fingem pedir comida para serem resgatadas no DF

Mulheres fingem pedir comida para serem resgatadas no DF

PMs passam por treinamento para reconhecer solicitações de ajuda

Atleta de Minas Gerais vence campeonato nacional de breaking pela segunda vez consecutiva

Atleta de Minas Gerais vence campeonato nacional de breaking pela segunda vez consecutiva

O breaking surgiu em meados da década de 70 nos guetos de Nova Iorque e logo se espalhou pelo mundo

Presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo sofre nova denúncia de assédio sexual

Presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo sofre nova denúncia de assédio sexual

Rogério Caboclo está afastado do comando da CBF

ONU pede que Bolsonaro reveja veto à distribuição de absorventes

ONU pede que Bolsonaro reveja veto à distribuição de absorventes

No documento, relatores da ONU pedem ao governo Jair Bolsonaro que

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Paloma Costa na Greve Mundial pelo Clima, em 2020

Unesco premia Brasil e Moçambique em projetos para educação de mulheres

Unesco premia Brasil e Moçambique em projetos para educação de mulheres

Cada um dos premiados receberá US$ 50 mil para ajudar a continuar seu trabalho no avanço da educação de mulheres e meninas

Com medalhas de ouro e prata, Rebeca Andrade faz história no Mundial de Ginástica

Com medalhas de ouro e prata, Rebeca Andrade faz história no Mundial de Ginástica

Em suas duas apresentações no salto, Rebeca tirou as notas 15,133 e 14,800, atingindo uma média de 14,966.

Governo do DF dá abrigo a juízas refugiadas do Afeganistão

Governo do DF dá abrigo a juízas refugiadas do Afeganistão

As juízas foram selecionadas para receber acolhimento no Brasil pelo grau de risco que corriam permanecendo no Afeganistão